Olá amigos!

Muitas pessoas tem dúvidas a respeito do que é ansiedade e do que não é ansiedade. Para entendermos melhor o que é a doença mental com maior incidência no mundo, é interessante passarmos às definições. Neste texto, vamos esclarecer o que é ansiedade e descrever, em detalhes, os 5 principais tipos. Estas definições são importantes para que possamos desfazer alguns mal-entendidos e incompreensões sobre o tema.

No senso comum, as pessoas utilizam a palavra ansiedade como sinônimos para palavras que vão desde o medo, o temor até o nervosismo e a preocupação. Como facilmente encontramos na rua e no consultório este tipo de concepção, temos que deixar tudo mais claro e preciso.

O QUE É ANSIEDADE?

Quando vamos estudar as obras de Freud, publicadas quase todas há mais de cem anos, encontramos o uso da palavra ansiedade. Entretanto, se formos ler em alemão, veremos que a palavra utilizada pelo pai da psicanálise é Angst, que, em minha opinião, seria melhor traduzida por angústia. Mas os editores traduziram para o inglês dessa forma e do inglês, tivemos as traduções em português.

A palavra Angst tem os seguintes significados: medo, fobia, covardia, angústia. De forma que o uso popular da palavra angústia e da palavra ansiedade teriam este campo semântico. Para ficar mais bem definido, creio que é necessário distinguir entre o medo e a ansiedade.

Segundo Beck, devemos fazer a diferença pelos critérios abaixo:

“O medo é um estado neurofisiológico automático primitivo de alarme envolvendo a avaliação cognitiva de ameaça ou perigo iminente à segurança e integridade de um indivíduo”, enquanto que a ansiedade “é um sistema de resposta cognitiva, afetiva, fisiológica e comportamental complexo (isto é, modo de ameaça) que é ativado quando eventos ou circunstâncias são consideradas altamente aversivas porque são percebidas como eventos imprevisíveis, incontroláveis que poderiam potencialmente ameaçar os interesses vitais de um indivíduo”.

Em outras palavras, o medo é uma resposta do organismo que é automática – e instintiva – contra um perigo iminente. Por exemplo, se alguém é assaltado com uma arma na cabeça, é natural que exista o medo de morrer naquele momento. A ansiedade, por sua vez, é entendida como um estado mais difuso e mais permanente na qual haveria uma possível ameaça (real ou imaginada) mas que não se concretiza como a pessoa que não sai de casa (agorafobia) pela possibilidade de ser assaltada.

Além do medo (que estaria no fundo da ansiedade), encontramos no estado ansioso outros fatores como “aversão, incerteza, desamparo, incapacidade de obter resultados desejados”.

5 TIPOS DE ANSIEDADE

Apesar das definições acima serem úteis e descreverem já a diferença entre o medo e a ansiedade, ainda se faz necessário ir mais fundo e entender as diferenças entre grupos de pessoas que tem tipos de ansiedade diferentes.

Afinal, uma pessoa que tem medo de ser contaminado por germes e lava a mão a cada cinco minutos possui um tipo de ansiedade muito diferente da pessoa que tem um transtorno do pânico (e sente que está tendo um infarte), assim como esta ansiedade é diferente da pessoa que tem fobia social e sente pavor ao falar em público.

De acordo com o DSM-IV e com a psicologia cognitivo-comportamental existem 5 Tipos de Ansiedade:

1) Transtorno do pânico (com ou sem agorafobia)

Neste tipo de ansiedade, o indivíduo sente fortes sensações de que está para morrer, como se estivesse tendo um ataque do coração ou então, sente que está perdendo o controle, que está enlouquecendo ou perdendo a consciência. Após ter uma crise de pânico, um ciclo pode ser criado, com o medo de ter um novo ataque de pânico, uma ansiedade de ter uma nova crise de ansiedade.

2) Transtorno de ansiedade generalizada

O Transtorno de ansiedade generalizada ou simplesmente TAG não está tão ligado a sensações corporais específicas como no tipo anterior. No TAG, o estresse ou preocupações excessivas podem ser levantados como causas de pensamentos e sentimentos que eliciam a ansiedade. No fundo, o medo na ansiedade generalizada é de um final catastrófico para as preocupações ou situações que são sentidas como ameaças.

3) Fobia social

A fobia social (ou a ansiedade social) é um dos tipos de ansiedade mais comuns e a acontecem sempre em situações públicas, tendo por base a avaliação que os outros podem ter de um dado desempenho. Pode ser uma apresentação oral como em um reunião, palestra ou seminário ou pode ser em uma conversa informal. A pessoa com fobia social sente uma grande ansiedade em situações sociais, como se estivesse para ser avaliada negativamente, humilhada ou constrangida.

4) Transtorno obsessivo-compulsivo

O Transtorno obsessivo-compulsivo ou TOC, por sua vez, é considerado um outro tipo de ansiedade por trazer para a pessoa que sofre deste mal o medo de perder o controle ou ser responsável por algo terrível para si ou para os outros (culpa). O que elicia a ansiedade no TOC não é uma situação específica, mas pensamentos e sentimentos que são oriundos de “dentro”, ou seja, pensamentos e sentimentos que parecem vir de fora, são intrusivos, obsediantes – como se houvesse um obsessor externo – e, com isso, a pessoa sente que não aguentará e sente-se constantemente ansiosa.

5) Transtorno de estresse pós-traumático

O Transtorno de estresse pós-traumático ou TEPT é causado por um trauma, por um evento terrível que realmente aconteceu na história do indivíduo. A ansiedade, então, advém de medo de pensamentos, lembranças ou sintomas relacionadas com a experiência traumática.

CONCLUSÃO
Como podemos ver, os 5 Tipos de Ansiedade são bastante diferentes uns dos outros. Uma pergunta que pode vir a surgir depois desta descrição é a respeito do tratamento.

Bem, dependendo do tipo de ansiedade, o tratamento medicamentoso (com psiquiatras) pode ser o mais indicado para começar, enquanto que em outros casos, a psicoterapia – aliada ou não ao tratamento com remédios – será o mais indicado.

Para quem não tem condições de buscar um tratamento, seja com o médico ou com o psicólogo, por não ter condições financeiras ou não ter profissionais de ambas as áreas em postos de saúde ou outras instituições, eu recomendo um excelente livro do criador da psicologia cognitiva, Aaron Beck, chamado “Vencendo a ansiedade e a preocupação”, da Editora Artmed. É um livro voltado diretamente para o paciente que sofre de ansiedade, para que ele possa entender melhor os seus sintomas, fazer autoavaliações e conseguir obter ajuda através de técnicas completas da psicologia cognitiva para ir superando as suas dificuldades.

Claro que em muitos casos é totalmente imprescindível consultar o psicólogo e o médico, porém, tenho visto que este livro é um excelente aliado, também útil em casos em que as consultas não são possíveis.

(Autor: Felipe de Souza – Psicólogo Clínico)
(Fonte: psicologiamsn.com )

Compartilhar
Claudia Pinheiro
Psicóloga há 25 anos, especialista em Psicologia Hospitalar com aperfeiçoamento em Transtornos Alimentares e Obesidade, e pós graduada em Cuidados Paliativos. É colaboradora exclusiva do site Fãs da Psicanálise.



2 COMENTÁRIOS

  1. gostei sei agora qual meu tipo de ansiedade e comprarei o livro para ter uma ajuda, e sempre fugir de algumas situações pra se livrar dela..obrigado gostei muito,

DEIXE UMA RESPOSTA