Ajudar os outros é um dos comportamentos que goza de grande reconhecimento social. Em geral, quando somos altruístas, melhoramos a vida de outras pessoas.

É por isso que, em termos sociais, é uma das formas mais recompensadoras de agir. No entanto, é sempre bom ajudar os outros? A existência da síndrome do salvador parece colocar essa ideia em questão.

A síndrome do salvador é uma condição psicológica que faz com que uma pessoa sinta constantemente a necessidade de ajudar os outros. Este modo de ser empurra o indivíduo para agir um pouco no extremo e suas ações podem até se tornar muito prejudiciais.

Neste artigo, vamos tentar entender o que é esse jeito de ser. Você poderá identificá-lo em casa e entre outras pessoas. E você também pode evitar situações em que a ajuda pode se tornar muito prejudicial para os outros.

Em que consiste a síndrome do salvador

De acordo com a definição oficial, uma pessoa que sofre da síndrome do salvador sente constantemente a necessidade de salvar os outros. Essas pessoas costumam procurar pessoas que precisam de ajuda e assistência e até mesmo sacrificar suas próprias necessidades, desejos e aspirações.

O problema é que esses recursos podem facilmente levar à criação de relacionamentos tóxicos. Em geral, as pessoas que sofrem desse complexo tendem a viver de relacionamentos co-dependentes. Na maioria dos casos, esse é um dos piores tipos de relacionamento que podem existir.

Nesses relacionamentos, um dos indivíduos precisa constantemente da ajuda do outro para se sentir bem. Ele acha que não pode viver sem essa pessoa. O salvador, ele se sente mais forte graças à dependência de seu cônjuge. Mas depois de um tempo, acabará por se entediar e por se sentir limitado pela necessidade do outro.

Assim, em um casal co-dependente formado pela síndrome do salvador, nenhum dos membros é realmente feliz. A pessoa que é dependente terá cada vez menos auto-estima e autoconfiança, enquanto o outro se sentirá sufocado e culpará seu cônjuge.

Deve ser enfatizado que essa dinâmica não ocorre apenas nos relacionamentos. É possível ver aparecer entre amigos, familiares, colegas de trabalho … No entanto, é mais comum no campo das relações românticas.

Como evitar essa dinâmica

Agora você encontrará uma série de chaves que o ajudarão a evitar a formação de relacionamentos co-dependentes. Se você acha que até certo ponto você sofre com a síndrome do salvador, aplicá-los à sua vida pode ser de grande ajuda para você.

• Lembre-se, você é o único responsável por si mesmo. Cada pessoa deve tomar as rédeas de sua própria vida, suas emoções e suas ações. Você não precisa salvar as pessoas se isso não lhe faz feliz.

• Aprenda a dizer não. Para muitas pessoas, recusar-se a fazer o que um ente querido lhes pede é extremamente difícil. No entanto, não fazê-lo inevitavelmente leva ao vício e ao ressentimento. Técnicas dominantes, como a assertividade, podem ajudá-lo enormemente a melhorar seus relacionamentos.

• Definir limites. Se você tem características relacionadas ao complexo do salvador, certamente significa que você gosta de ajudar os outros. Você deve saber até onde você pode ir. Existe alguma coisa que você não gosta particularmente? Quando ajudar os outros se torna demais para você?

• Sua felicidade é sua prioridade. Sempre crescemos com a ideia de que cuidar do próprio bem-estar antes dos outros é um pouco egoísta. Mas se uma ação vai fazer você infeliz, fazer isso não faz sentido. Se você realmente quiser ajudar, tente encontrar uma maneira de evitar o sofrimento.

Em última análise, se você quer se libertar da síndrome do salvador, você deve se examinar de uma maneira completamente honesta. Somente fazendo isso e lembrando que você é responsável por sua felicidade, você pode criar e manter relacionamentos que lhe tragam bem-estar.

(Fonte Original: nospensees.fr)
*Texto traduzido e adaptado pela equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here