Muitas pessoas enfrentam a quarentena sozinhas. As circunstâncias atuais chegaram inesperadamente e quase sem perceber, o COVID-19 congelou nossas vidas, nossas rotinas e tarefas.

Fazer isso em companhia, com sua família ou em casal torna o confinamento mais leve por meio de estímulos, com os laços do afeto diário e com o apoio que é tão reconfortante.

Em outras situações, podemos ser forçados a enfrentar esse período de incerteza no silêncio de nossa casa. Ou porque é assim que vivemos a maior parte do tempo, ou porque o trabalho nos obriga a fazê-lo, e ainda porque somos uma pessoa idosa.

Em qualquer desses casos, a situação muda muito e podemos ser mais sensíveis a fatores como ansiedade, estresse e todo o peso do isolamento.

As emoções e a própria mente podem atuar nesses contextos como debilitadores autênticos.

Poderíamos dizer que tudo é resolvido com uma conexão à Internet. Videochamadas, mensagens contínuas e interação com as redes sociais ajudam; sabemos até que nossos idosos também estão adquirindo habilidades nesse tipo de comunicação.

De fato, a tecnologia ajuda muito. No entanto, sejamos claros: não basta. Falta a presença física, que preenche e dá sentido àquele passar de horas. O que podemos fazer nessas circunstâncias?

Quarentena em solidão: rotinas (âncoras) e finalidades (velas)

Lidar sozinho com a quarentena é um fenômeno pouco estudado. Temos dados, no entanto, de confinamentos coletivos como o detalhado em um estudo muito recente do The Lancet do King’s College London. Ele analisou experiências semelhantes, como as experimentadas por várias cidades canadenses em 2003, como efeito do outro coronavírus, SARS.

Nesse caso, percebeu-se que, ao longo dos 10 dias, a população já experimentou sentimentos de estresse, maior medo de infecção, frustração, tédio, angústia pela falta de suprimento e medo de perder o emprego permanentemente. Todas essas análises foram baseadas em unidades familiares. Portanto, não temos dados sobre os efeitos que o confinamento solitário pode ter.

No entanto, poderia ter as mesmas consequências que passar várias horas em um tanque de isolamento sensorial . Não ver ou ter contato com alguém afeta seriamente o nosso cérebro. O efeito, é claro, seria muito mais difícil se não tivéssemos a tecnologia e nossos celulares ao nosso alcance para manter aqueles que estão longe.

A quarentena na solidão, portanto, precisa de dois elementos muito específicos para lidar adequadamente com ela. São os seguintes:

Âncoras para se agarrar à realidade imediata

Quando uma pessoa passa horas, dias e semanas em solidão, ela pode sofrer um efeito muito específico: dissociação . É uma falha muito comum do cérebro quando sofre de ansiedade. Basicamente, consiste em começar a ter a sensação de que o que está acontecendo não é real.

Já não se sente conectado ao corpo, ele se olha no espelho e sente apatia , desconexão com a pessoa que se reflete ali. A realidade diminui e tudo parece parar de ter significado.

Esse fenômeno se enquadra em um espectro, ou seja, há quem sofra de leve e outros extremamente. É necessário ancorar a mente para que ela não escape, para que não vagueie e se apegue ao aqui agora.

Rotinas são importantes nessas situações . Devemos manter um cronograma em que os horários sejam distribuídos para o trabalho ou algum tipo de tarefa ou responsabilidade, momentos de lazer, descanso e também para exercícios físicos.

Ter algo para fazer ajuda e conforta . Para lidar apenas com a quarentena, é ideal ter uma tarefa que leva algum tempo todos os dias, como a inscrição em um curso on-line.

Nesta necessidade de ter âncoras e coisas que nos focalizem no momento presente, o contato frequente com o nosso é uma prioridade.
Durante chamadas ou videochamadas, é muito apropriado lembrar momentos felizes compartilhados, histórias engraçadas, eventos que geram emoções positivas. Dessa maneira, a mente é confortada e recebe grandes doses de serotonina para se concentrar no que é importante.
Menina olhando para o celular em quarentena sozinha.

Velas para ter em mente meus objetivos para o futuro, minhas esperanças para o amanhã

Para enfrentar a quarentena sozinho, nosso cérebro precisa mais do que rotinas. Você também precisa de algo que vai além das mensagens de carinho, daqueles encontros com nossos entes queridos na tela do computador.

Quando encerramos uma chamada ou fechamos o celular, a sensação ainda está presente em muitos casos. E a mente pode sofrer, as emoções podem transbordar.

Nesses momentos, devemos lembrar de nossos propósitos vitais e dos objetivos que temos para o futuro. O COVID-19 vai passar. O número de infectados será reduzido e a situação será mais gerenciável.

Todos sairemos do confinamento de nossas casas e o mundo recomeçará. Nossos sonhos continuarão nos esperando, nossos objetivos devem nos dar motivação, esperança e confiança.

Você tem que abrir as velas da mente e olhar ocasionalmente para o horizonte e não apenas para o vidro frio da janela. Vamos levantar a cara um pouco mais e lembrar de nossos propósitos. A vida está em pausa agora, mas não vai demorar muito para nos pegar pela mão novamente, para que possamos alcançar nossos desejos. Tudo muda o tempo todo.

Enquanto isso, não vamos negligenciar o grupo mais vulnerável: nossos idosos.

(Fonte: lamenteesmaravillosa)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here