“Não esconda a cabeça como o avestruz”, costumamos dizer àqueles que tentam escapar dos problemas, evitando-os. Embora não seja verdade que os avestruzes escondam a cabeça na terra diante do perigo, esse mito foi tão fortemente estabelecido na imaginação popular que serviu até para batizar um viés cognitivo que todos sofremos de tempos em tempos: o Efeito Avestruz.

Qual é o efeito de avestruz?

O Efeito Avestruz é um viés cognitivo que implica a tendência a evitar toda a informação negativa que classificamos, mais ou menos conscientemente, como “perigosa”. É um mecanismo de atenção seletiva à informação, através do qual evitamos aquilo que tem conotações negativas para nós. Na prática, seria ignorar as situações de risco ou seus sinais, fingindo que eles não existem.

O termo foi criado pelos pesquisadores Dan Galai e Orly Sade, que monitoraram o comportamento dos investidores no mercado de ações e observaram que eles tendiam a revisar indicadores econômicos quando o mercado de ações ia bem, mas quando ficava ruim monitoravam menos os dados. Eles também descobriram que esse fenômeno é exacerbado quando tomamos uma decisão que contém um alto nível de incerteza.

Obviamente, o Efeito Avestruz não se aplica apenas aos investidores. Um estudo no Reino Unido revelou que apenas 10% das pessoas que se preocupam com suas finanças as monitoram – e fazem isso apenas uma vez por mês. Os 90% restantes nem mesmo revisam suas contas, o que os impede de tomar medidas para melhorar sua economia.

O Efeito de Avestruz não é relegado ao plano econômico, mas se estende a praticamente todas as esferas de nossas vidas diárias. Outro estudo realizado na Universidade de Minnesota, por exemplo, revelou que 20% das pessoas que se inscreveram em um programa de perda de peso nunca se pesaram, indicando que evitaram os sinais confirmatórios do problema.

Para entender esse fenômeno não precisamos nem recorrer a estudos científicos, há momentos difíceis na vida em que só queremos colocar nossa cabeça em um buraco oco para “desaparecer” e esperar que tudo seja resolvido. Gostamos de imaginar que nada está acontecendo e que os problemas vão se resolver. É uma fantasia que, de certa forma, nos acalma e conforta. Pior de tudo, em muitas ocasiões, não estamos plenamente conscientes de que estamos escondendo nossas cabeças na areia.

Quando agimos como o avestruz?

Existem diferentes situações que podem nos levar a sermos vítimas do Efeito de Avestruz:

1. Quando nos perdemos. Às vezes, quando perdemos nosso rumo na vida, a desorientação e a incerteza podem ser tão grandes que preferimos não saber onde estamos. Evitamos refletir sobre como chegamos lá e onde devemos seguir nossos

passos. Assim, abandonamos o controle da nossa vida, deixamos as decisões inteiramente nas mãos das circunstâncias.

2. Quando temos que lidar com situações negativas desagradáveis. Há circunstâncias que têm um impacto tão emocional que chegamos a percebê-las como um perigo para o nosso “eu”. Nesses casos, muitas vezes é tentador esconder a cabeça no chão e fingir que nada está acontecendo.

3. Quando não temos recursos psicológicos para lidar com problemas. Às vezes, há situações que nos sobrecarregam psicologicamente. Quando não temos as ferramentas psicológicas necessárias, não temos confiança suficiente em nós mesmos ou não desenvolvemos resiliência, preferimos ignorar o problema e imaginar que está tudo bem.

Por que preferimos ignorar alguns problemas em vez de enfrentá-los?

Somos vítimas do Efeito Avestruz, porque o problema que devemos enfrentar representa uma incongruência com nossas atitudes, expectativas e / ou crenças. Como evitamos a dissonância cognitiva e preferimos manter uma imagem positiva de nós mesmos. Se esse problema nos forçar a repensar alguns de nossos aspectos e nos levar a reconhecer que estávamos errados, poderíamos preferir evitá-lo.

As pessoas que sofrem o Efeito Avestruz recebem informações relevantes, mas intencionalmente decidem não avaliar suas implicações, rejeitando esses dados. Em outras palavras: evitamos ou até negamos informações quando nos obriga a confrontar e internalizar as decepções que preferiríamos evitar.

Em qualquer caso, o Efeito Avestruz é um mecanismo psicológico que ativamos para tentar escapar dos sentimentos negativos associados a esse problema ou conflito. Se ignorarmos o problema e evitarmos pensar em suas implicações, também evitaremos os sentimentos negativos que normalmente gera. É um tipo de escudo psicológico, embora isso não signifique que seja uma estratégia adaptativa.

Ignorando os problemas, fingindo que eles não existem, não os resolverá.

Pelo contrário, o Efeito Avestruz pode gerar sérias consequências em nossas vidas:

· Tomar decisões piores: Ao não aceitar a existência do problema, não coletaremos ativamente informações que nos permitam avaliar todas as opções e tomar a melhor decisão possível. Como resultado, é provável que as circunstâncias decidam em nosso lugar ou somos forçados a decidir quando estamos contra a parede. E quando estamos sem saídas, é difícil tomar boas decisões.

· Infelicidade permanente: Ignorar é um ato consciente, o que significa que esse problema ou conflito, mesmo se fingirmos que não existe, ainda está ativo em algum lugar em nossa mente, gerando tensão, incerteza e, claro, infelicidade.

· Efeito bola de neve: Uma das consequências mais terríveis do Efeito Avestruz é que ele pode se tornar uma bola de neve que cresce ao descer a montanha, arrastando tudo o que encontra em seu caminho. Uma pessoa que não se submete a um exame médico importante porque tem medo de que ele lhe dê um mau resultado acabará piorando sua situação. Fugir dos problemas geralmente só os agrava.

· Impossibilidade de alcançar os objetivos: Um estudo realizado na Finlândia revelou que pessoas que consideram poupar energia, mas não supervisionam o consumo de eletricidade de sua casa, não são capazes de agir para reduzir seu consumo. Da mesma forma, uma pessoa que ignora conflitos não será capaz de determinar com precisão os problemas e, portanto, perderá oportunidades de resolvê-los enquanto ainda estiver na hora. Se ignorarmos um problema, não seremos capazes de analisar objetivamente a situação em que nos encontramos e, portanto, será muito mais difícil alcançarmos nossos objetivos. Na verdade, a probabilidade de se desviar de nossos objetivos e envolver-se em atividades irrelevantes aumenta.

Como evitar o efeito de avestruz?

Em “Vidas paralelas”, Plutarco escreveu: ” O primeiro mensageiro que deu a notícia da chegada de Luculo estava tão longe de agradar a Tigranes que este cortou sua cabeça por suas dores; e sem que nenhum homem ousasse levar mais informação, e sem qualquer inteligência, Tigranes sentou-se à medida que a guerra crescia ao redor dele, dando ouvidos apenas àqueles que o lisonjeavam .”

Estar ciente de que esconder a cabeça para negar a realidade não é um mecanismo de enfrentamento adaptativo é o primeiro passo para evitar o Efeito Avestruz. Precisamos entender que, não importa o quanto tentemos esconder a realidade, isso não mudará, simplesmente porque não há esconderijo grande o suficiente. A verdade não muda de acordo com nossa capacidade de gerenciá-lo. A única maneira de eliminar problemas é aceitá-los e superá-los.

Em alguns casos, quando estamos muito envolvidos emocionalmente e a situação nos assusta, pode ser conveniente pedir a ajuda de um psicanalista, uma pessoa que possa avaliar a situação de maneira mais objetiva e nos dizer se estamos realmente evitando o problema. Então precisamos aplicar a aceitação dos fatos. Somente quando aceitarmos o que acontece, estaremos prontos para enfrentar o problema.

Não há dúvida de que tirar a cabeça do buraco pode ser assustador, mas enfrentar os problemas nos permitirá restaurar a paz interior. Além disso, se aproveitarmos essa experiência “negativa”, seremos fortalecidos com ela e dependeremos muito mais de nossa capacidade de resolver problemas. O interessante é que quanto mais dificuldades enfrentamos na vida, menor a tendência a esconder nossas cabeças.

(Autora: Jennifer Delgado Suarez)

(Fonte Original: rinconpsicologia)

*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Imagem: Mario Azzi)

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here