Com a passagem dos anos, o ser humano cresce e amadurece emocional e intelectualmente, toma consciência da evolução de sua identidade, assume responsabilidades, etc.

No entanto, há casos em que a pessoa tem mais características emocionais de uma criança do que um adulto. Ou seja, ela sente que não pode ou não quer crescer e não enfrenta a vida ou o futuro com a perspectiva e as atitudes de alguém que amadureceu de acordo com sua idade física.

Poderia, então, discutir um possível caso da síndrome de Peter Pan, nomeada assim em 1983 pelo psicólogo Dan Kiley, em seu livro The Peter Pan Syndrome: Homens que nunca Grown Up ( síndrome de Peter Pan, o homem que nunca cresce )

Quando se origina?

Essa síndrome, que afeta mais os homens do que as mulheres, geralmente tem origem na infância, quando a pessoa está construindo um ambiente emocional que, nesse caso, se apresenta insuficiente.

O indivíduo se sente “muito amado” e, quando cresce, fica angustiado com a falta de segurança e proteção que vê em tudo o que é desconhecido no mundo dos adultos. Portanto, ele se refugia no mundo que conhece, o das crianças, o comportamento das crianças e a ausência de compromissos, o mundo em que os outros cuidam delas, quaisquer que sejam as circunstâncias e condições do relacionamento.

Quais são os seus principais sintomas?

Como o próprio Kiley especifica em seu trabalho, as características gerais que podem caracterizar uma pessoa Peter Pan são:

Personalidade imatura e narcisista:

Rebelião, dependência, raiva ou incapacidade de simpatizar com os colegas são algumas das emoções que geralmente predominam em seu caráter.

Não aceitação do processo natural de envelhecimento:

Eles até tentam interromper o processo de crescimento físico e, por exemplo, vestem-se de maneira infantil e orientam seus principais em relação aos pequenos. Eles podem até sofrer todos os tipos de tratamentos de rejuvenescimento, mesmo quando realmente não precisam dele.

Dificuldades nos relacionamentos pessoais, tanto com os amigos quanto com o casal:

A tendência de delegar suas próprias responsabilidades aos outros e culpá-los quando algo falha torna difícil estabelecer qualquer tipo de relacionamento estável e duradouro.

Na esfera do casal, essa incapacidade se traduz na experiência de relacionamentos superficiais em que não há comprometimento, pois significaria ter que assumir compromissos e estar no mesmo nível de maturidade emocional que a outra pessoa.

Como pode ser tratado?

A síndrome de Peter Pan não é considerada uma psicose, mas um distúrbio neurótico. Portanto, o tratamento deve ser semelhante ao de qualquer outra neurose. No entanto, não é fácil, pois, segundo Kiley, o primeiro passo é o paciente reconhecer seu comportamento, exercer autocrítica e expressar seu desejo de superá-lo.

Somente a partir de então uma terapia psicológica apropriada poderá ser iniciada, com o objetivo de fornecer ao paciente uma nova perspectiva vital que o ajudará a desenvolver as mudanças correspondentes em seu comportamento.

Da mesma forma, os profissionais recomendam uma implicação do ambiente direto do paciente. A família e os amigos podem ser de grande ajuda se permanecerem firmes nas indicações que o psicólogo lhes dá sobre não seguirem seu ritmo infantil, não responderem às suas demandas ou manipularem, indicando comportamentos e alternativas inadequados que existem e estabelecer limites em que ele deve seguir em frente.

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Fonte: mundopsicologos)

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here