A maneira como você gasta seu dinheiro pode revelar aspectos de sua personalidade, de acordo com uma pesquisa que analisou mais de 2 milhões de registros de despesas para mais de 2 mil pessoas.

De acordo com este estudo, quando as pessoas gastam dinheiro em determinadas categorias, isso pode ser usado para inferir certos traços de personalidade, como quão materialistas eles são ou quanto autocontrole eles provavelmente têm (Gladstone, Matz & Lemaire, 2019).

Todos gastamos dinheiro em bens essenciais, como comida e moradia, para atender às necessidades básicas, mas também gastamos dinheiro de uma maneira que reflete aspectos de quem somos como indivíduos. Gladstone e seus colegas da Universidade de Londres e da Columbia Business School perguntaram se a variedade de hábitos de consumo das pessoas poderia ser correlacionada com outras diferenças individuais.

“Agora que a maioria das pessoas gasta seu dinheiro eletronicamente, com bilhões de cartões de pagamento em circulação em todo o mundo, podemos estudar esses padrões de gastos em uma escala como nunca antes”, disse Gladstone.

Em colaboração com um aplicativo de gerenciamento de dinheiro baseado no Reino Unido, os pesquisadores receberam consentimento e coletaram dados de mais de 2 mil correntistas, resultando em um total de 2 milhões de registros de despesas de cartão de crédito e transações bancárias.

Os titulares de contas também completaram uma breve pesquisa de personalidade que incluía perguntas que medem o materialismo, autocontrole e traços de personalidade dos “Big Five” (abertura à experiência, conscientização, extroversão, gentileza e neuroticismo).
Os dados de despesas dos participantes foram organizados em categorias amplas, incluindo supermercados, lojas de móveis, apólices de seguro, lojas de varejo on-line e cafeterias. Os pesquisadores usaram uma técnica de aprendizado de máquina para analisar se o gasto relativo dos participantes nas categorias era preditivo de características específicas.

Em geral, as correlações entre as previsões do modelo e os escores dos traços de personalidade dos participantes foram modestas. No entanto, a precisão preditiva variou consideravelmente entre diferentes características, com previsões mais precisas para características estreitas (materialismo e autocontrole) do que para características mais amplas (as Cinco Grandes).

Ao observar correlações específicas entre categorias de despesas, os pesquisadores descobriram que as pessoas mais abertas a experiências tendiam a gastar mais em viagens, aquelas que eram mais extrovertidas tendiam a fazer mais compras para comer e beber, aquelas que eram mais amigáveis doavam mais para caridade, aqueles que estavam mais conscientes gastaram mais dinheiro em poupança e aqueles que eram mais materialistas gastaram mais em joias e menos em doações.

Os pesquisadores também descobriram que aqueles que relataram maior autocontrole gastaram menos com cobranças bancárias e aqueles com maior pontuação em neuroticismo gastaram menos em pagamentos de hipotecas.

“Não importava se uma pessoa era mais velha ou mais nova, ou se tinha um salário alto ou baixo, nossas previsões eram amplamente consistentes”, diz Matz, co-autor do estudo. “A única exceção é que as pessoas que moravam em áreas muito desfavorecidas eram mais difíceis de prever. Uma possível explicação poderia ser que as áreas menos favorecidas oferecem menos oportunidades de gastar dinheiro de maneira a refletir as preferências psicológicas. ”

Visto no contexto de pesquisas anteriores que tentaram usar o comportamento on-line para prever a personalidade, esses resultados sugerem que as previsões de personalidade baseadas nos gastos são menos precisas que as previsões do tipo Facebook ou atualizações de status. Eles oferecem uma reflexão mais direta das preferências e de identidades.
Os resultados têm aplicações claras nos setores de serviços bancários e financeiros, o que também gera potenciais desafios éticos.

Por exemplo, as empresas de serviços financeiros podem usar previsões de personalidade para identificar indivíduos com certas características, como baixo autocontrole, e depois abordar esses indivíduos em vários domínios, da publicidade on-line ao correio direto.
“Isso significa que, à medida que as previsões de personalidade se tornam mais precisas e onipresentes, e à medida que o comportamento é registrado digitalmente em uma escala crescente, é urgente que os formuladores de políticas garantam que as pessoas (e sociedades) estão protegidas contra o possível abuso de tais tecnologias”, apontam os pesquisadores.

Referência bibliográfica:
Gladstone, JJ, Matz, SC, & Lemaire, A. (2019). Traços psicológicos podem ser inferidos dos gastos? Evidência dos dados da transação. Psychological Science , 30 (7), 1087-1096. https://doi.org/ 10.1177 / 0956797619849435

(Fonte Original: psyciencia.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

(Imagem: Bruce Mars)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here