Será que está na hora de recomeçar a busca por emprego?

Se pensar numa transição de carreira em um cenário estável parece uma tarefa complicada, imagine no momento em que os dados sobre emprego e desemprego no Brasil não são os mais animadores?

A taxa de desemprego no país chega à maior da sua série histórica. Segundo o IBGE, em números absolutos são 11,4 milhões de brasileiros na busca por emprego.

Pensando na complexidade deste assunto, a psicóloga Renata Green, especialista em aconselhamento profissional, para dá 5 dicas que vão lhe ajudar a questionar e ponderar seu momento atual.

Lembre-se: independente de qual caminho tomar, o primeiro passo é sempre uma decisão consciente. E não se decepcione se ainda não houver vagas de emprego na empresa dos sonhos. Perseverança também é importante!

1. Examine semanalmente como está sua energia

Pense em você e no seu corpo como um reservatório de combustível, que serve de impulso para a realização das suas atividades e projetos. Ao final da semana, faça um balanço e avalie como está seu tanque: se você sente disposição para aproveitar o final de semana, isso indica que ele está cheio e que muito provavelmente teve uma semana produtiva e está contente com os resultados obtidos nos últimos dias.

Leia mais: Planejar o dia faz bem para alma

Agora, se você tem a sensação de “esvaziamento” e cansaço profundo, e tudo o que você quer é chegar em casa e passar as próximas horas na horizontal, questione. Veja se foi uma situação pontual ou se este status é recorrente.

Atenção! A chave para mensurar sua energia é fazer isso de forma constante, eliminando situações ou estímulos paralelos. Depois de algum tempo, você terá clareza sobre o real impacto que o seu gestor, sua equipe, seu escopo e demais aspectos têm sobre você!

2. Questione a compatibilidade entre os valores da empresa e os seus

Este exercício é fundamental para o seu bem-estar no trabalho. Quando as coisas não vão bem, muita gente esquece de colocar isso na conta: é necessário refletir sobre o que você enxerga como relevante em termos de desenvolvimento profissional e perguntar se esta empresa tem condições de te oferecer! Caso negativo, este relacionamento tem muita chance de não dar certo.

Em algum momento, seus interesses vão conflitar com os da liderança. Aquilo que você considera importante em termos de crenças, modelo de negócio e tomadas de decisão não será atendido, e então uma batalha interna começa.

Leia mais: 6 Sinais de que você deveria mudar de emprego

Se isso estiver suficientemente claro, você entenderá que é hora de mudança, hora de buscar um lugar que seja mais a sua cara e que te de espaço para canalizar seu potencial a partir de interesses semelhantes. Fique atento aos processos de contratação de empresas que potencialmente lhe interessam: este é o melhor momento para avaliar a compatibilidade!

3. Acompanhe o ritmo mercado

É sempre interessante acompanhar as novidades do mercado, independente da sua satisfação no momento atual. Empresas de head-hunting lançam anualmente guias salariais, onde você pode verificar e balizar seu escopo X pacote de remuneração. Além disso, conversar com quem está recrutando vai lhe dar uma boa noção de como vai seu setor.

Leia mais: TESTE: Como você se sairia em uma entrevista de emprego?

Portanto, atualize com frequência o LinkedIn e deixe versões atualizadas do seu CV disponíveis na Internet. Coloque-se de forma ativa no mercado e deixe sua rede de contatos aberta e em expansão.

Todas essas ferramentas em conjunto vão servir de elementos para pensar em uma movimentação.

4. Comunicação e Ambiente

Esteja sempre alerta ao ambiente ao seu redor – ele pode ser um excelente termômetro de como está o clima na empresa e em sua área.

Leia mais: Esgotamento no trabalho pode causar depressão, síndrome do pânico e ansiedade

É o ambiente que vai te apontar mudanças importantes de estrutura, direcionamento e políticas de dia a dia e de negócios. Isso pode gerar impactos em você. Mantenha-se aberto a toda comunicação interna e busque proximidade da área de pessoas, colegas e sua gestão direta ou indireta.

Use-os como pilares de confiança para troca de informação e, a partir disso, faça os balanços respectivos às dicas anteriores.

5. Gestão x Feedbacks

Nem sempre a relação entre funcionário e gestor é leve e tranquila: muitas vezes ela pode ser permeada de ruídos e isto pode sinalizar alguma coisa. Aqui, vale lembrar que uma dose extra de autoconhecimento pode ajudar a discriminar os conteúdos pessoais dos profissionais envolvidos nesta relação. De qualquer forma, aconselho a buscar seu gestor para feedbacks constantes.

Leia mais: Assédio moral no trabalho – o veneno que viola a dignidade humana

Esta é uma ferramenta simples e eficaz que irá auxiliar em seus pontos de melhoria, e também planejar próximos passos de carreira. Sem isso, existem grandes chances de você se sentir perdido, sem saber o que é esperado e se está atingindo as expectativas.

Além disso, fique de olho em mudanças abruptas na relação, bem como mudanças de escopo – se você já não tem mais a mesma responsabilidade do que antes, talvez a empresa tenha mudado a maneira como lhe enxerga no médio prazo, fazendo parte dela.

(Fonte: zenklub.com.br)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA