O ator Ricardo Darín deu uma entrevista ao jornalista Diego Leuco no programa We are great (TN), de sua casa, onde ele está isolado. Lá, ele afirmou que hoje em dia suas horas passam como as de quase todo mundo no país.

“Eu levo meus dias como posso, mas estou bem. Com paciência, o que há para ter. A incerteza é algo que preocupa a todos nós. Não quero ser pessimista, mas todos os dias experimentamos momentos de luto. Hoje morreram 14 pessoas ”, disse o artista.

O ator falou de um contexto que o deixa mais desconfortável: “Tenho uma grande preocupação no momento em que esse vírus chega aos subúrbios, a lugares onde as pessoas não estão bem preparadas, como algumas pessoas privilegiadas como eu ou alguns de nós”.

“Somos privilegiados. Porque o isolamento é um privilégio: se você pode ficar em casa e suportar esse tsunami, você é privilegiado, mas há muitas pessoas que não estão nessa posição “, acrescentou o diretor argentino.

Darín refletiu: “Esta é uma tragédia episódica. Isso me assusta, estou emocionado com a numerologia de tudo isso. Esquecemos que esse número tem nome e sobrenome, há uma família por trás, carinho “.

Com relação ao que está sendo vivido na Espanha, o ator disse: “Cada um tem que fazer o que pode com o que toca. Os espanhóis têm uma frase que eu peguei e é: ‘quando chove, todos nós ficamos molhados’. E hoje estamos todos molhados. Na Espanha, eles estão atordoados. Muitos estão afirmando que não reagiram com seriedade e pontualmente. Tenho muitos amigos por lá e estamos em constante contato. ”

No milhão de argentinos processados ​​por violar a quarentena, Darín não concordou:

“É difícil se colocar no lugar de outras pessoas. Certamente, uma parte terá razões que não estão contempladas nas regras que todos temos que cumprir, mas há situações muito delicadas e que a Justiça avaliará quando chegar a hora. Isso não significa que não haja imbecis. É muito difícil combater a pandemia de imbecis. O grande problema são aqueles que acreditam que são os mais fortes da Terra, algo muito típico de nós. É angustiante para a grande maioria que está cumprindo as regras de isolamento ver que há outros que não querem ou não podem. Com aqueles que não podem, eu gostaria, se não rompesse o isolamento com isso, ficar juntos para ouvi-los.”

(Fonte: https://www.diariouno.com.ar/)

Você sabia que o Fãs da Psicanálise também está no Instagram e no Facebook? Que tal fazer uma visitinha para nós por lá?

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here