A grande maioria das pessoas corre mil quilómetros de nada, mas para aqueles que estejam dispostos a percorrer mil e um quilómetros, haverá algo mais… muito mais!

A grande diferença é que nem todas as pessoas acreditam que esse quilometro que está para lá dos mil, faça a diferença, mas há algo que determina a força necessária para percorrer esse tão importante quilometro, a intuição.

Essa intuição é uma força sempre presente nas mulheres. Um poder quase único, que muitas vezes é posto de parte pelo Ego. O Ego anula a sabedoria instintiva da mulher, fazendo com que a intuição diga muitas vezes para não avançar, mas os prazeres imediatos tomam conta do pensamento, anulando o instinto.

Intensificar a feminilidade faz com que a intuição tenha olhos que vêm para além do óbvio, ouvidos que ouvem perfeitamente uma surdina distante, ou mesmo o silêncio e consciência para interpretar o que mais ninguém interpreta.

Na energia masculina, grande parte do que acontece revela-se no exterior. Na energia feminina, grande parte do que acontece é no interior, na alma, no instinto.

Ao longo dos séculos houve a necessidade de se moldar, muitas vezes, anulando-se a ela própria, reprimindo completamente a sua intuição, a sua grande arma. No entanto, ainda nos dias de hoje vemos essa energia e ser mal canalisada, desajustada e, no final, essa energia vira-se para dentro, com uma força destruidora.

A normalidade excessiva vai-te arrastando até uma vida rotineira, uma vida sem propósito claro, ofuscando assim a intuição. Quando assim é, há que enfrentar o automatismo, a previsibilidade, só assim resgatas a intuição que tanto diz sobre ti.

É necessário deixar criar uma tensão interior entre quem aprendeste a ser e quem és na realidade. Ao tentares tornar invisíveis os teus sentimentos mais íntimos, estás a aniquilar-te. É uma vida em suspenso extremamente dolorosa e sombria, teres esse potencial único e não o aproveitares.

No entanto, aquilo que é sombrio e negativo, aquilo que tão ativamente destrói ou bloqueia a tua vida, pode também vir a tornar-se útil. Quando finalmente identificas as características e origens, torna-te mais forte e sensata.

Por isso, quando na tua vida os fatores são vividos de fora para dentro, como fonte de alimentação e ânimo, feres o teu instinto, aquilo que te diferencia. Quando colocas essa força em alguém ou em alguma situação, estás a anular-te, a reprimir uma força tão única como a energia feminina.

Essa energia é essencial no mundo, é essa energia que te vai permitir criar, mudar, transformar, dar cor e beleza a este mundo.

De que te serve a intuição se não a podes usar a teu favor?

A intuição feminina é composta por elementos tão rápidos como a luz, nomeadamente, visão interior, audição interior, perceção interior e conhecimento interior, tudo tão teu!

A mulher é a voz da razão, do conhecimento e da consciência interior. A intuição é a sua maior arma, faz perceber o caminho que deve seguir para o seu próprio bem. Tem um sentido único de integridade, existência, de preservação, de compreensão dos verdadeiros motivos e intenções para além dos comportamentos.

Gostava de te falar do conceito de respeito. O respeito é um valor, uma atitude que permite agir com cautela. Tem por base a sabedoria e a evolução, um sentimento positivo.

O respeito frente a um grande poder é uma lição crucial. Quando o respeitas, esse poder torna-se teu, por isso respeita-te! Esse poder, está todo no teu interior.

Todos nós temos duas forças, uma que constrói e outra que destrói, um critico interno e um impulsionador interior. Tu, no entanto, tens dois extremos, dois poderes ainda maiores com que tens de saber lidar e, que irão ditar o teu caminho e a tua missão, o poder da aniquilação e o poder da força da vida.

Se seguires a tua natureza intuitiva, estás a caminhar para o teu instinto, que te irá permitir ver para além do óbvio e aí, ligas o teu instinto feminino ao poder da força da vida.

Os principais atributos de uma mulher, no seu instinto, são a de uma vida alegre, feroz e resistente, em que tudo é melhor do que parece à primeira vista.

Ser forte significa aprender, preservar aquilo que te faz sentir a força da vida, significa enfrentar e compreender a tua própria espiritualidade, significa seres capaz de te levantares e viver.

Ser forte significa sentires o que sentes e ainda assim queres fazer diferente. Ser forte significa saberes que queres mais para ti e ainda assim, procurares alguém que te ajude a extrair essa força interior.

Para que o teu instinto sobressaia, sabes que não basta uma mudança, mas uma transformação na forma de te aceitares, de aceitares essa energia que tens dentro de ti. Essa energia quando não é utilizada a teu favor, vira-se contra ti.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fábio Costa
fundador da Fullmind coaching. Vive em Coimbra e tem o curso de Programação Neurolinguística e certificado pelo Instituto Eneacoaching de Portugal. Desenvolveu o Programa de Transformação Pessoal SER, assente na metologia de nove passos. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here