São poucas as pessoas que me viram em meio a um colapso, que me viram cair fisicamente de joelhos e me render à dor.

Poucas pessoas testemunharam momentos em que meus choros se tornam soluços, em algum lugar entre gemidos e gritos, quando perdi toda a capacidade de sufocá-los, sentindo-os involuntariamente saindo de mim, quase sufocando a cada tentativa de respirar, como se houvesse um peso invisível no meu peito, levando-me a arfar.

Na maioria das vezes, estou sozinha passando por essa avalanche de dor, quando meus sentimentos realmente me agonizam, aumentando todos os meus sentidos e fazendo meu corpo inteiro sofrer. Contagem sobre essa experiência nunca faz justiça, muitas vezes a narrativa é moderada para aliviar a preocupação dos outros, para protegê-los de qualquer desconforto.

No entanto, esses momentos existem com mais frequência do que qualquer um vê, frequentemente desencadeados por lembranças imprevistas e não convidadas de experiências traumáticas. Às vezes, de flashbacks de abandono do passado, traições, desgosto ou palavras amargas que revivem feridas latejantes.

Essa liberação de emoção pode ser curativa para mim, uma catarse, mas também é intensa. Nesses momentos, sinto-me preso e devo lutar contra todas as tentativas de me entorpecer ou correr que me vêm à mente. Quero pular para fora da minha pele, quero escapar, mas sei que essa sensação me seguirá sempre. Eu sei que a única saída é enfrentar a dor.

Há um peso que sinto frequentemente, do qual não falo, principalmente porque este é o mais próximo que cheguei a colocá-lo em palavras. Há um peso indescritível que vem de me sentir tão profundamente só, de sucumbir à realidade de minhas emoções. Há um cansaço silencioso que advém do esforço constante, quando tudo que você quer fazer é desistir. Há uma solidão solene em enfrentar tudo sozinho.

Isto é o que você não vê. Você nem sempre vê a dor que alguém está enfrentando, mas isso não significa que não esteja lá.

(Fonte: thoughtcatalog)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here