“Namorei cinco anos um amigo da família, que morava perto, mas minha mulher nunca soube”, conta Pedro*, 50, vendedor de uma multinacional, casado há 25 anos e pai de duas filhas, de 18 e 21 anos.

Apesar de se reconhecer como homossexual, ele mantém o casamento para não prejudicar a vida que estabeleceu, inclusive profissional, e por medo de magoar as filhas. “Não sei se conseguiria encará-las.”

Poucos sabem da vida dupla de Pedro. Avesso à exposição e ao mundo gay, ele confessa que é preocupado demais com o “que os outros vão falar”.

Leia mais: Só é feliz quem para de tentar agradar a plateia

Para satisfazer seus desejos, o vendedor teve relacionamentos discretos com outros homens ao longo dos anos. Com o rapaz com quem namorou por cinco anos, que também era noivo de uma mulher na época, Pedro tinha o disfarce perfeito para a família. Os dois trabalhavam no mesmo segmento e viajavam juntos para atender clientes.

Apesar de conseguir acomodar vidas paralelas, Pedro revela o desgaste de ter de mentir. “É cansativo ter dois papéis, porém, no momento, prefiro manter como está”, fala.

A angústia de esconder a orientação sexual da mulher por anos foi o que levou o gerente executivo Fabrício*, 31, a revelar a verdade.

Casado por dez anos, há cinco ele contou para ela que é bissexual e que se relacionava sexualmente com homens. “Achava que era um direito dela saber se era isso mesmo que queria para a vida dela.”

Leia mais: O perigo de aceitar como normal aquilo que nos causa sofrimento

Fabrício tinha certeza de que essa revelação custaria o fim do casamento. Porém, ele não suportava mais se esconder. “Para minha surpresa, ela disse que isso não era um empecilho para manter nossa relação”, conta.

“Hoje estou extremamente feliz e resolvido com minha mulher, só falta contar para minha filha”, diz o gerente, pai de uma menina de 12 anos.

Desejo de família e paternidade

Existem muitos fatores que levam homossexuais a se envolverem em um casamento heterossexual. Alguns experimentam desejos homoafetivos na adolescência, contudo, às vezes, demoram a se perceber como gays.

“Muitos se casam porque se apaixonam por uma mulher e só mais tarde vem a certeza de que são homossexuais, porém já vieram os filhos e eles não querem desmanchar o casamento”, declara a psicóloga Vera Moris, professora e pesquisadora da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, coordenadora do Homopater, grupo de apoio e orientação a homens e pais em relacionamentos homoafetivos.

Leia mais: Em carta para mãe de gay, Freud diz que não há nada que se envergonhar

A vontade de ter filhos também impulsiona alguns homens, mesmo sendo gays, a se casarem com mulheres. O modelo heteronormativo aparece na cabeça de muitos como único caminho possível para realizar o sonho de ter uma família.

Depois de casados, os que se sentem infelizes nem sempre terminam a relação por temerem perder o vínculo com a família, por isso acabam optando por uma vida dupla. “Eles sentem medo de fazer mal aos filhos e de serem rejeitados”, diz Vera.

Autoaceitação e separação

Não conseguir encarar a própria bissexualidade foi o que fez com que Fabrício adiasse a conversa com a mulher sobre sua orientação sexual. Apesar de ter tido experiências homossexuais na adolescência, por motivos religiosos, ele não lidava bem com sua sexualidade. “Não estava confortável comigo mesmo, só depois que aceitei minha bissexualidade me senti pronto para dividir com ela”, fala.

Leia mais: A separação é para gente madura. Quem amou de verdade se separa sem se odiar.

Mesmo sem coragem de contar para a mulher sobre sua homossexualidade, Pedro pretende se separar. “Quero morar sozinho, ter mais liberdade, a família que eu queria já tenho. Meu maior erro foi não ter me permitido ter relações sexuais antes do casamento”, diz o vendedor, que se casou virgem.

Segundo Vera, existem homens que levam uma vida dupla por bastante tempo e o processo de separação é lento, entretanto, quase sempre acontece. “A orientação sexual não é uma escolha, não tem como fugir, tem de enfrentar”, afirma.

*(Nomes trocados a pedido dos entrevistados)

(Autoria: Yannik D´Elboux)
(Fonte: estilo.uol.com.br)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


14 COMENTÁRIOS

  1. Eu não concordo absolutamente que a bissexualidade ou a homossexualidade pode ser motivo para enganar uma parceira. Ninguém tem esse direito. A mulher tem todo o direito de saber com quem está se casando, assim como escolher se deseja isso pra si. Quando um homem esconde ou nega esse direito a uma mulher, está agindo de forma absolutamente egoísta e desleal. Até mesmo machista, porque isso é total desrespeito. A gente percebe nos comentários que a preocupação é com os filhos, não decepcioná-los. Mas com a mulher, nem se fala. Um absurdo o sofrimento que uma mulher passa por ser enganada dessa forma. Nada justifica, Se não tem coragem pra assumir sua orientação, fique só ou encontre alguém que o aceite como ele é. Ninguém tem o direito de comprometer toda a vida de uma outra pessoa através da mentira.

    • Concordo com você, Ivana.
      Acho que quando se tem um relacionamento é necessário haver logo todo um esclarecimento sobre coisas que fazem parte de você (seja por ter atração ou algo do tipo), a escolha agora depende do outro, pois é ele que vai saber se quer conviver com uma pessoa dessa forma (é um total direito, nada a ver com preconceito).
      Esconder isso durante tanto tempo é realmente uma amostra de egoísmo, afinal, é praticamente uma traição rs (pelo menos eu enxerguei dessa forma mesmo que seja com uma pessoa do mesmo sexo).
      Guardar esse segredo por filhos ou se relacionar porque quer ter filhos, mas não quer contar, é um egoísmo e uma falta de consciência. Às vezes se já chegar e explicar a situação, muitos problemas poderiam ser evitados. A companheira estaria ciente da vida que levará, poderão ter filhos e ambos estarão “conectados” e cientes de tudo.
      Mas guardar um segredo desses por tantos e tantos anos… isso é puramente ridículo e uma falta de caráter (não por gostar de outro homem, mas por manter uma relação com uma mulher e ter relações por fora com outro sem dar nenhuma justificativa para a esposa.)

    • Eu me pergunto se uma mulher casada ha 25 anos não percebe que seu marido é bissexual. Não conhece o homem com quem divide sua vida ? Penso que saber sabe, mas é bem confortável ficar como está.

      • Tem como esconder isso dela. Principalmente, se o cara for o homem que a sociedade exige. Também é falta de bisbilhotar o telefone do marido. Penso que se toda mulher averiguasse o que o marido faz às escondidas, ela iria descobrir algo de errado ou não.

  2. Ridículo manter vida dupla. Independente de ser gay ou não ter dois relacionamento a ao mesmo tempo e enganar alguém. Alguém sempre sairá machucado. Vc tem a opção de casar ou não. Muito comodo levar duas vidas paralela s. Então todo mundo casa e resolve fazer tudo o quer…Sem noção! Cada um tem o direito de ser feliz é fazer o que quiser mas é desumano enganar o outro!

  3. Acredito que roubar o direito do outro de saber a verdade é o pior erro… temos então um casamento que é uma verdadeira farsa. O ego do rapaz é o mais importante, em que momento ele se coloca no lugar da esposa? Triste essa falta de amor e respeito ao próximo! Ninguém é obrigado a ficar casado…eu chamaria isso de egoismo!

  4. Gente é muito fácil, vocês julgarem a vida do outro,até porque não aconteceu com vocês. É muito simples chegar e falar que o outro está errado que ele é egoísta e tal. Primeiro que isso não acontece só com homens mas com mulheres também. Segundo gente, que vocês não sabem do passado (vida) de ninguém, pode ser que se casaram por pressão da família ou até mesmo da sociedade que o rodeava na época. Vocês não sabem o que essas pessoas sofreram para chegar nessa vida.
    Quando chega ao ponto da família ficar sabendo da outra vida do parceiro ou parceira, realmente o sofrimento vem para todos seja os filhos ou marido ou mulher, e não cabe a ninguém de fora dar opinião de quem está certo ou errado, isso é um problema que deverá ser resolvido entre o casal e se por acaso eles acharem que precisam de ajuda, eles por conta própria procurem a ajuda seja da família ou até mesmo de um psicólogo.
    Quando falo que ninguém tem o direito de dar opinião de certo ou errado na vida do outro, falo isso por que ninguém é perfeito, vocês também tem seus erros tenho certeza disso.

  5. Concordo com a opinião de todas as meninas acima, mas lembre-se que vivemos em uma sociedade machista, preconceituosa e intolerante movida por comportamentos machistas de homens e MULHERES que cobram uma postura “normal” e aceita pela sociedade, ainda é muito difícil assumir uma vida de solteiro sem que haja uma cobrança pela MÃE, que é mulher e não entende, e pelo PAI hétero que na maioria das vezes sofre de bloqueios homofóbicos, o que eu quero que vocês reflitam é que ao mesmo tempo que cobram uma postura de que o homem tem que assumir o que é, vocês educam seus filhos e filhas a não aceitarem essa condição, vivemos em uma sociedade contraditória. Tenho três filhos e fui casado durante seis anos, tempo máximo que aguentei para não cair em uma vida dupla, antes que isso acontecesse achei certo terminar e contar a verdade para ela, mas sempre tive consciência do que era e do que gostava, mas não tinha coragem nem condições de assumir isso nessa sociedade em que vivemos, hoje não tenho uma vida dupla com uma esposa, mas continuo sendo obrigado por esta sociedade hipócrita e ter uma vida dupla porque não seria aceito em minha vida profissional e acadêmica como um gay, mas felizmente na minha família mais próxima e nos meus amigos mais próximos eu consigo ser eu mesmo, mas ainda falta muito para vivermos felizes, direito este que é negado aos gays.

    • Nem todo homem que passa por isso pensa como você. Conheci um carinha recém-casado, no meu antigo emprego, e nos gostamos (eu me apaixonei por ele, não sei se ele era apaixonado por mim). Trocávamos olhares, ele tentava falar comigo, mas eu o ignorava pelo fato de ele não ser solteiro. Foi difícil, mas consegui. Ele demonstrava muito ser um cara que se dava muito bem com sua condição sexual. Nunca vi tristeza nele, nos 13 meses que passei na empresa. As fotos dele, no Facebook, mostravam a vida social e amorosa ativa dele com a esposa. Ele é um tipo de cara que não se importa de trair a esposa (bom, essa era a imagem que ele me passava). Hoje, não me arrependo de nunca ter iniciado um relacionamento com ele. Se eu tivesse me relacionado com ele, eu iria ser o passa-tempo dele. Tem homens que gostam da vida sexual dupla.

  6. Quantos julgamentos…
    Não é a toa que não se assumem.
    Sabem que serão apedrejados pelos juízes de plantão.
    Enganam sim, mas sodrem terrivelmente.
    Um pouco mais de compaixão e respeito por todos os envolvidos não cairia nada mal…

  7. É fácil falar quando não foi vc que foi enganado por um narcisista que só queria o melhor dos 2 mundos sem considerar nenhuma consequência das suas escolhas. Se engana e engana todos ao redor. Usam uma máscara enquanto apodrecem por dentro. Aí logo apodrecem tudo e todos que estão ao redor.

  8. Relacionamento antes de mais nada requer confiança, cumplicidade e verdade. Se a pessoa tem dúvidas quanto sua orientação sexual ou simplesmente não quer assumir para a sociedade, não se case pra enganar sua companheira. É um sofrimento imensurável, que destrói a autoestima da outra pessoa e com certeza não vale a pena para se manter um relacionamento fadado ao fracasso.

  9. Concordo plenamente com a resposta da leitora e comentarista Sr Ivana Azevedo.
    Eu Pablo Ferraz de ANDRADE sou gay desde a minha juventude, tenho 40 anos; se eu mim declaro gay, não tenho a acertividade com mulheres, por tanto vejo à impossibilidade de mim deitar com elas…
    Mesmo que fique no ponto do fiel da Balança, a impossibilidade de ganhos de cargos de confiança corporativa em uma empresa, ou ser submetido à agradar anseios de família!!!!
    Sou Pablo Ferraz, sou gay e muito satisfeito como sou e como estou!!! Filhos… deixe para outros quê, por Don, queiram fabricar… ou seja… gerar e cuidar. Não é o meu campo!!! Gerar e cuidar de uma prole!
    Isto é para poucos… E não para quaisquer um. Seja gay, hetero, ou bi.
    Para mim o cabra safado quê engana uma mulher só para obter o título de exemplo de família exemplar e correta… para mim nada mais é que um cara cabra safado e sem caráter!!! E o pior… de péssima personalidade, falso e “Egocêntrico “!!!!.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here