Ultimamente vemos nos noticiários reportagens que enfatizam uma sociedade polarizada na qual partidários de direita estão contra os de esquerda, policiais e bandidos em confronto pesado, heterossexuais agredindo homossexuais, negros sendo mortos por brancos.

Essa “nova” realidade é mais antiga do que a invenção da roda. Em verdade, o que acontece hoje é reflexo do que sempre esteve “esquecido” ante uma falsa aparência de tolerância e aceitação.

Obviamente, a tecnologia mais desenvolvida e a comunicação virtual em tempo real fizeram com que muitas situações que antes estavam escondidas ou simplesmente pareciam distantes sejam e estejam mais presentes em nosso cotidiano.

Diante desta nossa realidade social global, um comportamento tem chamado a atenção: a falta de ponderação que o indivíduo apresenta quando o alheio não está de acordo com o que ele acredita ser correto e/ou admissível; isso em qualquer área, seja política, religião, time de futebol, sexualidade.

Leia mais: Como aceitar as diferenças?

Não escutar os argumentos do outro, não respeitar as diferenças de pensamentos baseados em vivências distintas, não aceitar que o outro tem escolhas, gostos e opiniões diferentes da nossa é fechar-se em uma bolha; atitude que vai contra o significado de sociedade civil.

Somos seres sociais e convivemos em grupo, estamos dispostos de maneira aglomerada para apreender e ensinar o e com o próximo.

Leia mais: Agora já sabemos porque somos diferentes

Respeitar as diferenças físicas, ideológicas, sexuais ou qualquer outra, é fundamental para o convívio harmonioso. Acima de tudo é enriquecedor e nos ajuda a construir nosso próprio pensamento. Não estamos fadados a nascer e morrer com um único ponto de vista.

Provavelmente o que era importante para você na época de sua adolescência, hoje já não é mais relevante.

Por isso, a transformação é constante e estar disposto a ouvir o outro, principalmente quando este apresenta-se com posicionamentos diferentes ao nosso, nos ajuda a compreender o seu universo individual e também o próprio.

Leia mais: A quem julgar meu caminho, empresto meus sapatos

Antes de repreender, agredir, exterminar ou qualquer outra coisa do tipo, façamos uma introspecção e vejamos se nós também não cometemos pequenos delitos ou desrespeitamos o outro durante nosso dia.

A tolerância e a ponderação devem ser equivalentes para você e para o outro. Como a física mesma já demonstrou com a Terceira Lei de Newton: “a toda ação corresponde uma reação de mesmo módulo, mesma direção e de sentidos opostos”, ou seja, todas as nossas atitudes hoje repercutirão no nosso amanhã.

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Natalia Garrido
Bióloga e Microempresária. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here