O ser humano é um conjunto complexo, integrado harmoniosamente por aspectos históricos, sociais, biológicos e psíquicos. A relação intrínseca dessas dimensões faz de qualquer pessoa um ser único, com potencialidades e limitações, amores e ódios, felicidades e tristezas, palavras e silêncios inconscientemente marcados por uma história de vida.

Conseguir o delicado equilíbrio entre tantos núcleos nem sempre é fácil. Às vezes é preciso se permitir ouvir a história inconsciente presente em cada célula do corpo, mas esse movimento é uma valiosa tarefa que não se aprende na escola. Assim, não é raro paramos para pensar sobre tais aspectos somente quando já estamos enfrentando grande sofrimento. Quando a última gota já caiu e o copo está transbordando.

De qualquer maneira, seja por conta de uma crise, em caráter de prevenção ou investimento pessoal, a Psicoterapia Psicanalítica e a Análise são métodos terapêuticos que auxiliam o sujeito a entrar em contato com todas as questões destacadas acima e lhe oferece instrumentos para resgatar e elaborar suas dores e angústias, mesmo as camufladas por certas camadas de medo, desesperança, culpa e dúvidas. O intuito é libertar, promover saúde e possibilitar a cada pessoa uma reapropriação de sua própria história a partir de um novo e diferente contato com esta história.

Durante o final do século XIX, início do século XX Freud revolucionou a medicina ao parar para ouvir o paciente, sua história, seus desejos, suas lembranças e assim descobriu e sistematizou o inconsciente. Freud formulou e reformulou o que chamou de Psicanálise, uma técnica para alcançar tais camadas inconscientes, um método em constante evolução até os dias de hoje, tanto na clínica quanto nas pesquisas em universidades, presentes no mundo todo.

É importante destacar que esse arcabouço teórico e metodológico é bastante complexo. Sua teoria, método e técnica fazem possível o desvelamento e acesso a questões até então não compreendidas, marcações psíquicas em um nível abaixo do que cada um de nós pensamos sobre nós e sobre nossas relações humanas. O inconsciente é uma instância psíquica que não temos controle e nem conseguimos acessar conscientemente, entretanto de grande importância para o desenvolvimento de um modo geral, e caso não cuidado adequadamente pode ser a causa de muitos processos de adoecimento.

Iniciar um processo de análise e se enveredar pelo caminho do inconsciente, das relações e desejos humanos não é algo simples, tampouco mágico, mas pode promover mudanças verdadeiras e duradouras se for executada de modo adequado e com real disponibilidade de todas as partes envolvidas. É um processo pautado em uma relação humana, extraindo sua máxima potencialidade.

Já dizia Sigmund Freud:

“A Psicanálise é, em essência, uma cura pelo amor”.

Compartilhar
João Paulo Zerbinati
Psicólogo Clínico de Orientação Psicanalítica, atendendo em Itápolis-SP. Graduado pela PUC-Campinas. Mestrando pela Faculdade de Ciências e Letras, UNESP-Araraquara. Membro do grupo de pesquisa SexualidadeVida USP\CNPq. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA