As experiências negativas de vida, as bolas à trave, os fracassos sucessivos, os planos furados, os esforços sem retorno, as perdas, as desilusões e decepções drenam a nossa energia e promovem a confusão mental.

Ficamos perturbados, preocupados, agitados, fatigados e sem clareza de pensamento. Nesse estado, tudo o que desejamos é encontrar sossego e paz interior.

Quero dizer-lhe que a sua tranquilidade nunca o abandonou, ela reside em cada célula do seu corpo.

Você pode sentir-se cansado, sentir a energia a fugir-lhe, ausente de motivação, como se pensar já fosse um enorme esforço. Mas a sua tranquilidade nunca o abandonou, provavelmente você é que se foi distanciando da sua calmaria, da sua essência. Você, eu, todos nascemos com a capacidade de nos relaxar, tranquilizar e apreciarmos as boas sensações que o corpo produz.

Num estado de exaustão a realidade é negativamente distorcida, afastamo-nos dos nossos recursos mentais e físicos, e em resultado sentimo-nos mal.

Para melhor lidar com estes estados sempre que eles se manifestem, apresento cinco exercícios para promover o estado de plena tranquilidade.

1 – ACEDER À SUA CONSCIÊNCIA E AUTOCONHECIMENTO

Reserve uns momentos do seu dia para o exercício de entrar em contato com a sua força vital. Comece por focar-se na sua respiração, repare nela, deixe-se fluir com ela. Sinta o ar que entra e sai pelo seu nariz. Inspire e expire à medida que sente o fluxo da sua respiração.

Leia mais: O que é autoconhecimento?

Mesmo se seja por breves momentos, este exercício permite-lhe distanciar-se dos seus apegos, dos seus desejos, das suas necessidades, usufruindo de um estado pleno de tranquilidade. A sua mente fica calma e clara.

Sinta a força da sua respiração, sinta esse fluxo a atingir cada parte do seu corpo, cada músculo, cada célula, cada mágoa, cada dor. Sinta a energia na sua respiração. Sinta a sua respiração a reenergizar o seu corpo. À medida que vai respirando, sinta a energia a aumentar.

Agora fique com a sua força, sinta-a. Em seguida canalize-a para alguns dos seus objetivos. Oriente a sua força interior para onde ela mais precisa de estar. Torne este exercício num hábito. Habitue-se a promover esse estado. Com a prática esse estado passará a ser-lhe familiar.

Leia mais: Técnica clássica de respiração para diminuir a ansiedade

Use-o sempre que se sentir perturbado e a sua razão comece a abandoná-lo. Chame até si esse estado de lucidez e tranquilidade sempre que sentir que está a perder o controle dos seus pensamentos. Permaneça nele o tempo suficiente para clarificar a sua mente e retomar um raciocínio pleno de recursos suportados pela sua consciência.

2 – OBSERVAR-SE SEM AGIR

Procure dentro de si o seu lugar de calmaria, de ponderação e sabedoria. Habitue-se a ficar alguns momentos nesse seu lugar interior, tomando contato com a sua inteligência mais profunda, permanecendo imperturbável.

Como se você fosse o epicentro de um tornado, onde nada acontece enquanto tudo à volta está em alvoroço. Depois olhe ao seu redor, perceba que a destruição, o sofrimento, a perda, a fúria, a desesperança, os fracassos, são tudo consequências da vida. Agora retome o olhar para o seu lugar seguro, tudo permanece inalterável, nada se passou aí. Você é a mesma pessoa. Todos os seus valores interiores, inteligência, interesses e experiências permanecem consigo.

Leia mais: A arte de ser sábio consiste em ignorar com inteligência

A capacidade de perceber que tem em você a possibilidade de se reenergizar, tranquilizar e aceder à sua paz de espírito, permite-lhe envolver-se no turbilhão da vida, mais preparado e pronto para agir em consciência sobre os acontecimentos mais perturbadores, sem se confundir com eles ou perder claridade de pensamento, que tantas vezes nos empurram para um abismo ilusório.

Mesmo em situações difíceis e adversas, se conhecermos como chegar ao nosso lugar seguro, certamente tudo se torna mais suportável e menos devastador. Expanda esse lugar, habitue-se a visitá-lo e a estar com ele e nele.

3 – COMPAIXÃO E EMPATIA COM OS OUTROS

Num dos seus dias menos atarefados, olhe para o rosto das outras pessoas, no trânsito, andando pela rua, no shopping, na mesa de jantar. Observe o cansaço, a dificuldade da vida, a desconfiança, a irritabilidade e tensão. Sinta o sofrimento por trás das palavras. Tente sentir no seu corpo o que seria para você ter a vida da outra pessoa .

Leia mais: O poder da empatia para se conectar com a dor do outro

Tenha cuidado para não se sentir esmagado pela experiência. Faça o exercício em pequenas doses, até mesmo alguns segundos de cada vez. Se ajudar, traga à mente algumas das verdades felizes da vida, ou a sensação de estar com as pessoas que você ama. Saiba que podem existir milhares de causas em cada pessoa que as conduziu ao momento presente: tanta complexidade, é tão difícil encontrar um único fator.

E em seguida, abra-se novamente para o sofrimento emocional ao seu redor. Para uma criança que se sente incompreendida, um trabalhador que teme uma demissão, um casal desesperado pela raiva. Veja o sofrimento nos olhos dos outros quando estão olhando para você.

Veja e ouça as pessoas mais próximas de si e que lhe são queridas. O que está provocando o sofrimento? Encare isso de frente, mesmo que tenha que admitir que você é uma das suas causas. Se for o caso, faça algumas perguntas, e reflita sobre as respostas.

Qual é a sensação de se abrir para o sofrimento? Você poderia achar que ele lhe permite ficar mais perto dos outros, e que isso faz sentir-se mais bondoso. Você poderá sentir-se mais fundamentado na verdade das coisas, especialmente na forma como o sofrimento realmente influencia a vida das pessoas ao seu redor.

Leia mais: Como encarar o sofrimento?

Anime-se. A abertura para o sofrimento é uma das coisas mais corajosas que você pode fazer, desde que não se apegue a ele. Olhar o sofrimento sem se desesperar é reconfortante e tranquilizante. Coloca-o num estado de capacidade para lidar e compreender os problemas, sem se deixar destruir por eles.

4 – ESVAZIAR A MENTE

Por momentos pare toda a atividade física e sente-se, sente-se naturalmente, à vontade, fique em silêncio e deixe o som ao seu redor fluir na sua mente. Não pense em nada, olhe simplesmente para a experiência além do pensamento. Não queira controlar nada, descontraia-se e fique nesse estado. Assista à sua experiência interna. Contemple.

Desenvolver e treinar esta prática, permite-lhe descobrir um espaço de calmaria em você mesmo. Permite-lhe viver o presente e aceder à sua inteligência mais profunda.

Leia mais: Como limpar o seu “lixo mental”

Tudo o que estamos procurando na vida, toda a felicidade, contentamento e paz de espírito está aqui no momento presente. A nossa própria consciência é em si fundamentalmente pura e boa. O único problema é que ficamos tão envolvidos nos altos e baixos da vida que não dedicamos o devido tempo para fazer uma pausa e observar o que já temos.

5- TRATE O DESCONFORTO COM AMOR E ACEITAÇÃO

Este exercício é sobre a aceitação e contato com o seu coração (símbolo de amor) e pode ser realizado a qualquer momento do dia. Por exemplo, quando você acorda de manhã, antes de uma conversa difícil, ou sempre que o medo e desconforto surge.

Esta prática é uma boa maneira de reivindicar a sua tranquilidade e força interior. Por outras palavras, é uma forma de reivindicar a sua coragem, a sua bondade, a sua convicção.

Leia mais: Meditação: quebrando o tabu

Sempre que a tranquilidade o abandone, você pode fazer uma breve pausa, e tomar consciência da forma como se está sentindo fisicamente e mentalmente, e depois conecte-se com o seu coração, colocando a mão no seu coração.

Esta é uma maneira de estender carinho e aceitação a tudo o que está acontecendo para você num determinado momento. Pode ter uma dor nas costas, uma dor de estômago, estar a sentir pânico, raiva, impaciência, seja o que for, você pode simplesmente aceitar tudo isso, observar a experiência tal como ela é, sem rotulá-la boa ou ruim, sem dizer a si mesmo que você não deveria estar a sentir-se dessa forma. Ao conectar-se com o que é, com amor e aceitação, você pode ir em frente com curiosidade e coragem.

Leia mais: O que aprendi com o silêncio

Com a mão no coração, sinta-o, e no momento seguinte tente acalmá-lo. Tente diminuir a intensidade do seu batimento e perceber que ele está trabalhando para si, está cuidando de si. Faça o mesmo que o seu coração, não se desespere, comunique consigo mesmo de forma afável, compreensiva e tranquila.

Depois, já com mais clareza de pensamento e tranquilidade mental, faça o que tem de ser feito para voltar a sentir-se melhor.

(Autor: Miguel Lucas)
(Fonte: escolapsicologia.com)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA