Incrível como as pessoas estão infelizes. A quantidade de gente deprimida é tanta que todos os dias pipocam textos bem interessantes sobre o tema. Não só textos, há muito estudo nessa área também. Estou falando de estudos sérios e não essas bobagens que publicam nas redes sociais.

Por falar nisso, as redes sociais são excelentes fontes de informação, mais do que isso, são ótimas para quem, como eu, gosta de observar o comportamento humano.

Há três tipos de pessoas nas redes, vamos usar aqui o Facebook como exemplo porque é o que mais uso. Ainda acho que aquilo não serve para nada, mas vamos em frente…

Há o tipo que só reclama da vida, o que só usa para trabalho, mesmo sendo uma rede social e não profissional e o terceiro tipo é aquele que é objeto desse texto: Os felizes.

Você aí já reparou o que tem de gente feliz no Facebook? Gente que come bem, frequenta os melhores lugares, viaja muito, está sempre rindo, só posta frases de autoajuda, diz que ama os animais, que adora os seres humanos, enfim, gente que nunca fica triste.

Pois bem, em minha opinião, gente que se esconde da verdade. Gente que foge da realidade. Ninguém, repito, ninguém é 100% feliz. Até acho legal você postar as coisas boas que te acontecem, mas só te acontecem coisas boas?

Aí entra a questão: Como podem as pessoas estarem cada vez mais infelizes se aparentemente suas vidas são lindas e cor de rosa? Pois é… não sei. E também não tenho nada com isso, apenas estou escrevendo sobre isso porque sou um intrometido. Nada além.

Minha dúvida, sim, quebro a cabeça pensando nisso, é saber de onde é que vem tanta infelicidade. O que é que está gerando isso?

Bem, quem me acompanha sabe que sou cheio de teorias. Para esse tema, tenho uma: Acho que é justamente essa falsa aparência que provoca esse excesso de infelicidade. Vou explicar.

Quanto mais a gente pensa ser uma coisa que não é, mais a gente se frustra, isso me parece óbvio demais. Vou além: Tentando se mostrar de um modo que não tem nada a ver com sua realidade, as pessoas vão entendendo que não são o que mostram, portanto, não são o que gostariam de ser, o que gera essa infelicidade toda. Sem falar dos que se mostram completamente fora do prumo de sua essência, mas isso pode ficar para outro texto.

Aí, incorporo o Marcelo Mello Coach e pergunto: O que essas pessoas infelizes estão efetivamente fazendo – ou fazendo efetivamente –, para que esse quadro seja alterado?

Sinceramente, não as vejo fazendo nada. Vejo alguns mais sinceros tentando se convencer de que precisam fazer algo, mas de efetivo mesmo, não fazem nada.

Eu sei muito bem – e como sei –, que um estado de tristeza profunda ou algo mais grave como uma depressão, nos tira toda a energia que precisamos para reagir. Mas, vejam bem, por que é que essas mesmas pessoas conseguem energia para tentar se enganar? De onde tiram forças para fazer com que os outros acreditem naquela aparente felicidade que elas demonstram?

Vamos pensar racionalmente: Se você tem força para fingir, não consegue canalizar essa energia para reagir?

Repito, eu não tenho nada a ver com isso. Mas como faço uso da empatia o  tempo todo, fico realmente chateado por ver tanta gente boa que poderia se ajudar, perdendo tempo em tentar enganar, supostamente, pessoas que são próximas, amigos… enfim, é isso, uma mentira que gera outra, que gera outra e assim por diante…

Até quando vão aguentar? Bem, isso aí só pode ser respondido pelos que vivem de aparência.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Marcelo Mello

Coach Pessoal e Empresarial, Consultor de Negócios, palestrante e escritor. É colunista do site Fãs da Psicanálise.



18 COMENTÁRIOS

  1. Fala Marcello, beleza?!
    Também tenho algumas teorias, umas já desbancadas outras que permanecem. O tema é interessantíssimo, estamos vivenciando uma geração de frustrados. Discordo apenas do fato de postar coisas boas, e eu pensei assim por muito tempo, por isso entendendo, mas o problema não é postar momentos alegres, e sim como as pessoas encaram os momentos bons de outras pessoas (forçados ou não) o que não pode é se alimentar de momentos ruins. Adicionaria então mais um motivo, o alcance da informação fácil. Porque digo isso, porque acabamos de lidar com realidades que não são as nossas, as pessoas seguem artistas,empresários,socialites etc… através das redes sociais e vivem aquilo, como se fosse acompanhar uma novela e aí quando se depara ao seu redor, seu quarto, sua Tv ultrapassada, seu carro popular se frustram. Eis a sociedade do ter, e não do ser! Aprende-se muito sobre varias matérias nas escola, faculdades, mas nada, eu disse nada em relação a controle emocional. Recapitulando então esta é a geração de Frustrados, a geração do Ter e Emocionalmente descontrolados. Um abraço.

    • Oi Wederson, tudo bem contigo? Espero que sim.
      Concordo com seu comentário, é uma geração bem problemática mesmo.
      Eu não quis fazer uma reflexão sobre postagens boas ou ruins, minha proposta foi que essas pessoas que só postam momentos bons, olhem um pouco mais para si. No sentido de analisar a incoerência entre viver mal, triste e postar coisas boas, aliás, como vc bem disse em seu comentário.
      Evidente que não é todo mundo que faz isso, mas quis fazer um alerta aos que fazem, me entende?
      De todo modo, meu amigo, é assunto que dá o que falar… rss
      Forte abraço e obrigado pelo seu comentário.

  2. Ja que falou do facebook, aqui vai a minha opiniao. As pessoa infelizes postam muitas coisas pela “industria do like“ que daria uma falsa felicidade.

  3. Pois é. Até quando? Muito interessante a questão de como elas canalizam suas energias em parecerem muito felizes ao invés de agir em prol de resultados positivos na vida. Com diz Paulo Vieira, PhD em Coaching: “Tem poder quem age.”

    • Oi Victor, tudo bem?
      Espero que, ao se encaixar no assunto, tenha em mente de que, se for do lado ruim, deve mudar sua postura. Se for do lado bom, deve prosseguir nesse caminho.
      Ainda voltarei ao tema, pode deixar.
      Abraços,

    • Oi Lucas,
      Entendo seu comentário, entretanto, leve em consideração que não podemos escrever um tratado sobre cada tema que abordamos. Infelizmente os posts não podem e nem devem ser demasiadamente longos.
      Se você achou superficial, talvez não tenha entendido que a proposta não foi e nunca será em dar as respostas e sim formular as peguntas para que o leitor faça sua reflexão.
      Se vc fez a sua e achou superficial, sinto muito não tê-lo agradado.
      Obrigado pelo seu comentário de qualquer forma.
      Abraços.

  4. Eh facil decifrar , eh vergonhoso , ser triste, deprimido , estar por baixo , desempregado , pobre , doente, infeliz ninguem vai postar suas amarguras , seus desgostos suas desgraças da vida ! Mesmo pq os amigos estao vendo ohhhh !! Bem , acho que nao precisava ser assim tbm , mais tanta falsidade realmente eh demais . Agora pq eh vergonhoso ser triste? Estar desempregado? …..pq significa que vc eh um perdedor !! Que vc nao eh o fodao ! E hoje todo mundo tem que ser o fodao ! O mais inteligente , o mais rico o mais bonito , o mais mais ..pelo amordedeus !! Vai le um livro! Soh Freud explica ! Abc

  5. Não acho que as pessoas que colocam só coisas felizes estejam se enganando, todos temos problemas, mas que só dizem respeito a nós mesmos, postar seus problemas só vai satisfazer a curiosidade alheia, a maioria das pessoas não estão nem aí com seu problema, a maioria sabe no fundo seus limites, o que precisa fazer, mas pra mim rede social não é lugar de falar sobre seus problemas, até porque são poucas as pessoas que no fundo vão te ajudar.

    • Concordo PLENAMENTE com você!
      Rede social não pode virar muro de lamentações….me poupe!
      Falo por mim: posto flores, frases legais, lugares bonitos que frequento e gosto, adoro fotos , então eu posto bastante fotos quando viajo. Mas sinceramente? Nunca foi tipo “ ostentação “, muito menos mentira ou fingimento….. realmente sou uma pessoa extrovertida, que gosta de escrever, tenho muito tempo livre e adoro ficar no Face, porque acredito no meu GRUPO! Simples assim. Não ponho em dúvida o que os amigos escrevem: nunca! Procuro ajudar as pessoas que precisam, quando minha ajuda for bem aceita- e geralmente é. Enfim, não vou ficar postando morte de parente distante, doença em família, nem mesmo minha, porque isso não ajuda nem interessa a ninguém – não é este meu objetivo, ao participar do Facebook – e acho que muuuuuitos amigos meus pensam e agem da mesma forma. Então vamos com calma , sem generalizar…..abraços fraternos

  6. Para refletir: não existe ninguém 100% feliz…? Talvez esteja confundindo felicidade com alegria. Felicidade é ser, alegria é estar. Existe sim pessoas 100% felizes que ficam triste, que se deprimem e ainda assim são gratas.
    Outra questão, se eu estou incomodada com o que as pessoas colocam no face…o problema é meu ou delas?
    Bem, na vida real, sem redes sociais, as pessoas saem por aí, contando suas frustrações, tristezas e decepções?
    Então, podemos pensar a respeito de nós mesmos…o que significa isso, que acho da vida alheia, já que a vida alheia não pertence á minha vida?!

  7. Será que a tristeza e frustração de muitos não seria ver a FELICIDADE exagerada de muitos no facebook? Se perguntando o tempo todo: Porque são tão felizes o tempo todo e eu não? Como conseguem viajar tanto e eu não? Como conseguem um relacionamento e eu não? Com são tão sociais e eu não? Na minha humilde opinião as redes sociais deprimem exageradamente as pessoas reais. Também não entendi até hoje a finalidade do facebook, embora tenho uma conta. Mas seu texto, Marcelo, me fez refletir sobre isso, bem como os comentários que li aqui…a industria dos Likes.. Acredito que o caminho seria a desintoxicação das redes sociais..

  8. A falsa espiritualidade e a filosofia do manual de auto-ajuda ” O ama-te a ti mesmo” em vez do “amai-vos uns aos outros” está a gerar uma onda de gente triste e algo frustrada . Felizes os “traidores” que na primeira oportunidade se vão trair a si mesmos e desatar a amar os outros. O cansaço chega depressa se só lutamos por nós.
    Se as redes sociais não forem correctamente geridas perdem o que têm de social e ficam só “redes”. Comentário humorístico sobre o facebook : «comecei a comportar-me na rua como faço no face: digo a toda a gente o que estou a fazer, interrompo conversas e até ao momento já tenho três seguidores: dois polícias e um psiquiatra.» Pois é, o face também pode ser um mundo de loucos. No contacto verdadeiro não nos comportamos assim. Razão tem o Papa Francisco ao exortar «jovens, partam os espelhos.» O mundo está à vossa espera e precisa de mudança. E Viver é actuar.

  9. Vivemos momentos desgastante em que todos buscam algo que satisfaça e preencha o vazio da existência, com a perca da auto imagem a cada dia, e em todos os lados há uma cobrança sem limites e uma perca da individualidade tanto na religião que busca a perfeição dos imperfeitos e do outro lado a sociedade cobra por status , pois a aceitação só pode acontecer tendo bens ou sendo caridoso e amoroso ao próximo e diante desta cobrança todos vivem a procura do reconhecimento e nesta solidão o melhor a fazer e compartilhar os melhores momentos ou lançar as agruras da existência para se manter conectado um ao outro mesmo que seja com a falsa imagem . E os curiosos ou invejosos que só observam, ignora , mas não sai de vez da rede social, que se achando melhor não se socializam nem numa rede social e fica alienado em criticar os que resolveram compartilhar aquilo que acreditam ser ou querem ser um dia!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here