Existe certa dificuldade de se aceitarem as chamadas “doenças da alma”, uma vez que seus sintomas muitas vezes não são visíveis fisicamente.

Estamos tão acostumados a enxergar apenas o que pode ser visto, que tudo aquilo que os olhos não veem cerca-se de hesitações. Materialistas que somos, amantes das aparências, tendemos a neutralizar o que requer profundidade e sentimento.

Nesse contexto, pode-se dizer que há um certo preconceito em relação a estados de espírito, pois, caso não existam sintomas visíveis, a doença existe como?

E é assim que muitas pessoas reagem mal ao se depararem com doenças e/ou transtornos mentais, não os aceitando, inclusive desdenhando de quem padece desses males. Afinal, vendo a pessoa, ali na frente, sem manchas pelo corpo, sem febre, aparentemente normal, a muitos não ocorre perceber que há um mundo dentro de cada um de nós.

Possivelmente, somente quem já passou por um quadro depressivo ou viu algum familiar assim pode dimensionar a dor que isso traz, tanto para quem sofre como para quem ama e convive com ele, da mesma forma ocorrendo com transtorno ansiedade generalizada e bipolaridade.

Todos os envolvidos acabam atingidos de alguma forma, porque as cicatrizes são invisíveis e o pedido de socorro vem do fundo do olhar.

Se atentarmos para as características da sociedade de hoje, perceberemos que há um terreno propício para que o emocional se abale, haja vista a pouca importância dada ao que vem de dentro de cada um.

A supervalorização das superficialidades, a superexposição de conquistas materiais, a busca desenfreada pela fama virtual, entre outros, caracterizam uma sociedade descuidada com o que os sentimentos possam dizer e, portanto, claramente suscetível a padecer de doenças emocionais.

A depressão é escuridão. A ansiedade é desespero. A bipolaridade é insegurança. E vice-versa. Enquanto os sentimentos não forem valorizados pela sociedade, as doenças da alma dificilmente serão encaradas socialmente com a urgência que se requer, como realmente deveria ser.

Se o essencial é invisível aos olhos, as escuridões dolorosas de uma alma que sofre também o são. Entender isso é o mínimo a se fazer. Com urgência.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Prof. Marcel Camargo
Graduado em Letras e Mestre em "História, Filosofia e Educação" pela Unicamp/SP, atua como Supervisor de Ensino e como Professor Universitário e de Educação Básica. É apaixonado por leituras, filmes, músicas, chocolate e pela família. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

24 COMENTÁRIOS

  1. Convivo com uma pessoa que muda de humor constantemente, acho que é bipolar! A busca incansável por ter dinheiro o faz ser ansioso e se sente bem em maltratar quem está perto! É grosseiro, estupido, ignorante na maioria das vezes e outras quando está com dinheiro aparentemente fica mais calmo trata um pouco melhor as pessoas. TD vai ruim antes, mas quando está com o que ele mais gosta, melhora!!
    Se sente feliz em maltratar a pessoa do lado e põe nela toda a culpa da sua incapacidade! O que fazer? Se essa pessoa acha que não tem nada, não precisa de ajuda? Como se chama isso? E como tratar? Se a pessoa o deixar sozinho melhora???

  2. Patrícia Moraes É muito difícil quando a pessoa não se reconhece como bipolar e não acredita que precisa de ajuda. Experiência própria: A alternativa mais saudável pra nossa saúde mental, é cair fora, o mais rápido possível. Não há nada que possa ser feito pelo outro, só por vc mesma!

  3. Meu filho tem( toc),e ansiedade e é bipolar então não e fácil, tem horas que ele ta bem, tem horas que nao. Ele faz tratamento co psicologia e psiquiatra e faz uso de medicamentos. E meu marido tem esquizofrenia, só sei que e uma luta mas não me desanimo vou enfrente.

    • Parabéns por continuar cuidando deles. O mais importante é a pessoa aceitar a doença e se tratar. E eles estão com a vantagem de poder contar com você. Um dia de cada vez … Siga em frente e se cuide bem.

  4. Sou depressiva, ansiosa e bipolar, mesmo estando com dinheiro não sinto muita alegria, tenho meus momentos, acabo magoando as pessoas e de uma hora p outra já estou com aspecto melhor, com tudo fico irritada ate mesmo uma brincadeirinha simples, mais depois fico triste por ter feito isso.

  5. Boa tarde! É preciso compreender que transtorno de humor, seja bipolaridade, seja depressão, seja ansiedade ou pânico não são escolhas do paciente, tampouco frescura! Sim, pode ser insuportável conviver com alguém assim, principalmente se a pessoa não aceita que tem um problema e não procura ajuda. Indico manter-se presente dos que decidem se tratar. A bipolaridade por exemplo é ausência ou baixa produção de litium. Tão simples e tão cruel. 20 minutos de exercício e qq ser humano começa liberar endorfina, sensação de prazer, o bipolar não, demora até 2 horas p iniciar a mesma produção em baixa escala. Portanto, boa conversa e busca de soluções médicas, medicação, esporte e até espiritualidade ajudam mto, mas o doente tem que querer, senão se torna um peso e adoece aos que estão a seu redor. Mas frescura não existe, existe é mto sofrimento! E sim, alguns bipolares clássicos compram, compram, compram, gastam o q não tem em busca de uma sensação de alegria…é uma droga!
    Tomo 100mg de lamotrigina td manhã, caminho e corro diariamente e sou feliz à beça!!!

  6. É muito difícil ter depressão.O que ajuda muito além do psiquiatra e o psicólogo é ter a família presente.Parece que quando vem a crise eu me anulo, fico sem vontade de fazer qualquer coisa.

  7. Eu vive tudo isso, menos bipolaridade, fui ao fundo do poço com 33 quilos, entrei em coma por 45 dias, duas paradas-cardiorrespiratórias sei bem o que é ter ansiedade generalizada. Era cobrada demais onde trabalhava, o estresse era demais, sob pressão dia e noite e as vezes na madrugada. Já não saia mais de casa, me afundei no cigarro como forma de aliviar, estava totalmente errada. Meus olhos gritavam por socorro, apenas minha mãe sabia, meus amigos achavam que era frescura, todos, foram se afastando, apenas 1 amigo ficou ao meu lado. Mas eu também não queria conversar. Enfim, que tem algum transtorno digo, procurem ajuda antes de ser trade demais coo no meu caso. Hoje sou portadora e Efizema Pulmonar( DPOC ) e vivo com oxigênio, não tem cura esta doença. Breve relato de 1 ano, fiquei 10 anos sem sair de casa. trabalhando de casa. Parabéns pela matéria.

  8. Sofro de depressão há muito tempo, eu me excluo da sociedade pois, já ouvi de tudo até que é falta de Deus na minha vida. Hoje ea mais de um mês tenho tido crise de choro, uma tristeza profunda . Ficarei afastada do meu trabalho por 60 dias por estar emocionalmente descontrolada e com a diabetes desregulada. Pensam que estou feliz? Não, não estou pois tudo que gosto de fazer e que me dava um pouco de alegria está suspenso. Sou professora e monitora de um autista que por quase 2 anos me deu alegria e pé no chão. Mas no momento estamos longe um do outro, por questão do meu emocional. Está doendo muito!!

  9. Fui diagnosticada com transtorno de ansiedade,minha mente não para… só penso que vou morrer ,sinto dores no peito , coração acelerado,falta de ar tonturas e fadiga ,estou só ! meu marido brinca dizendo que estou “louquinha tarja preta” dá risada da situação e me manda esquecer essas coisas ( como se fosse tão simples apenas esquecer ),ele diz que não tenho nada desacredita a todo momento ,sinto que minha doença é culpa dele,ele nunca me ajudou em nada me sinto sobrecarregada com meus filhos ,dependo do SUS então estou fazendo exames para confirmar que realmente estou com essa doença (mental ) e não com uma doença física,como angina que é uma suspeita! ou pressão alta ,que a médica do posto disse que também deixa a pessoa com mal estar e por aí vai … estão tentando achar uma doença física para me dar um diagnóstico ,para só então quando não acharem nada me mandar passar com o psiquiatra e isso já se arrasta desde setembro de 2018 e até hoje não consegui passar com o psiquiatra mesmo tendo o diagnóstico e guias de encaminhamento de três médicos clínicos onde passei no PS ,cheguei em crise (sentindo a morte ) e nada se resolve e isso só me deixa aínda mais nervosa , extressada,mais tenho conversado muito com Deus e tentado focar em outras coisas . Essa angústia que sinto é péssimo e desejo sorte para quem sofre dessas doenças também ! Vamos ter fé que tudo será resolvido e teremos dias melhores com fé em Deus!

  10. Tenho tido dias difíceis, as vzs perco as forças, penso em entregar os pontos, me pergunto onde errei como mãe? Minha filha sofre, tem crises de ansiedade e tá sempre dizendo que se sente insuficiente pra nós, dou carinho, atenção… mas nada basta! Me sinto incapaz, tento ajudar no que posso, mas casa dia está mais difícil… já levei em psiquiatra, ela já tomou medicamento, mas se nega em fazer terapia, não aceita… eu não sei mais o que fazer?! Estou perdendo as forças!!!

  11. É uma luta constante devemos aplicar disciplina e consistência e nunca desistir,tudo e fase nada fica do jeito que está ,temos que confiar nas verdades de deus e não nas mentiras do inimigo tudo vai dá certo…vamos ficar perto de realizadores de sonhos e não destruidores de sonho,porque em volta disso envolve motivação, bem estar ,prosperidade,alto estima,crescer na vida etc…..vamos em frente com Deus amigos a vida só se vive uma vez ,vamos lutar pra viver feliz ..ficam com Deus a todos …..

  12. Que lindo este blog! E os comentários, que desnudam a alma, onde as pessoas se mostram por inteiro, algumas relatando seu lado mais negro, mais sofrido…! Em contra-partida, quanta ajuda, palavras lindas de força e de solidariedade vemos aqui. Gostei muito! Deus os abençoe!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here