A afirmativa é pesada, mas também verídica, pois mimar uma criança é sinal de insegurança.

Amar não é fazer tudo, comprar tudo, estar sempre a serviço. Amar é saber dizer NÃO. Você ama alguém quando define os seus limites e passa gradualmente eles para as pessoas ao redor.

Quando alguém fala ‘não’ duas vezes, já sabemos que essa é a linha que não poderemos ultrapassar e com as crianças é mais ou menos por aí.

Leia mais: Educação: culpa, amor e limites

Quando um “mini-adulto” não conhece a frustração dos nãos, as tristezas das vezes que não ganhou o que queria, você está preparando ele para a vida, para os empregos que ele poderá fracassar, para os namoros que não darão certo e, principalmente, para as ocasiões que nenhum ser humano pode controlar, as perdas familiares e íntimas.

A vida é uma sucessão de altos e baixos que devemos aprender a lidar. A questão é que se você não compreender isso, qualquer dor parecerá o fim do mundo.

Não mime uma criança com a desculpa de que você não está presente ou que ela lhe cobra isso. Faça-a entender, que não estar presente é natural e corriqueiro.

Leia mais: Infantolatria: as consequências de deixar a criança ser o centro da família

Parece difícil e muitas vezes anti-humano, mas é apenas até se tornar um hábito.

Não eduque as crianças para serem infelizes, eduquem-na para saber o valor da presença e a importância do tempo. Dessa forma além de direcionar as crianças para atitudes resilientes, conseguirá o que muitos sofrem enormes dificuldades, conquistar o respeito de um ser que poderá se tornar um exemplo de SER HUMANO.

Porque convenhamos, respeito é à base de qualquer bom caráter.

Compartilhar
Gabriel Capeletti
Professor por vocação, estudante de psicologia por paixão, morador da Serra gaúcha, amante de rimas intrigantes e do poder que cada palavra possui de tocar o coração de uma forma tão singular. É colunista do site Fãs da Psicanálise.




1 COMENTÁRIO

  1. Crianças mimadas, acham que tudo o que querem, os outros são obrigados a fornecer.E não é assim.Vejo que na minha infância, quando eu batia o pé e queria algo, simplesmente minha mãe olhava para mim, e dizia:Não!E eu tinha que entender.Então aprendi que nem tudo, é para nós, e nem tudo virá ao encontrar, pois somos limitados, tanto no poder aquisitivo, como também em muitas frescuras que aparecem no dia a dia, que dá para eliminar.Imaginem, se tudo o que quiséssemos , obteríamos.Acho que nem teria graça.Mas com luta, sabedoria e se faz necessário , aí é bem diferente.Mimar não é educar, e sim mostrar a realidade que quando crianças teremos ,que superar muitas perdas, e quando adultos também. Muitas conquistas, faremos, mas nem tudo é possível.,então vamos nos contentar com o essencial e não com o extraordinário. Vale a pena lutar.

DEIXE UMA RESPOSTA