Todos conhecemos alguém que adora fazer drama ou que assiste alegremente o drama de alguém com um saco de pipoca na mão.

E embora pareça um traço de personalidade infantil do qual você espera que cresçam, os psicólogos estão se interessando cada vez mais pela maneira como certas personalidades tendem a se inserir no drama dos outros ou a criar dramas por si mesmas, porque pode ter consequências bastante sérias sobre não apenas a vida delas, mas também das que os rodeiam.

“Pessoas com personalidades propensas ao drama geralmente vivem vidas caóticas e infligem crises artificiais à familiares, amigos e colegas de trabalho”, explicou uma equipe da Universidade do Texas em um novo estudo.

Indivíduos de ‘dramáticos’ tendem a ter longas histórias de relacionamentos fracassados, criam conflitos no local de trabalho e nas mídias sociais, e não apenas se envolvem em fofocas sobre os outros – eles se queixam de ser o assunto das fofocas.

“Eles parecem ver o mundo acontecendo com eles em foco”, relatam os pesquisadores na revista “Personality and Individual Differences“, o que provavelmente os torna reativos às percepções e negligentes”.

Definindo uma Necessidade de Drama (NFD) como um “traço de personalidade composto no qual os indivíduos manipulam os outros a partir de uma posição de vitimização percebida”, a equipe decidiu criar uma nova escala para medir o traço de personalidade em um indivíduo. Na psicologia, muitos traços de personalidade são formalmente medidos usando essa técnica, incluindo neuroticismo, extroversão, narcisismo e simpatia.

Essa nova escala é baseada em três fatores principais :

Manipulação interpessoal: “Caracterizada pela disposição de uma pessoa de influenciar outras pessoas a se comportarem de uma maneira que atenda aos objetivos do manipulador”.

Abertura impulsiva: “Caracterizada pela compulsão de uma pessoa de falar e compartilhar opiniões, mesmo quando inadequada e sem levar em consideração as consequências sociais”.

Vítima percebida persistente: “A propensão a se perceber constantemente como vítima das circunstâncias da vida cotidiana que muitas pessoas considerariam benignas”.

Depois de testar uma série de medidas potenciais para NFD contra vários modelos estatísticos, a equipe, liderada pelo psicólogo Scott Frankowski, apresentou esta pesquisa de 12 pontos, que testa características como paranóia, franqueza e auto-absorção de um indivíduo:

Como explica o psicólogo Scott Barry Kaufman, da Universidade da Pensilvânia, que não participou da pesquisa, depois de enviar quase 500 voluntários para o teste, eles descobriram que aqueles que obtiveram alta pontuação na escala NFD tinham maior probabilidade de exibir o chamado traço de personalidade da tríade: psicopatia não clínico, narcisismo não clínico e maquiavelismo.

Indivíduos com altos níveis de DNF também mostraram uma tendência maior a fofocar, neuroticismo e um lócus de controle externo – um sentimento de que você não pode controlar as coisas negativas que acontecem com você, mesmo que você tenha realmente desempenhado um papel em torná-las mais prováveis.

“A escala também estava negativamente relacionada à consciência, afabilidade e autoestima”, diz Kaufman.

Embora o teste possa parecer um pouco divertido, e por si só certamente não é a última palavra sobre o que um indivíduo está lidando, os resultados são importantes, porque permitiu que os pesquisadores diferenciassem o traço Need for Drama da personalidade existente, distúrbios, incluindo transtorno de personalidade borderline (DBP) e transtorno de personalidade histriônica (HPD).

Isso é importante, porque, embora todos os três traços compartilhem características semelhantes, “pessoas com BPD e HPD tendem a estar em risco de se auto-prejudicar, mas pessoas com grande necessidade de drama não”, Melissa Melissa Dahl escreve para a Science of Us . Isso significa que agora a DNF pode ser definida como uma versão não-clínica menos grave desses distúrbios, e saber disso ajudará os psicólogos a entender e tratar melhor seus pacientes.

O estudo também finalmente põe fim a todo o mito da “rainha do drama”, que é machista e falso. Como Kaufman explica , ao contrário dos outros distúrbios, a necessidade de traço do Drama na personalidade não era viés de gênero – as mulheres não eram mais propensos a positivo no teste do que os homens.

“Os médicos sempre rotularam as mulheres com esses traços, mas pensei que eu conhecia muitos homens que também exibem traços de personalidade muito dramáticos”, disse Frankowski à Science of Us.

Fonte: sciencealert

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here