“A gentileza é a essência do ser humano. Quem não é suficientemente gentil, não é suficientemente humano.” – Joseph Joubert.

Ontem fui à feira com minha mãe. Chegando lá, pedimos 3 pasteis. Cada pastel custava R$5,00 reais, ou seja, gastamos R$15,00 reais.

Para acompanhar, pedimos um caldo de cana grande no valor de R$4,00 reais. Ao todo, nossa conta daria R$19 reais.

A senhora que nos atendeu, acabou nos cobrando apenas R$15,00 reais, esquecendo-se de cobrar o caldo de cana. Conforme eu e minha mãe fomos andando, notamos que o troco estava errado. Eu disse a ela que seria certo voltarmos para pagarmos o que consumimos. Imediatamente, ela concordou comigo. Voltamos à mesma banca e fizemos o que nosso coração nos pediu.

A senhora que nos atendeu, ficou muito surpresa com nossa ação, convenhamos, hoje em dia, é raríssimo encontrarmos pessoas que fariam o mesmo. Não generalizando, entretanto, sabemos que está ficando cada dia mais difícil encontrarmos pessoas que carregam em si honestidade.

Após entregar a ela os R$4,00 reais, me senti tão bem. Pode ser algo tão simples, mas, trouxe uma paz imensa para meu coração. R$4,00 reais pode parecer pouco, mas faz muita diferença na hora de fechar um caixa. Creio que aquela senhora trabalha para ajudar sua família, e seria cruel de minha parte, ir embora com aquele valor sabendo que consumi a mais.

Não mereço o Oscar por ter tomado essa decisão, contudo, me senti feliz ao saber que posso mudar o dia de alguém com o pequeno gesto. Ações do bem para com o próximo, além de arrancar um sorriso genuíno de quem as recebe, nos causa uma sensação de conforto inexplicável. Parece que o coração sente quando fazemos o bem, e como recompensa, sentimos a paz instalando-se dentro de nós em questão de segundos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Larissa Dias
Estudante de jornalismo, radialista por amor, escritora nas horas vagas. Adora dar boas risadas, costuma passar os domingos de pijama assistindo filmes e séries. Apesar de não curtir baladas, é incapaz de recusar uma rodinha de violão, e para pra cantar junto. Mesmo desafinada, garante que é simplicidade em pessoa. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here