Perdi as contas de quantas vezes eu escutei que faltava reciprocidade no mundo. A primeira vez foi de uma moça que eu era muito afim.

Então pensei que seria fácil conquistá-la, já que ela precisava de atenção na época e entendia, na teoria, a palavra reciprocidade. Fiz quase de tudo: jantas, cartões feitos a mão, flores e recados de bom dia, todos os dias, pontualmente às 8h. Não deu certo.

Foi então quando percebi que a nossa reciprocidade é seletiva. É algo que queremos ter de alguém que nós já gostamos. Queremos que sorriam aos nossos sorrisos. Inclusive, se não fazemos tanta questão de alguém, não queremos que essa pessoa faça tanta questão de nós. Pode ver: ter a atenção de alguém que não estamos interessados, muitas vezes atrapalha.

Não sei se hipocrisia é a palavra certa, mas muitas vezes a mesma pessoa que reclama de falta de atenção e de carinho é a mesma que recebe isso de alguém e não o valoriza. E como reclamamos. Antes de tudo, gostaria de deixar claro que ninguém é obrigado a corresponder aos sentimentos alheios. É exatamente por isso que esperar algo do outro não faz lá muito sentido.

Por isso, eu acredito que é melhor reclamar menos e preocupar-se mais com o tipo de retorno que damos àqueles que já têm um sentimento por nós. Não estou dizendo que você precisa amar alguém só porque este alguém disse que te ama ou porque demonstra gostar de você. Afinidade, admiração e atração física são pontos importantíssimos também.

O que eu quero dizer é que às vezes fechamos portas a pessoas que mereciam algo mais do que uma olhadinha pelo buraquinho da maçaneta. Às vezes se quer tanto de pessoas que não fizeram muita coisa para merecer tanta atenção e se deixa de lado àquelas que buscam a sua atenção o tempo todo. Ironicamente, eu poderia dizer exatamente o mesmo para estas pessoas.

Leia mais: Ninguém fica onde não existe reciprocidade

Eu gosto muito da palavra reciprocidade quando ela é bem utilizada na prática. Quando nos esforçamos para estar por perto de quem gosta de nós, seja família, amigos ou pessoas desconhecidas que sem motivo algum parecem gostar muito da nossa companhia. Não sou adepto a insistir em entrar em casas com a porta fechada ou querer impor a minha presença em lugares que não sou convidado.

Quem gosta liga, chama, procura… E a gente não deveria ser tão leviano a estes sinais de atenção, principalmente em tempos de tantos discursos de egocentrismo e desapego. Pode ter certeza, alguém por aí está louco para lhe dar o que você procura, basta aceitar aquele encontro, responder aquela mensagem ou dar continuidade naquele assunto.

Perdemos muito tempo querendo agradar quem não quer ser agradado. Eu prefiro mil vezes estar com quem faz questão da minha companhia do que com alguém que não valoriza a minha presença e atenção como deveria. Seja chuva para quem quer se molhar, não para aqueles que estão sempre com o guarda-chuva aberto.

Não tenha medo de ser reciprocidade com o sentimento dos outros, ninguém morreu por tentar.

Fonte: Antes da Sobremesa

Autor: Francisco Galarreta

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise

A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here