Para quem não é livroholic, pode parecer bobagem, papo de gente metida a cult, conversinha de pseudo-intelectual. Mas não. O caso é mesmo grave.

O livroholic nem sempre é um tipo que lê muitíssimo ou que lê tudo. O leituraholic, sim, é um cult. Mas  livroholic é um tipo diferente, porque o fetiche está no objeto, não só no ato.

A casa dos livroholics, obviamente, são facilmente confundidas com livrarias, bibliotecas ou sebos. Mas a característica principal reside no fato de que eles nunca leram tudo o que está lá. Porque é humanamente impossível ter lido tudo aquilo.

Os livroholics sempre têm em casa dezenas de livros que estão “na fila” para ler. E frequentemente há alguns que eles nem pretendem ler, mas que têm capas ma-ra-vi-lho-sas ou estavam em promoções ir-re-sis-tí-veis.

Não tem jeito, eles não conseguem parar com compras alucinadas. Livroholics procuram não entrar em livrarias porque sabem que vai dar problema. Mas sempre acabam entrando. E vão ao delírio quando enxergam mesinhas nas quais se vendem livros usados. As mãos até suam.

E o racicínio é mais ou menos assim:

“Só vou dar uma olhadinha, porque tenho vários livros para ler em casa. Não posso comprar nada. Mas olha que baratinho esse! Não tem como não levar, seria uma imbecilidade perder essa chance. Vou levar. Nossa, olha esse aqui, que coisa incrível. É meio caro, mas realmente, com essa edição vale muito a pena. É uma ótima compra, vou levar. Gente. Sempre quis esse livro e ele está com 10% de desconto. Vou ter que levar também. “

Pronto. Lá vai o livroholic de novo pra casa com a sua sacolinha, radiante como criança com brinquedo novo. Chega em casa, espalha os livros na cama e fica olhando, pegando, cheirando. Cheirar livros, não vamos falar sobre esse assunto.

E frequentemente livroholics se flagram invejando as pessoas que trabalham em livrarias e bibliotecas. Quase sempre concluem que essas profissões são muito mais legais do que as suas. Até porque livroholics simplesmente adoram organizar os próprios livros. Por tema, por autor, por nacionalidade, por editora.

O livroholic também tem um hábito muito peculiar que é o de dar de presente para as pessoas mais próximas- namorado, cônjuge, pais, irmãos, filhos, amigos chegados- livros incríveis. Mas, com um detalhe: quem quer ler esse livro é o livroholic. Ele compra um tipo de falso presente para pessoas de quem ele poderá pegar o livro de volta. É uma solução muito prática (e muito cara de pau): “já resolvo o presente de aniversário e dou um jeito de comprar o livro que eu queria, mas que ju-ro-por-deus, que minha mãe também vai amar. “Ahan.

E livroholics têm um outro grave problema. Ciúmes. Livroholics não são nada bons na arte de emprestar livros. Às vezes, muito às vezes, eles emprestam. Mas só para pessoas que eles têm quase certeza de que devolvem (ou pelo menos para pessoas cujas casas eles possam invadir para resgatar o livro). Mas sofrem muito mesmo assim. Livroholics não são nada generosos nesse assunto.

Livroholics sempre têm um livro na bolsa, mochila, pasta, banco do carro. Ou dois. Ou cinco. Ou nove. Os livros dos livroholics conhecem o mundo, passeiam, andam de metrô, conhecem salas de espera. Os livroholics escolhem carinhosamente o livro que vão levar antes de sair de casa. E ficam vaidosos quando percebem que alguém está olhando para o seu livro.

É quase patológico.

Mas vamos combinar que não poderia haver vício melhor. Ok, Nutella pode ser melhor, mas livros são mais saudáveis. E, cá entre nós, também são mais cheirosos.

Livroholics querem controlar melhor suas compras impulsivas. Querem ser menos egoístas com sua biblioteca particular. Querem programar melhor suas leituras. Querem ler mais. Mas livroholics nunca querem deixar de ser livroholics. Há um certo charme no vício. Bom ou ruim, há um certo orgulho de ser livroholic. #tamojunto

(Autora: Ruth Manus)

(Fonte: http://vida-estilo.estadao.com.br/)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



2 COMENTÁRIOS

  1. No decorrer da leitura deste artigo, eu só conseguia balançar a cabeça positivamente e pensando: -com o perdão da palavra- ” A Porra ta séria “. Fiquei mais tranquilo ao final do texto em sabe que eu não preciso de um tratamento intensivo de cura, e sim desfrutar mais e mais dos meus livros . <3

DEIXE UMA RESPOSTA