Sob pressão, o melhor e o pior de cada um de nós podem aparecer. Quando estamos sob grande pressão, podemos ficar sobrecarregados pelo peso do estresse, mas também podemos nos superar e fazer o melhor possível.

No entanto, tendemos a pensar que a pressão é um tipo de catalisador para o verdadeiro “eu”. Pensamos que situações estressantes trazem à tona o que temos por dentro. Mas talvez não seja bem isso. ou pelo menos não em todas as circunstâncias.

Estar sob pressão pode ter o efeito oposto e nos fazer recorrer mais a respostas preconcebidas e socialmente aceitas.

Sob pressão, a máscara social é imposta ao “eu”

Temos uma “mente dividida”. Existe uma mente mais intuitiva e impulsiva e outra mais racional e autocontrolada. A mente intuitiva e impulsiva permaneceu “não contaminada”, protegendo nossos desejos, ilusões e impulsos não confessados. Enquanto a mente racional é fruto principalmente da modelagem social, é uma que assimilou normas e valores.

A mente racional deve “controlar” a mente impulsiva, pelo menos na maior parte do tempo. Esse sistema de controle geralmente segue caminhos neurais mais longos e mais complexos, por isso requer mais tempo.

É por isso que sempre tomamos como garantido que, quando pedimos às pessoas que respondam rapidamente e as pressionem, a mente racional não terá tempo suficiente para controlar a mente impulsiva e, portanto, o que elas realmente pensam que sairá.

No entanto, psicólogos da Universidade da Califórnia afirmam que “o método de responder rapidamente e sem pensar faz as pessoas […] mentirem e dizer o que você quer ouvir “. Isso significa que, na realidade, nosso “eu social” está permanentemente em guarda e exerce um controle mais rígido do que imaginávamos.

Sob pressão

Os pesquisadores recrutaram um grupo de 1.500 pessoas que tiveram que responder “sim” ou “não” a diferentes declarações, como: “Às vezes fico frustrado quando não consigo o que quero ” ou “ sempre sou bom ouvinte, não importa com quem eu esteja falando ”.

No entanto, algumas pessoas tiveram tempo suficiente para responder e outras as pressionaram a responder em menos de 11 segundos, para que não pudessem pensar muito.

Os psicólogos descobriram que as pessoas sob pressão, que tinham que responder rapidamente, costumavam fornecer respostas socialmente aceitáveis, enquanto as que tinham mais tempo para refletir costumavam fornecer respostas mais autênticas que refletiam quem realmente eram.

Em outras palavras, a pressão do tempo não traz à tona nosso “eu verdadeiro”, mas prevalece o desejo de nos mostrar sob uma luz mais lisonjeira, mesmo que implique deturpar quem realmente somos, sentimos ou pensamos.

Isso significa que nossas respostas automáticas não são ditadas pela mente intuitiva e impulsiva, como costumávamos pensar, mas pela construção social que assimilamos ao longo dos anos. E para obter respostas mais honestas, precisamos refletir e afrouxar o controle rígido para permitir que nossa essência venha à tona.

Portanto, se queremos nos conectar com alguém e realmente conhecê-lo, é melhor não pressioná-lo.

(Fonte Original: rinconpsicologia.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here