Tradicionalmente, acredita-se que as mulheres possuem um instinto materno que carregam pelo simples fato de serem mulheres. Em alguns casos, há pessoas que passam a pensar que, em virtude dessa “característica inata”, estão mais bem preparadas ou mais qualificadas para os cuidados e educação das crianças do que os homens.

De acordo com um estudo publicado na revista Parenting Science and Practice, as novas mães tendem a avaliar a capacidade de seus parceiros para a paternidade e decidir quanto querem que eles se envolvam na criação de seus filhos, possivelmente afetando o relacionamento entre o parceiro e a criança através de um processo chamado “mãe guardiã da porta”.

Ser uma “mãe guardiã da porta” abrange comportamentos e atitudes das mães que podem apoiar ou limitar o envolvimento do pai na criação dos filhos. Assim, eles estão incluídos nos comportamentos e atitudes de “porta fechada”, criticando a maneira de criar o filho, refazer tarefas que o pai já havia realizado ou monopolizar a tomada de decisão em relação à educação. Entre os de “porta aberta” estão, por exemplo, incluir a opinião do pai em assuntos relacionados à educação da criança, organizar atividades para o pai e a criança compartilharem juntos, etc.

O estudo

O estudo foi realizado com 182 casais de diferentes sexos e com renda dupla. Quando as mães ainda estavam grávidas, os casais preencheram um questionário para estimar expectativas, estruturas psicológicas e atitudes. Os casais também foram convidados a preencher outro questionário três meses após o nascimento do bebê. “Queríamos encontrar as características das mães e de suas famílias que poderiam tornar algumas mães mais ou menos propensas a agir como porteiras”, disse Sarah Schoppe-Sullivan , coautora do estudo e professora de ciências humanas da Universidade Estadual de Ohio , em uma declaração .

Os resultados

Este estudo encontrou diferentes questões que deram origem a comportamentos e atitudes de “mães guardiãs da porta”:

  • Mulheres que estavam particularmente confiantes em suas habilidades de cuidar de crianças quando estavam grávidas tinham maior probabilidade de desencorajar o envolvimento dos pais no cuidado de crianças.

“Existe uma crença social de que as novas mães têm um instinto natural de serem mães, mesmo quando não têm mais experiência do que os novos pais”, disse Schoppe-Sullivan. E assim, mães particularmente seguras estão na posição de serem vistas como especialistas, enquanto os pais são vistos como aprendizes.

  • Quando um relacionamento parecia instável, as mães tendiam a limitar o compromisso de seus parceiros com a criança. Isso também se aplica aos pais que não tinham certeza de suas habilidades para criar seus filhos.

Os efeitos do estudo não são indicativos de parentalidade real do pai ou do casal, mas um reflexo das expectativas e da posição psicológica da mãe.

As mães eram mais propensas a remover os pais dos deveres dos pais quando o divórcio ou a separação eram trazidos para a mesa ou quando a mãe não achava que as coisas estavam funcionando entre o casal. As mães também fizeram pequenas restrições, como não permitir que os pais acalmassem seus bebês quando choravam.

Além disso, as mulheres que eram perfeccionistas ou que tinham problemas de saúde mental, como ansiedade ou depressão, eram mais propensas a limitar o envolvimento dos pais com seus filhos.

Curiosamente, os casais que mantinham distinções tradicionais de papéis de gênero e que eram mais religiosos tinham menos probabilidade de limitar o envolvimento dos pais. Isso pode ser devido à ênfase nos valores da “família”, que decorre das concepções tradicionais.

Limites e conclusões

Os pesquisadores reconheceram que a amostra estudada é uma amostra de casais com alta escolaridade e principalmente de alta renda. Uma amostra de tamanho diferente pode gerar resultados diferentes.

Segundo o Departamento de Saúde e Serviços Humanos , o não envolvimento dos pais no desenvolvimento de um filho pode afetar seu comportamento, realizações e desenvolvimento cognitivo. Os pesquisadores concluíram que esse tipo de estudo deve ser usado para reduzir o comportamento das porteiras.

Mas Schoppe-Sullivan enfatiza que nenhum desses resultados deve ser analisado para culpar as mães por afastar os pais. “[Ser] guardião da porta é um processo dinâmico que inclui ambos os pais. Uma parte são as mães julgando os pais. Mas se a mãe tiver

maus sentimentos em relação às habilidades dos pais ou no desejar cuidar do filho, eles poderão ser bem-sucedidos. Pode fazer sentido colocar algumas barreiras. ”

Em alguns casos, as mães devem ter expectativas mais realistas dos pais, além de precisar diferenciar entre decisões de paternidade delicadas e aquelas que são simplesmente uma questão de escolha (como roupas, por exemplo), e dar aos pais liberdade para tomar suas próprias decisões.

(Fonte Original: psyciencia.com)

Imagem: Pixabay

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade por Naná cml para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here