Se você pensar nas melhores e piores partes de sua vida, provavelmente perceberá que uma coisa foi consistente em todas elas: seu melhor amigo estava lá.

As pessoas pensam que a vida é um concurso de popularidade em que quanto mais amigos você tem ou mais seguidores você tem, mais quantidade de amor você recebe.

Mas, não é assim que funciona.

De fato, a conexão real e profunda é freqüentemente fomentada em grupos menores de amigos e, mais particularmente, entre você e seu “melhor” amigo.

Há uma razão psicológica e de desenvolvimento para isso.

Uma parte da teoria do apego humano explica a razão pela qual os seres humanos se unem em parcerias românticas, que é semelhante à razão pela qual geralmente selecionamos e nos relacionamos com um amigo mais próximo.

Apesar de serem animais sociais, quando em estado de angústia, os seres humanos não tendem a confiar na força e no apoio de toda a sua “tribo” para superá-lo. De fato, a maioria das pessoas se volta para um amigo mais próximo em tempos de estresse ou mudança.

Isso reflete o relacionamento que você teve com o seu pai/mãe que estava mais próximo durante o seu crescimento.

Quando você precisou de algo quando criança, não confiou na sua família como uma entidade capaz de ajudá-lo. Você procurou uma pessoa mais confiável – geralmente um dos pais, responsável ou irmão – para ajudá-lo.

Foi com essa pessoa que você pode ser o seu eu mais autêntico. Foi com ele que você foi capaz de expressar a totalidade de seus sentimentos e lutas.

A realidade é que as pessoas geralmente não recorrem a um grande círculo social quando precisam de apoio emocional. Muitos amigos não são úteis quando o que você realmente precisa é de um amigo próximo.

Isso porque, como somos tribais por natureza, revelar suas “fraquezas” ao grupo – ser publicamente envergonhado – é uma experiência adversa. Isso intensifica o estresse porque, além de ter um problema, agora você também tem o potencial de outras pessoas darem as costas a você e revogar a aprovação por não ser digno.

É por isso que frequentemente “mantemos as aparências” diante dos outros: tudo se resume a uma necessidade de sobrevivência.

E é também por isso que seu único e melhor amigo  importa mais do que todos os fãs e seguidores, conhecidos e admiradores do mundo.

Porque quando você realmente precisa de alguém com quem deseja compartilhar sua vida – o bom e o ruim – o que você procura é a pessoa em quem pode confiar para vê-lo através dessa situação.

O mesmo conceito também se aplica ao casamento.

De fato, os relacionamentos mais felizes e duradouros são sempre aqueles em que você é o melhor amigo e o parceiro romântico.

Quando você é o melhor amigo do seu parceiro, ele se torna a pessoa para quem você desabafa, não a pessoa de quem você desabafa. Ele se torna a pessoa em quem você pode se mostrar de verdade, com todas as suas fragilidades, e não a pessoa que você deseja impressionar por qualquer meio. Ele se torna a pessoa para quem você pode recorrer quando se sente pior, e não a pessoa que deseja evitar quando está na pior.

Porque quando você está em um estado de angústia, você está vulnerável. E quando você está vulnerável, precisa de alguém em sua vida que saiba que irá ajudá-lo a passar por esse período difícil, e não a pessoa que deixará de amá-lo por causa disso.

E se isso vem na forma de um parceiro, família ou amigo, o conceito é o mesmo: seu único melhor amigo é realmente a coisa mais importante em sua vida e você nunca deve esquecer disso.

Compartilhe esse texto com o seu melhor amigo, temos certeza que ele ficará muito feliz ❤.

(Fonte: thoughtcatalog.com)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Imagem: Pixabay)

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here