Há uma correlação entre a procura de solidão (ou solitude) e criatividade.

Ingraham aponta para um artigo de Bowker et al., resultado de um estudo realizado com estudantes universitários, que defende que nem todas as formas de isolamento social são prejudiciais.

“Pessoas tímidas ou anti-sociais pontuaram inferior à média da medida de criatividade. Mas as pessoas que estavam “onsociáveis” – aquelas que procuraram a solidão – pontuaram mais alto na criatividade.

Pessoas insociáveis, em outras palavras, “podem ser capazes de gastar seu tempo em solidão de forma construtiva, ao contrário de indivíduos tímidos e esquivos que podem ser muito distraídos e / ou preocupados com suas cognições negativas e angústia”, os autores postulam.

Outra pesquisa – e de fato, as experiências de vida de muitas pessoas criativas famosas – volta-se à esta noção. O gênio solitário é algo familiar na sociedade ocidental. Pense em Thoreau em sua cabine, Van Gogh sozinho em um asilo e a retirada de Beethoven na solidão silenciosa.”

Pesquisas também descobriram (cf. Long and Averill) que as pessoas altamente inteligentes são mais felizes quando têm menos amigos. Elas podem gastar menos tempo socializando, porque estão focadas em algum outro objetivo a longo prazo.

(Fonte: psicoativo)

* Texto publicado com a autorização da administração do site.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here