É mais um ano que se inicia e alguns comportamentos perduram em nosso cotidiano. Digo isso porque sempre faço um balanço do ano que terminou e (re)vejo algumas atitudes que me marcaram ou até mesmo me incomodaram comigo mesma ou alheia. Hábitos que se repetem e, sem perceber, afetam não apenas a si mesmo, mas a todos à nossa volta.

Para ficar mais fácil, aí vai a listinha para reflexão e, tomara, uma renovação autêntica:

• Mais ação menos desculpas:
Sempre buscamos desculpas para não fazer algo ou nos apoiamos em outro(s) para justificar nossa inação. Com isso me refiro ao hábito de justificar mais e agir menos. Sabe aquela desculpinha (baseada em outras pessoas) que damos para nos esquivarmos de algo, então, é disso que estou falando. Podemos começar um novo ciclo mais sinceros conosco e, irremediavelmente, se estenderá aos outros.

• Menos “Vamos marcar algo”:
Confesso que usei muito esse jargão, mas também ouvi muito. E no final das contas é bem claro que dizer “vamos/precisamos marcar algo” de forma vazia é um jeito elegante de dizer “não quero te ver”. Quem realmente quer marcar algo coloca dia, hora e local, simples assim.

• Menos correntes no WhatsApp e mais “Oi, tudo bem?”:
Todo mundo tem aquele(a) amigo(a) e/ou familiar que adora mandar correntes pelo WhatsApp ou vive mandando piadinhas, mas dizer um “oi, você está bem?” aí não tem tempo. Então, que tal nos preocuparmos mais em saber se a outra pessoa está bem, desenvolver uma conversa amiga e mandar (de vez em quando) piadinhas e afins?

• Mais amor, por favor, menos julgamento:
Que tenhamos mais amor próprio, amor ao próximo, amor ao meio ambiente. E que a vida alheia não seja nosso prato principal… se fulano(a) gosta de beltrano(a) ou simplesmente optou por estar sozinho(a), é de responsabilidade dele(a). Já temos muitas preocupações conosco para querer palpitar na vida alheia, certo? Que possamos ter um olhar mais apreciativo com tudo e todos à nossa volta.

Enfatizo algo que já escrevi anteriormente, mudar não é fácil, exige vontade, determinação e muito amor. Mas, se queremos um ano diferente, precisamos fazer diferente.

Feliz 2018!

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Natalia Garrido
Bióloga e Microempresária. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

1 COMENTÁRIO

  1. Estamos precisando mesmo, eu até tendo mas o meio esta tão confuso ou viciado nesses comportamentos que te digo já desisti , estou é mesmo evitando esse meio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here