Você já entrou em um ambiente e teve a impressão de estar tão pesado ali que poderia cortá-lo com uma faca?

Já aconteceu de você, ir a uma festa de família e sentir uma atmosfera diferente, uma tensão no ar, troca de olhares, frases cortadas?

O segredo é usado pela família como uma armadura para própria sobrevivência, e se rege por certos mecanismos que deixa alguns membros à parte dele.

É a expressão mais genuína e singular de cada núcleo familiar, é uma herança transmitida às próximas gerações, ainda que silenciosamente.

Eles podem ser inúmeros, “são como exceções à regra, cada família tem o seu”: gravidez indesejada, aborto, incesto, abuso, adoção desonesta, homossexualidade, casos extraconjugais, falência, pobreza, esquizofrenia, epilepsia, HIV, suicídio, adicções etc.

Na clínica, notamos que, na impossibilidade de um sujeito simbolizar o segredo, este continua ativo, sendo transmitido às próximas gerações, como bem aponta Belinda Mandelbaum, na esperança que estas tenham condições psíquicas de elaborá-lo.

Dessa forma, o motor do segredo, é a vergonha traumática, aliada à crença da necessidade de sobrevivência da família.

Em muitos casos, receia-se que o membro fique marcado, estigmatizado e na ânsia por protegê-lo, firma-se tacitamente o pacto do que não pode ser dito no seio familiar.

Sua ocultação gera um paradoxo, pois, quem conhece o segredo, torna-se tenso e ansioso, toma cuidado com o rumo da conversa.

Ao passo que, quem não conhece o segredo, também fica identificado com a tensão presente e tem a sensação de culpa, peso ou inadequação.

Dessa forma, a psicanálise, desponta como uma ferramenta que possibilita a simbolização do segredo, pois, quando não articulado, tem-se um único destino possível: a identificação melancólica dos seus herdeiros.

Bibliografia

BLACK, Evan Imber. Os segredos na família e na Terapia Familiar. Porto Alegre. Artes Médicas, 1994.

DELTHLEFSEN, Thorwald; DAHLKE,Rüdiger. A doença como caminho. São Paulo. Cultrix, 2007.

DUVIDOVICH, Ernesto; GOLDENBERG, Ricardo. A Supervisão na Clínica Psicanalítica. São Paulo. Via Lettera, 2007.

FREUD, Sigmund. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, vol. I, II e III Rio de Janeiro. Imago, 1996.

LAPLANCHE, Pontalis. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo. Martins Fontes, 2009.

MANDELBAUM, Belinda. Psicanálise da família. São Paulo. Casa do Psicólogo, 2008.

RIVIÉRE, ENRIQUE PICHON. O processo grupal. São Paulo. Martins Fontes, 1983.

ROUDINESCO, Elisabeth; PLON, Michelel. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro. Zahar, 1997.

SAFRA, Gilberto. A Po-ética na clínica contemporânea. São Paulo. Idéias & Letras, 2004.

SOUSA, Mauro A.de. Nietzsche: Viver intensamente, tornar-se o que se é. São Paulo. Paulus, 2009.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fernanda do Valle
Fernanda do Valle é Psicanalista do FV Instituto, formada pelo Centro de Estudos Psicanalíticos de São Paulo, atua como Psicanalista desde 2009, seguindo uma orientação Freudiana e Lacaniana, atende jovens e adultos em sessões presenciais e online. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here