Você já assistiu Netflix mais do que o normal? Ou talvez você tenha encontrado conforto em jogar, comer e dormir? Bem, talvez você esteja trabalhando muito mais do que costumava…. e, se for honesto consigo mesmo, muito mais do que você precisa.

Mais importante, você já se envolveu em algum desses comportamentos para evitar ter pensamentos e emoções difíceis? Em algumas ocasiões, eu digo que sim. Talvez você também.

É difícil admitir, especialmente para nós mesmos, que talvez não estejamos bem. E embora pareça (via mídia social) que o resto do mundo esteja indo muito bem, adquirindo novas habilidades e tentando coisas novas, é fácil sentir-se ainda pior quando parece ser o único sem um novo hobby. Mas as aparências podem enganar – e pode ser que o resto do mundo também esteja tentando evitar lidar com pensamentos e emoções difíceis – cozinhando, fazendo jardinagem e aprendendo novos idiomas.


Livro

Em nossa busca incessante pela felicidade, a sociedade nos treinou para tentar evitar emoções negativas.

Embora as emoções negativas não sejam necessariamente ruins (e às vezes podem até ser produtivas), nos convencemos de que a “vida boa” é composta exclusivamente de emoções como amor, felicidade, alegria e esperança.

Então, acabamos nos criticando por sentir raiva, ansiedade ou tristeza, o que geralmente gera emoções ainda mais negativas, como culpa e vergonha. Isso pode se tornar um ciclo vicioso. E enquanto a evasão a curto prazo pode ajudar, a evitação emocional a longo prazo pode ter um custo, como:

  • Uma maior probabilidade a ansiedade e depressão
  • Menor desempenho no trabalho
  • Menor qualidade de vida
  • Ruminação aumentada
  •  Comportamentos problemáticos, como abuso de substâncias

A verdade é que o bem-estar se baseia em se dar permissão para reconhecer e aceitar todas as emoções – até as mais difíceis. Em vez de tentar controlar, ignorar ou evitar a raiva, o medo, a vergonha ou (insira sua emoção de escolha), a aceitação consiste em abordar as emoções com um senso de curiosidade e abertura.

Em outras palavras, a aceitação é praticada observando suas emoções sem julgar a si mesmo por senti-las – e sem a necessidade de reagir a elas. É importante ressaltar que a ciência mostrou que a prática da aceitação está ligada a:

  • Sintomas reduzidos de depressão e ansiedade
  • Menos ruminação relacionada ao estressor
  • Pressão arterial mais baixa
  • Níveis reduzidos de cortisol
  • E enfrentamento mais resiliente

Embora existam muitas estratégias diferentes para gerenciar emoções difíceis, aqui está uma lista de situações específicas nas quais praticar a aceitação pode ser mais útil:

  • Quando emoções e / ou pensamentos continuam ressurgindo, apesar de suas tentativas de evitá-las
  • Quando você está se julgando por sentir uma certa emoção (ou seja, “É estúpido para mim ficar chateado com isso!”)
  • Quando você começa a se envolver em comportamentos insalubres de enfrentamento para se distrair de propósito
  • Ao enfrentar desafios de saúde induzidos pelo estresse .

Se você se encontrar em uma das situações acima, aqui está um processo simples de quatro etapas para ajudá-lo a praticar a aceitação – para que você Aja com intenção quando enfrentar desafios:

  1. Reconheça e aceite pensamentos e emoções desconfortáveis ​​- sem julgamento. Você pode fazer isso simplesmente dizendo para si mesmo: “Estou sentindo (insira emoção) agora”.

2. Considere o que você pode controlar na situação.

3. Faça várias respirações profundas e diafragmáticas (também conhecidas como respirações na barriga).

4. Tome uma ação intencional, baseada em valores, primeiro se perguntando: “Pelo que quero ser conhecido neste momento?” ou “Qual é a ação mais útil que posso tomar, com base no que posso controlar?”

Não há problema em não ficar bem, especialmente agora, é mais do que aceitável reconhecer e aceitar como você está se sentindo. Com a prática de aceitar emoções difíceis, você será capaz de responder aos desafios da vida com mais controle, clareza e propósito. Então talvez você possa ver Netflix, fazer jardinagem e beber sua taça de vinho para ter uma experiência de diversão e obter um meio de distração.

Referências

Catalino, LI, Arenander, J., Epel, E., & Puterman, E. (2017). A aceitação das características prediz menos emoções negativas diárias por meio de menos ruminações relacionadas ao estressor. Emotion, 17 (8), 1181-1186.

Ford, BQ, Lam, P., John, OP e Mauss, IB (2018). Os benefícios psicológicos para a saúde de aceitar emoções e pensamentos negativos: laboratório, diário e evidências longitudinais. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 115 (6), 1075-1092.

Kashdan, TB, Barrios, V., Forsyth, JP, & Steger, MF (2006). Evitação experiencial como vulnerabilidade psicológica generalizada: Comparações com estratégias de enfrentamento e regulação emocional. Behavior Research and Therapy, 44, 1301–1320.

(Fonte: psychologytoday)
(Imagem: Engin Akyurt)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here