Eles estão espalhados por todos os lugares e sempre causando sofrimento às pessoas. É difícil identificá-los. O melhor antídoto é o conhecimento.

Quando se fala em psicopatas a maior parte das pessoas ainda associa a imagem de criminosos violentos e assassinos em série. Embora muitos psicopatas sejam assassinos, nem todo assassino é psicopata e nem todo psicopata é assassino.

Psicopatas não são doentes mentais, pelo contrário, são muito conscientes de seus atos. A psicopatia é um transtorno de personalidade antissocial e de acordo com estudos neurocientíficos é um defeito cerebral que tem um forte componente genético, é uma falha no sistema límbico (parte do cérebro responsável pelas emoções). As conexões cerebrais que fazem a pessoa sentir empatia pelos outros, não funcionam no psicopata. Ele(a) é insensível e sua principal característica é a total falta de sentimento de culpa ou arrependimento, quando comete um delito.

Inteligentes e extremamente individualistas, os psicopatas geralmente são sedutores, simpáticos e manipuladores. Eles usam essas “qualidades” para conseguir tudo o que querem.Sua missão de vida é aproveitar-se da humanidade custe o que custar. São indivíduos capazes de destruir a vida de uma pessoa sem sentir um pingo de remorso. Sua estratégia, eliminar todos os obstáculos. E não adianta tentar consertá-lo,o cérebro dele não é capaz de responder.

Aquele que tem um grau mais “leve” de psicopatia é o camarada enganador que sacaneia as pessoas para tirar vantagem delas. Ele se diverte com isso, não paga as próprias dívidas por opção, seduz mulheres carentes para conseguir dinheiro e depois desaparece, finge que é médico ou diz ser especialista de alguma área do conhecimento sem nunca ter feito sequer nenhuma formação ou especialização.

Na empresa é aquela pessoa que puxa o tapete de todo mundo para conseguir uma promoção, torna a vida das pessoas um inferno e até rouba a empresa.

É aquele cara conhecido como “esperto”, que vive para satisfazer, exclusivamente, as próprias necessidades. Ele não vai te matar, mas ele é um psicopata!

O difícil é provar, pois por ele ser muito carismático ninguém vai acreditar em você.


Os psicopatas podem estar disfarçados nos mais diversos papéis, tais como cartomantes, líderes religiosos que se enriquecem à custa dos fiéis, podem também estar entre os políticos ou falsos empresários, entre tantas outras variações.

Ou seja, ele pode morar na sua casa!

Por outro lado, o psicopata assassino não tem a menor dificuldade para matar. Ele é cruel e se diverte com a humilhação e o sofrimento da vítima.

Assassino ou não, o psicopata é sempre frio e calculista e totalmente indiferente aos sentimentos alheios, não tem laços familiares nem com a própria família, mas pode fingir sentimentos com maestria se isso lhe convier. Fique atento e afaste-se dele!


O psicopata comumente apresenta uma tendência à crueldade desde a infância. Alguns são crianças extremamente cruéis e com frequência causam sofrimento físico a pequenos animais, são agressivos e na escola, humilham colegas e professores. São pessoas que têm péssima adaptação social e dificuldade para seguir regras.

Se essas manifestações aparecerem repetidas no comportamento do seu filho, é preciso buscar ajuda psiquiátrica para encontrar as possíveis soluções adaptativas.

(Autora: Carmen Janssen é psicanalista, sexóloga, escritora e conferencista internacional)

(Fonte: www.carmenjanssen.com.br)

 

Compartilhar
Carmen Janssen
Psicanalista, Especialista em Sexualidade Humana. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



29 COMENTÁRIOS

  1. Sou acadêmico de psicologia e me interesso muito pela abordagem lacaniana, assim pergunto: em qual estrutura psíquica o psicopata se encaixaria mais? Neurose, Psicose ou Perversão?

    • Olá, PV, desculpe a demora, nem sempre será possível responder de maneira rápida, devido às inúmeras atribuíções do meu trabalho e viagens. Existem alguns estudiosos da psicanálise que têm uma tendência a acreditar que a psicopatia poderia estar relacionada à perversão. Mas, não há nada conclusivo ainda!

  2. Eles matam lentamente, não deixam de ser assassinos !!! são torturas físicas e emocionais diárias. o prazer de ser o bom, impede as atrocidades que cometem. Lamentável

  3. Convivi com uma pessoa na qual perdi 9 anos de de minha vida sendo torturada psicologicamente e podada de tudo que me fizesse feliz,só me libertei disso depois de muitas conversas com profissionais que me deram suporte para enfrentar e perder o medo. Hoje estudo psicologia e em alguns casos de estudo reconheço a personalidade doentia dele. Mas soube que ele com algumas companheiras dele atuais ele já teve o mesmo comportamento e com outras não. Acontece isso com o psicopata?

    • Olá, Re, sim acontece e pode acontecer por diversas razões, algum tipo de interesse particular ou até por ele, possivelmente, estar apaixonado, mas ele não hesitaria se tivesse que enganar a pessoa. Aliás, já a está enganando mostrando ser quem não é.

      • Concordo com a Denise!! Não dá para saber se o cérebro do sujeito com esse transtorno se modifica através das experiências vivenciadas ou se já nascem assim. Ninguém nunca fez um mapeamento cerebral desde o nascimento do sujeito.

        E o tal termos, psicopatia “leve”, ou se tem ou não se tem empatia pelo outro. Não existe mais ou menos grávida.

        Não só reducionista como carregdo de pré-conceitos. E, como bem colocou a Denise, o pré-conceito reduz.

        • Não sou profissional da área mas achei a comparação meio sem sentido pois o estar gravida é um estado físico e não emocional pois acho que como diz a matéria a psicopatia é um estado mental que meche com as emoções gerando esses sintomas de perversidade no individuo. podendo então ter tratamento dependendo do caso…

    • Olá, Denise, a ideia foi dar um panorama para as pessoas que ainda têm muitas dúvidas sobre a psicopatia, ajudá-las na identificação de algumas dessas personalidades para se protegerem. O enfoque não é psicanalítico, visto que Freud só considerava psicopata quem realmente cometeu um crime de homicídio. Mas, isso já foi atualizado há muito tempo, há vários graus de psicopatia. Obrigada, por sua opinião.

      • Na psicanálise não existe só Freud. Vários autores pós Freud e psicanalistas na atualidade complementaram a teoria do pai da psicanálise.

        E mais, acho que se a intenção é fazer com que as pessoas reconheçam quem é ou não um psicopata, com esse grau de superficialidade, vamos encorrer no mesmo erro dos diagnósticos de TDHA, em que, hoje generalizou-se que toda criança, desatenta ou agitada, com dificuldade na escola, tem o distúrbio.

        Cuidado!!

  4. Sou casada e desde o início ou seja por 40 anos convivo com atitudes que não aceito: desrespeito, manipulações, falta de empatia, arrependimento só demonstra se lhe convém e para o momento, mentiras ou distorções, já sacrificou animais (hoje até bastante carinhoso), até mesmo filho para me atingir, controlador, agradável com as pessoas de fora. Impossibilidade de fazer acordos no casamento, porém extremamente rigoroso com as contas e o que diz respeito a sociedade. Me sacrifiquei em torno da família, dois filhos que hoje definem com lucidez o quadro. Passei a vida ensaiando, até batalhei oficializada separação e em seguida por manipulação, falta de espaço e persistência dele com promessas de mudanças, a acomodação foi tomando espaço. Com dificuldades enfrentei alguns desafios em algumas áreas, como exercer minha profissão, estudar, dirigir carro, mas continuo preza nesse enredo acreditando que saiba lidar e o tempo vai sendo protelado com desgastes físico, confusões. enquanto dizem que a tendência desses comportamentos é piorarem. Como romper com uma vida acostumada e que volta e meia vem os rompantes numa forma cíclica como se houvesse a necessidade de explodir para continuar…..

  5. Estou passando por um o momento difficil, sou filho única e Moro fora do Pais; minha Mãe 70 anos, viuva. Conheceu um psicopata a fez se apaixonar, a manipula e a jogou contra mim…A chama de Maezinha e a leva pra cama? O que Fazer? ??

  6. Olá, Cristina, procure uma ajuda profissional, verifique se é, realmente, um caso de psicopatia. A psicoterapia vai ajudá-la a entender melhor o que está acontecendo e também a aprender a lidar melhor com a situação, ok?
    Muito boa sorte pra você!

  7. Boa noite Carmen!
    Adorei o seu artigo. Disse muito sobre os 13 anos, desde os 17, que eu vivi ao lado de um psicopata. Perdi a minha adolescência, o momento que julgo mais importante para o desenvolvimento social – tinha acabado de entrar numa Universidade Pública. Perdi a oportunidade de conhecer muitas pessoas, inclusive outras com o perfil dele, e isso me prejudicou no ambiente de trabalho. Perdi a alegria de viver. É impressionante como ele se encaixa nesse perfil e nos detalhes que as outras vítimas relatam.
    Realmente nos falta conhecimento e temos medo de buscá-lo porque exigirá de nós uma coragem enorme para sairmos dessa situação de dominância e, depois que saímos, percebemos que não seria tão difícil assim. Com a autoestima destruída, acreditamos que essa situação é a que temos pra hoje e que talvez até merecemos passar por isso, que precisamos de um motivo para lutar (como se a nossa felicidade não fosse esse motivo), mas, não verdade, o que nos impede de mudar é a covardia.
    Aos 30 anos consegui mudar, graças ao amor da minha vida, e hoje, aos 32, sou muito feliz nesse novo relacionamento.
    Temos que ter fé em Deus e em nós mesmas! É muito difícil, porque não vemos luz no fim do túnel, mas não é tão difícil assim e, se precisarmos a lei e as pessoas que nos amam estão do nosso lado!
    Abraço,

  8. Gostei muito do texto e acho que foi escrito para alertar pessoas leigas e não profissionais da área. E identifiquei claramente uma pessoa da minha família. Gostei!

  9. Acho que me encaixo no perfil….kkkk mais ou menos….tem coisas aí que eu não faço… por exemplo: fazer mal a alguém, puxar o tapete como vc falou… humilhar…kkk depende.. se for uma pessoa que eu odeio, humilho sim! Mas, quase nunca acontece…minto muito para as pessoas, mas conto a verdade logo em seguida; se a pessoa fica magoada com uma ação minha, eu, comumente, não dou a mínima. Não me encaixo na sociedade…tenho muita dificuldade… sentir as dores dos outros, não sinto. Na verdade depende do “grau da dor” kkk tipo, um fim de namoro, briga com alguém, sei lá…eu não dou a mínima.. mas se um parente de alguém morreu eu sinto a dor daquela pessoa sim…independente de ser próxima ou não. Mas, eu não gosto de me “misturar” com as pessoas… gosto de ficar só, viver só..só eu e eu…amo meus amigo, embora minta munto para eles…kkkk e acho graça…Preciso de ajuda?

  10. A abordagem é bem pertinente.O questionamento que é feito e sua classificação simplista,não procede. A especialista faz uma explanação básica do assunto,o tema é robusto e com vários publicações que tratam do transtorno .O que não caberia aqui,devido termos técnicos, espaço e pessoas sem leitura especifica não entenderiam.Para classificar um trantorno deste tipo,existem vários requisitos.Que cabe somente aos profissionais da área.Logo achei bem acessível e de fácil compreensão.
    Pois pelo que percebi, a profissional publicou com enfoque informativo e não detalhando técnicas ,ou abordagens dos vários ramos das ciências que estudam as patologias mentais.

DEIXE UMA RESPOSTA