Com um número crescente de pessoas isoladas por causa da quarentena e do distanciamento social, o COVID-19 não é a única ameaça à saúde pública com a qual devemos nos preocupar – a solidão também é uma.

Enquanto os cientistas estão correndo para entender como o coronavírus funciona, os pesquisadores há muito tempo entendem o impacto que o isolamento social e a solidão têm sobre o corpo. Pessoas que não se sentem conectadas a outras pessoas são mais propensas a pegar um resfriado, sofrer depressão, desenvolver doenças cardíacas, ter uma função cognitiva mais baixa e viver uma vida mais curta . De fato, os danos a longo prazo causados ​​pela solidão são semelhantes ao fumo ou à obesidade.

Em janeiro, uma pesquisa nacional constatou que 79% da geração Z, 71% da geração Y e 50% da geração baby-boom se sentem sozinhos. Da mesma forma, a proporção de pessoas que pertencem a qualquer tipo de grupo comunitário, como clube de hobby, liga esportiva ou grupo de voluntários, caiu de 75 para 57% na última década. Mesmo sem o coronavírus nos separar, parece que a maioria da população sofre de problemas de saúde social.

Embora o isolamento seja a resposta correta à pandemia de coronavírus, precisamos do exato oposto em resposta à epidemia de solidão. Então, como você pode cultivar seu bem-estar social, evitando infecções?

Uma resposta óbvia é o dispositivo em que você está lendo este artigo. As pessoas costumam culpar a tecnologia pela prevalência da solidão, apontando que passamos muito tempo percorrendo as mídias sociais e não o suficiente interagindo com a IRL. No entanto, uma pesquisa recente dos meus colegas da Escola de Saúde Pública de Harvard TH Chan mostra uma imagem mais sutil: como você usa essas plataformas parece importar mais do que o quanto faz. Todos nós podemos nos beneficiar do desenvolvimento de hábitos digitais que suportam conexões humanas significativas – especialmente agora que essa pode ser nossa única opção até que o surto se acalme.

Se você está em quarentena, trabalhando remotamente ou apenas sendo cauteloso, agora é o momento perfeito para praticar o uso da tecnologia de maneiras socialmente saudáveis. Aqui estão algumas sugestões de como se conectar sem contato.

Cara a cara de longe: a próxima melhor coisa para a interação pessoal é o bate-papo por vídeo, porque dicas faciais, linguagem corporal e outras formas não-verbais de comunicação são importantes para o vínculo. Quando possível, opte pelo vídeo em vez de enviar mensagens ou ligar e brincar com o que você faria normalmente com outras pessoas. Por exemplo, tente um jantar digital com alguém que você conheceu em um aplicativo de namoro, um happy hour virtual com amigos ou uma reunião remota no clube do livro.

Gentileza de um minuto: obter muitas curtidas em uma publicação de mídia social pode causar uma rápida fuga de dopamina, mas receber uma mensagem direta ou e-mail com um genuíno elogio ou expressão de gratidão é mais pessoal e duradouro – sem demorar muito mais tempo. Quando você estiver percorrendo as postagens das pessoas, pare e envie uma delas com algumas palavras gentis. Afinal, precisamos de um pouco de gentileza extra para combater o estresse e a incerteza do coronavírus.

Cultive sua comunidade: a base da conexão é ter algo em comum. Seja qual for o seu interesse em um nicho, existe uma comunidade on-line de pessoas que compartilham sua paixão e mal podem esperar para ler sobre isso. Existem também grupos de apoio digital, como para novos pais ou pacientes com uma doença rara. Use essas redes para se envolver com o que mais importa para você.

Aprofundar ou ampliar: Fundamentalmente, existem duas maneiras de superar a solidão: nutrir seus relacionamentos existentes ou formar novos. Reflita sobre seu estado atual de saúde social e, em seguida, tome uma ação digital para aprofundá-lo – como entrar em contato com um amigo ou membro da família com quem você não fala há um tempo – ou para ampliá-lo – como chegar a alguém você gostaria de conhecer.

Use uma ferramenta: Cada vez mais, aplicativos e plataformas sociais estão sendo projetados para nos ajudar a otimizar nossas interações online com entes queridos. Se você se sair bem com a estrutura, esses recursos podem ser uma opção útil para você.

(Fonte: scientificamerican)
(Imagem: Eric Antunes)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here