O que buscam? O que lhes prometeram? Que o importante é ser feliz? Que ele pode ser o que quiser no lugar que quiser? Que se estudar na faculdade X vai se realizar, que se estudar na escola Y vai passar direto e depois é só correr para o abraço?

Jovens que vão aos consultórios com demandas frágeis de muito sofrimento. A dor da falta do Não. Sensação do não pertencimento, de estar perdido, de não saber o que quer da vida, nem saber se quer alguma coisa, geração de poucos adjetivos.

O show das 3 bandas foi TOP, a viagem para Disney foi LEGAL, o aniversario no buffet foi NORMAL, o casamento da melhor amiga foi CHATO.

Chora pelo golfinho ferido, mas não tira seu prato da mesa no shopping. A culpa é do machismo, dos fascistas, das feministas, dos petistas, dos istas. Colaborar em casa é “favor”, arcar com despesas nem pensar, participar das tarefas, seja fazer mercado, alimentar e passear com os dogs, ir ao banco, cartório, farmácia…Tudo é postergado, é exaustivo.

Geração das polpas de frutas, não descasca laranja, não chupa caroço de manga. Vive sonhos áureos, mas não quer pisar no chão para alcançá-los. Começar a trabalhar sem muito ganhar, nem pensar. Quem marca suas consultas, médicos, dentistas? Não visita os avós, não sai de seus quartos fantasiando no mundo irreal do Instagram ou das Séries de TV.

Aponta defeitos em comentários nas Redes Sociais, não elogia. Acredita que todos exigem muito deles e não oferece seus préstimos. Reclama do mínimo obstáculo. Culpa os pais por forçarem a barra e se intrometerem demais.

Na escola/universidade solucionam problemas matemáticos em turmas avançadas e não conseguem solucionar problemas reais, como tirar a 2ª via de um boleto, de ir a repartição publica e lidar com burocracia e espera…

Querem respostas rápidas, fáceis e ficam aborrecidos sempre, mesmo quando a resposta vem, entediam-se. Trocam de escola, de curso, de emprego, de parceiros de amigos, nada e nem ninguém os compreende, nada preenche. Culpam o sistema, a família, o amigo difícil, o porteiro chato, a coordenadora do curso, a lei, o chefe que exige. Reclama do almoço, de não ter roupa para sair, não ter dinheiro.

Passam o dia no ar-condicionado, consumindo salario dos pais. Anda de carro, uber, taxi… Não lava suas cuecas ou suas calcinhas. Não busca espiritualidade e nem conhecimento. Não se encanta com decorações natalinas, nem com o ipê florido no meio da avenida. Reivindica direito de se expressar e não oferece ação, atitude, juízes implacáveis e duros! Impiedosos, condenam.

Choram pelo cachorro mal tratado, mas tem compaixão duvidosa, amorosidade mínima. Inertes, acomodados em suas gaiolas de ouro, não assumem responsabilidade de viver, de se mexer, de traçar seu caminho, de enfrentar o que esta fora da caverna de Platão.

“Preciso disto! Tem que ser aquilo!” E haja insatisfação, infelicidade, descontentamento, adoecimento, depressão, suicídio…Geração estragada, inconformada, presa em suas desculpas.

Posta sorrisos, praias paradisíacas, mas mal entra no mar…Em casa estampa tristeza, sofrimento, dor… A dor de ter que crescer sem fazer por onde merecer.

*Autor desconhecido

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

2 COMENTÁRIOS

  1. Sim…isso é realmente verídico….sou dessa geração, e sei desses sintomas…mas, no que adianta perceber o quão “estragado minha geração está, e não saber como mudar…é legal voce ter essa noção, mas seria mais legal você nos ajudar a mudar, dar uma resposta em vez de jogar na nossa cara o quanto depressivo e estressado somos….confesso que entrei neste artigo esperando uma virtude para aprender e poder melhorar esse sintomas da minha geração, mas agora só me sinto pior…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here