Ao longo da história da saúde, o conhecimento específico foi sofisticado de tal maneira que hoje é relativamente fácil acessar as diretrizes que nos ajudam a manter uma vida com o maior bem-estar possível. No entanto, o fato de um profissional sugerir que devemos parar de fumar, indicar uma dieta específica para diabetes ou recomendar o desenvolvimento de atividades de acordo com nossos valores para combater a depressão, não basta se não gerar adesão ao tratamento e compromisso com a mudança.

Os usuários que comparecem à consulta psicológica compartilham um fenômeno: esperam mudar algo e não encontraram ferramentas suficientes para alcançá-lo por seus próprios meios (algo inerente à existência humana e que acontece a todos nós, em maior ou menor grau). Por sua vez, o fato de ir a uma consulta reflete um certo interesse em poder mudar e a esperança de alcançar esse objetivo. É aqui que a motivação entra em jogo.

Isso nos facilitará a resolver a ambivalência natural entre o desejo de mudar para uma vida mais alinhada aos valores pessoais e a inércia de manter comportamentos que geram algum desconforto (e prazer), evitando a parcela de sofrimento que implicaria modificá-los.

Miller e Rollnick foram os autores que tiveram o maior impacto na abordagem desse problema. Eles desenvolveram a Motivational Interview (EM), definindo-a como um estilo de conversa colaborativa que tenta reforçar a motivação e o compromisso das pessoas com a mudança. É um procedimento que consegue integrar-se em várias orientações terapêuticas, promovendo continuidade e adesão ao tratamento.

O EM propõe que o profissional adote um “estilo orientador”, sendo este um ponto intermediário entre uma posição gerencial (limitada a fornecer indicações verticalistas do papel de especialista, assumindo que o usuário simplesmente cumpra o conhecimento profissional em que está protegido) e uma posição de acompanhante (resultando em um espectador bastante passivo da mudança de assunto). Note-se que a EM não é um procedimento para “instalar” a motivação em alguém que não tem interesse em modificar seu comportamento. Pelo contrário, tenta evocar de maneira mais clara e direcionada os motivos que o sujeito deveria mudar.

Existem quatro processos principais que compõem o EM, que serão abordados nas seções a seguir. Preliminarmente mencionarei que o diálogo motivacional se concentra no vínculo com o usuário, fortalecendo o relacionamento terapêutico, focando na delimitação e manutenção de uma direção específica na conversa, evocando a motivação para a mudança e planejando as ações específicas para alcançá-la.

Link

O primeiro processo da EM é vincular e estabelecer adesão ao tratamento dentro de um relacionamento terapêutico colaborativo. O link é considerado o grau em que o usuário se sente confortável e sente um participante ativo no processo terapêutico. É sugerida uma relação bidirecional na qual reina a confiança, permitindo que o usuário seja participante do diagnóstico e do planejamento do tratamento.

O terapeuta recorrerá ao uso de várias habilidades de comunicação que continuarão ao longo do processo, como: perguntas abertas (convidando a reflexão e a elaboração de respostas), afirmações (reconhecendo e comentando explicitamente os recursos, habilidades, boas intenções e esforços do usuário), refletir (parafrasear o que obtemos do discurso do usuário para que ele possa nos dizer se entendemos o que ele queria dizer), resumir (compilar no final da sessão tudo o que foi dito e incluir material das sessões anteriores), informar e aconselhar (com consentimento prévio e ajudando o usuário a tirar suas próprias conclusões).

Por sua vez, uma escuta reflexiva será necessária para transmitir ao paciente um interesse sincero por sua condição, envolvendo-se mais em sua fala do que em questões burocráticas ou protocolares da sessão.

Foco

Esse segundo processo se concentrará em esclarecer as metas do consultor, ajudando-o a descobrir “sim, por que, como e quando mudar”. Ele procurará fornecer um foco a ser abordado, estabelecendo um consenso acordado sobre a própria consulta. Para esse fim, será útil usar a meta-conversação para concordar com a agenda a ser abordada em sessão, facilitando a resolução de obstáculos.

O processo de focalização orienta a direção do tratamento quando os objetivos parecem difusos (fato muito comum em situações em que há ambivalência diante da mudança). Deve-se mencionar que está dentro dos princípios éticos utilizados pelo EM para não influenciar a decisão do consultor. Além disso, se considerar pertinente fornecer informações ou conselhos, o terapeuta deve solicitar permissão antes de fornecê-los, garantindo que o usuário deseje receber sua opinião sobre a direção da mudança.

Em suma, uma das dificuldades mais frequentes diante da mudança é a falta de um objetivo e direção claros. O terapeuta deve fornecer ao usuário a possibilidade de formular com mais clareza o objetivo a que se destina, para o qual deve ter em mente seus valores e o que é uma “vida valiosa” para si.

Evocar

Esse terceiro processo se concentra na resolução da ambivalência diante da mudança, evocando e reforçando a motivação para realizá-la. O terapeuta deve reconhecer e aprimorar o discurso da mudança, bem como combater o discurso da permanência e desacordos na aliança terapêutica.

A ambivalência é considerada a presença simultânea de motivações contraditórias que combinam o discurso da mudança com o da manutenção. Para superá-lo, o terapeuta recorrerá a várias estratégias, tais como: perguntas abertas que levantam o discurso da mudança; criar confiança de que a modificação do comportamento é possível; desenvolver saldos de decisão (explique os motivos da mudança e manutenção), entre outros. A importância desse processo está no fato de gerar discrepância entre os valores do usuário e a situação em que ele está atualmente. Essa dissonância deve ser dada em sua medida adequada, pois precisará ser grande o suficiente para gerar motivação, mas sem desmoralizar.

Planejar

Finalmente, este quarto processo do EM busca passar da intenção geral para um plano de ação específico e o compromisso de realizá-lo (para isso, o compromisso público, o apoio social e o auto registro são úteis). Essa é a manifestação específica e verbalizada das ações que a pessoa está disposta a realizar para mudar.

A urgência de planejar a mudança não será útil se ainda não houver um bom vínculo terapêutico, direção ou motivação necessária para realizá-la. É por isso que isso não é considerado um “último passo” do processo, mas deve ser retornado aos anteriores quantas vezes forem necessárias.

Sem planejar, é possível que o usuário busque aliviar o desconforto imediato enquanto mantém seu comportamento. O planejamento nos permite acomodar a motivação para uma mudança específica na vida particular do usuário, antecipando vantagens e obstáculos que possam vir a enfrentar. Trata-se de gerenciar a melhor maneira pela qual um sujeito pode realizar uma mudança em sua vida.

Por que eu deveria treinar no uso da entrevista motivacional?

Gostaria de concluir este artigo mencionando a utilidade de ferramentas para motivar a mudança de pessoas para profissionais de várias áreas.

É uma proposta organizadora de diálogo que pode ser aplicada em vários campos e abordagens teóricas. Sua implementação, longe de interferir em outros protocolos ou linhas de abordagem, é perfeitamente aplicável como um complemento que enriquece o vínculo, a direção, a motivação e a mudança em particular.

O EM fornece diretrizes para o diálogo que facilitam a vida das pessoas de acordo com seus valores e objetivos, sendo o esclarecimento um excelente mecanismo de motivação. Além disso, sua perspectiva humanista promove um relacionamento colaborativo de aceitação, compaixão e evocação.

Em resumo, não importa em que campo você trabalhe, ou a partir de qual estrutura teórica você se posicione, desde que seu norte seja para ajudar alguém a gerar mudanças, a EM será muito útil.

Referências bibliográficas:

Bóveda Fontán, J., Perula De Torres, L. Á., Campiñez Navarro, M., Bosch Fontcuberta, JM, Barragán Brun, N. & Prados Castillejo, JA (2013). Evidência atual da entrevista motivacional na abordagem de problemas de saúde na atenção primária. Atenção Primária, 45 (9), 486-495.

Lizarraga, SD, & Ayarra, M. (2001). Entrevista motivacional Anais do sistema de saúde de Navarra. 24, 43-53.

Os dados foram analisados por meio de questionários e entrevistas com os participantes. Uma meta-análise do processo de entrevistas motivacionais: modelos de mudança técnica, relacional e condicional. Jornal de consultoria e psicologia clínica, 86 (2), 140.

Miller, WR e Rollnick, S. (2015). A entrevista motivacional: ajudando as pessoas a mudar. Grupo Planeta (GBS).

(Fonte Original: psyciencia.com)

(Imagem: Marcelo Chagas)

*Texto traduzido e adaptado por Naná cml com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here