Como não enlouquecer? Porque as pessoas enlouquecem? Porque as grandes figuras da humanidade enlouqueceram? Isso é causado pela alienação da humanidade que os perturba? Elas preferem um veneno narcotizante ou buscar Deus para sanar essa violência e esse estupro de bons costumes que embora retesado, esteja presente nas pessoas que pelo menos tenham alguma vontade ou um desejo reprimido?

No meu processo de loucura, eu acho que as pessoas se aceitam muito pouco.

Existe algo que as fazem transformar o mundo num grande espetáculo de loucos sem identificação. E não expõem as suas anormalidades ou têm medo.

Patético. Porque o processo de auto cura depende da auto aceitação atrelado ao autocontrole. Mas o que é isso? Como você começa a perceber que o mundo precisa mudar? Você quer mudar o mundo? Que mundo? E o seu mundo?

As pessoas não são livres para romperem a barreira da loucura e da lucidez. E acabam passando por caminhos tortuosos que as levam a loucura. Sem esquecer que de fato, muitas doenças mentais hoje em dia são tão normais como o próprio medo de se aceitar.

Leia mais: A descrença banal na loucura alheia

Acredito num poder que faz com que nada aquebrante nosso escudo. Digo, escudo, porque hoje você pode ser quem você quiser e sem deixar perceber graças a essas diversas figuras de linguagem seja virtuais ou “reais”. Claro, normal ter seus momentos de raiva, tédio, desanimo e depressão. Mas isso pode ser tão controlado que a viela mais estreita é achar isso natural de qualquer ser humano.

Enquanto não houver auto aceitação, existirão doenças. A esquizofrenia, por exemplo, é uma doença que não aparece “do nada”. Ela tem um grande propósito para o crescimento individual. Mas existe um caminho mais fácil para chegar ao controle sem precisar ficar doente ou adquirir algum tipo de perturbação.

A compaixão é uma coisa que eu acredito muito. Embora, pouco propagada e uma palavra linda de se falar. Que não tem nada a ver com paixão, que é algo cego, destrutivo e falso. Tende a ter um movimento de se colocar no lugar da outra pessoa e entende-la.

Isso também faz parte do autoconhecimento. Você muitas vezes não precisa de Deus, de um ser metafísico, de um narcótico ou de um remédio que faça você se auto aceitar. Eu acho que você deve se abrir para críticas, porque elas são necessárias para o crescimento e aceitar-se. Esse é o real caminho de se dar bem com uma possível loucura.

A loucura nada mais é que um “estalo” de desespero que propõe a sua mudança interior. O que isso quer dizer? Tente encarar os problemas como se eles não fossem problemas. Porque os problemas muitas vezes são soluções inerentes de pessoas que se acharam no mundo. E esse achado vem atrelado a uma bagagem de atributos necessários para o crescimento.

Acho que estamos nessa grande busca desesperada para uma vida saudável. E é nesse desespero que falhamos. A pós modernidade nos impõe, nos paralisa e nos torna pessoas execradas por correria e falta de tempo.

Precisamos criar uma alternativa para afastar os pensamentos destrutivos que nos preocupam e fazer com que eles se tornem menos dolorosos.

Leia mais: Ideias absurdas e medo de ficar louco(a)

Acho que um bom atendimento médico e uma porção de esforço para se reconhecer e se aceitar requer nada mais que paciência.

Apesar da escassez da paciência, o que nos torna pessoas ansiosas, até mesmo fazendo com que não vivemos uma vida mais agradável, requer insistência. Porque o grande caminho está no meio do percurso. E a grande evolução está simplesmente dentro de nós.

Compartilhar
Daniel Velloso
É escritor, o "Avesso da alma" já faz o maior sucesso e em breve lançará o seu segundo livro. Estudante de Psicologia, é colunista exclusivo do site Fãs da Psicanálise.



1 COMENTÁRIO

  1. Incrível texto, meus parabéns! As vezes, sentimos tantas coisas as quais, achamos, que são impossíveis de colocar em palavra, no entanto, agora, temos um belo exemplo de eloquência e assertividade.

DEIXE UMA RESPOSTA