“Mãe, minha depressão é metamorfa. Um dia, é pequena como um vagalume na palma da mão de um urso. No seguinte, é o urso.”

É assim que a jovem Sabrina Benaim, de Toronto, no Canadá, tenta fazer a mãe entender como ela se sente nos “dias sombrios”, como chama quando tem crise de ansiedade e depressão, no poema “Explicando Minha Depressão Para Minha Mãe – Uma Conversa”.

O vídeo da performance, gravado no Slam Nacional de Poesia 2014, em Toronto, foi publicado em novembro de 2014 no canal do coletivo Button Poetry. Nele, Sabrina, que sempre conviveu com a depressão e a ansiedade, fala, com uma voz embargada, como a insônia, pensamentos sobre a morte e outros sintomas dos transtornos impedem que ela tenha uma vida “normal” e sair com os amigos.

Leia mais: Eu não controlo a minha ansiedade, aceite isso

“Claro, eu faço planos, mas não quero ir. Faço planos porque sei que deveria ter vontade de fazê-los”, fala.

No fim do relato, que já teve mais de 4,2 milhões de visualizações e foi legendado para outros idiomas, incluindo o português, Sabrina quase entra em desespero pois a mãe continua não compreendendo muito bem como os transtornos a paralisam.

Leia mais: Não só a tristeza indica depressão, a irritabilidade também

“Mãe, você não consegue ver que eu também não consigo entender?”

Assista, abaixo, ao emocionante vídeo de Sabrina Benaim.

(Fonte: estilo.uol.com.br)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA