O quão interessante é a nossa vida, ou como a aproveitamos, será inversamente proporcional ao interesse que possamos ter em saber e falar sobre a vida de outras pessoas.

Quando passamos muito tempo pensando na vida dos outros, como eles são, o que fazem, criticando, julgando, estamos afastando esse tempo do prazer e da atenção de nossas próprias vidas.

E o interesse no que os outros podem ou não estar fazendo desaparece quando, em nossa vida, conseguimos encontrar objetivo suficiente para focar.

Invista seu tempo no que você faz de bom

É muito triste olhar para trás e perceber tudo o que paramos de fazer, tudo o que paramos de apreciar,  por termos nossas mãos ou nossa mente na vida de outra pessoa.

Tudo está muito bem em ser útil para os outros, se isso estiver alinhado com nossos propósitos, servir, apoiar, orientar outras pessoas, pode fazer parte do nosso plano de vida e sentimos como ele preenche nossa alma. Até forjamos a ideia de que somos pessoas melhores todos os dias, dedicando parte de nossas vidas a colaborar com a dos outros.

No entanto, é sempre bom nutrirmos em nós mesmos o que nada tem a ver com outras pessoas, que dedicamos tempo ao que amamos e, se não temos certeza do que é, dedicamos-nos a encontrar aquilo que nutre nossa alma.

Evite invasões prejudiciais à vida de outras pessoas

O que não está certo de forma alguma é atingir as vítimas de nossas críticas e provações, a fim de invadir suas vidas, dizer-lhes como fazer as coisas, estar ciente de onde elas estão erradas em acusá-las e até ridicularizá-los.

Estamos todos vivendo um processo pessoal, todos temos pequenos ou grandes desafios todos os dias, o mínimo que devemos fazer é respeitar o outro. Se não pudermos ajudar, evitemos interferir … E aqui está uma linha tênue, existem aqueles que chamam ajuda para ações que, a distâncias enormes, não estão claras. Então, vamos colocar a mão no coração e, antes de interferir de alguma forma na vida de alguém, vamos determinar se o que vamos fazer contribuirá positivamente ou se gerará um efeito oposto.

Normalmente, quando somos pessoas mentalmente saudáveis, quando colaboramos com alguém, sentimos paz e podemos até agradecer a quem recebe a colaboração.

No final, você sempre sabe …

No fundo, sempre sabemos a intenção, sentimos, se há algo que não é saudável, devemos nos perguntar por que estamos agindo de uma maneira específica em relação à vida de alguém e nos dedicarmos a enriquecer nossa vida de tal maneira que não o fazemos. provocar, no mínimo, olhar para a vida dos outros. Toda vez que sentimos a necessidade de bisbilhotar a vida de outra pessoa, vamos nos perguntar: O que posso fazer pela minha vida agora para torná-la mais interessante?

Sempre há algo a fazer, sempre há algo que se tornará um investimento de tempo melhor do que um interesse doentio na vida de outra pessoa. Respeitemos a vida de cada um, mas, acima de tudo, respeitemos a nossa, que merece muito mais do que entrar na vida dos outros.

(Fonte: reencontrate.guru)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here