Ele não é um assassino em série, tampouco já ficou preso em uma cadeia psiquiátrica. Mesmo assim, seu chefe — ou seu vizinho, quem sabe — pode ser um psicopata. Diferentemente do que mostram os filmes, psicopatia, nas atuais classificações médicas, se refere a transtornos de personalidade, distúrbios psíquicos capazes de causar sofrimento ao indivíduo e a quem está a seu redor.

Pessoas com comportamentos desse tipo podem estar no ambiente de trabalho, no bar, na escola ou até dentro de casa. Saber conviver com elas é importante para se proteger nas relações, como ensina a psiquiatra Katia Mecler no livro “Psicopatas do cotidiano” (Casa da Palavra).

Na obra, a especialista lista os dez transtornos mais frequentes. Quem sofre de qualquer um desses problemas passa a impressão de que algo está fora da ordem: são pessoas que manipulam, seduzem, desconfiam demais ou são excessivamente carentes, por exemplo. Além disso, guardam em comum a relutância em admitir a necessidade de tratamento e a responsabilidade por um mal-estar no convívio interpessoal: para elas, o inferno são sempre os outros.

Leia mais: Psicopatia – uma reflexão psicanalítica

Com o jeito de ser inflexível, os “psicopatas do cotidiano” injetam sentimento de culpa, impotência e inadequação naqueles que estão no seu entorno — explica Katia Mecler, que também é coordenadora do Departamento de Ética e Psiquiatria Legal da Associação Brasileira de Psiquiatria.

OS DEZ TIPOS  E SUAS CARACTERÍSTICAS

1. Esquizoide

– Prefere atividades solitárias

– Não deseja nem desfruta de relações íntimas

– Tem pouco interesse por experiências sexuais

– Não sente prazer com quase nada

– Não tem amigos próximos

– Mostra-se indiferente a elogios ou a críticas

– Demonstra frieza emocional

2. Esquizotípico

– Tem comportamento e aparência extravagantes

– Sente que tem experiências perceptivas incomuns

– Acha que pode prever coisas

– É muito ansioso socialmente (na presença de outras pessoas)

– Mantém crenças estranhas ou pensamentos mágicos (superstição exagerada)

– Mostra desconfiança paranoide

– Demonstra afeto inadequado

– Não tem amigos próximos

3. Paranoide

– Suspeita, sem embasamento, de estar sendo explorado ou enganado

– Tem preocupação injustificada com a lealdade de amigos

– É incapaz de confiar nas pessoas

– Percebe significados ocultos em qualquer situação

– Guarda rancores

– Acredita sofrer ataques a sua reputação que não são percebidos pelos demais

– Tem dúvidas constantes sobre a fidelidade do parceiro]

4. Antissocial

– Tende à falsidade

– Não consegue se ajustar às normas sociais

– Apresenta irritabilidade ou agressividade

– É incapaz de planejar o futuro

– Tem descaso com a própria segurança ou com a segurança alheia

– Demonstra irresponsabilidade reiterada

– Não sente remorsos

– É sedutor e manipulador

5. Bordeline

– Tem mudanças rápidas de humor

– Teme ser deixado e quer evitar o abandono desesperadamente

– Mantém relacionamentos intensos e instáveis

– É impulsivo em compras, no abuso de álcool e drogas e na prática de sexo sem proteção

– Tem recorrente comportamento suicida ou automutilante

– É instável afetivamente e sente um vazio crônico

– Tem pensamentos paranoides em momentos de estresse

Leia mais: Transtorno da Personalidade Borderline – O que se sente

6. Narcisismo

– Mantém fantasias de sucesso ilimitado na vida

– Acredita ser alguém único e especial

– Necessita excessivamente de atenção

– Tem certeza de possuir direitos exclusivos

– Carece de empatia

– Tende a ser explorador nas relações

– É arrogante e insolente

– É propenso a ter inveja e se sentir alvo de inveja

7. Histriônicos

– Fica desconfortável quando não é o centro das atenções

– Tem comportamento sexualmente sedutor e exagerado

– Apresenta mudanças emocionais rápidas

– Faz discursos grandiloquentes mas carente de detalhes

– Dramatiza as emoções

– Usa excessivamente a aparência física para atrair olhares

– Acredita que as relações pessoais são mais íntimas do que, de fato, são

8. Dependente

– Busca urgentemente outro parceiro após o término de uma relação

– Tem dificuldade para tomar decisões sem aconselhamento excessivo

– Terceiriza a responsabilidade sobre a própria vida a outras pessoas

– Raramente manifesta desacordo, para não perder apoio

– Não tem iniciativa para fazer coisas por conta própria

– Vai a extremos para obter carinho e amparo

– Sente-se desconfortável quando sozinho

– Tem medo irreal de ser abandonado

Leia mais: Transtorno de personalidade dependente

9. Evitativo

– Evita trabalhos que exijam muito contato interpessoal

– Não se envolve com outros sem a certeza de que será bem recebido

– É reservado nos relacionamentos íntimos, por vergonha ou medo do ridículo

– Preocupa-se com críticas e rejeições

– Fica inibido para conhecer gente nova, por se sentir inadequado

– Acredita ser inferior aos demais, sem atrativos

– Reluta sem assumir riscos ou fazer coisas novas

10. Obsessivo-compulsivo

– Preocupa-se muito com regras, organização e horários

– Apresenta perfeccionismo e teimosia

– Tende a preferir o trabalho ao lazer

– É inflexível e escrupuloso em relação à moral e à ética

– Não gosta de descartar objetos usados, mesmo quando inúteis

– Reluta em delegar tarefas ou trabalhar em equipe

– Tem preocupação exagerada em poupar, o que pode levar à sovinice

Para que determinados traços de personalidade tipifiquem um transtorno, é preciso que a pessoa apresente comportamentos danosos repetidamente (ou seja, não apenas em uma época) desde o fim da adolescência ou o início da vida adulta. É nessa fase que tais distúrbios costumam aparecer.

— A prevalência de transtornos de personalidade na população mundial é de 10%. A mera presença de uma característica (típica de um problema psíquico), sem trazer tantos prejuízos, não define a doença — esclarece a médica.

Para o psiquiatra Gabriel Bessa, do Hospital Estadual Pedro II, a melhor forma de se proteger de “psicopatas do cotidiano” e se poupar de sofrimento nas relações é identificar seus próprios limites.
Não há como mudar os outros. Então, o que cada um pode fazer para melhorar o convívio é conhecer a si mesmo. Quando o relacionamento com o eu está bem cuidado, a pessoa fica menos vulnerável para ser manipulada — ressalta.
Outras medidas importantes são não tomar como pessoais as atitudes de quem apresenta alguma psicopatia e evitar confrontos desnecessários.

Existe tratamento para esses transtornos, mas ele só é eficaz se o paciente admite o problema. Em geral, ele busca ajuda apenas se houver distúrbios associados, como depressão e ansiedade — diz Katia.

(Autora: Camilla Muniz)
(Fonte: extra.globo.com )

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



2 COMENTÁRIOS

  1. Abrange uma vasta característica de personalidade.
    Na maioria dessas características já fazem parte do cotidiano e talvez o individuo não consiga enxergar as falhas, mas é possível um auto diagnóstico onde se percebe as falhas na personalidade a fim de evitá las e obter mudança no caráter.

  2. Eu convivo com uma pessoa que é instável. Eu a amo mais casa dia que passa é difícil conviver com essa pessoa. Não sei bem mais como lhe dar e que tipo de trantorno é que ela tem. O que fazer?

DEIXE UMA RESPOSTA