Há uma crença muito popular, mesmo entre os profissionais de psicologia, que afirma que apenas pessoas que sofrem de um distúrbio psicótico ouvem vozes dentro de suas cabeças. No entanto, a realidade muitas vezes excede a fantasia e o fato é que as pessoas “supostamente saudáveis” também ouvem essas vozes. Então… onde está a diferença entre vozes patológicas e “normais”? No fato de pessoas não-psicóticas ouvirem essas vozes, mas elas não os incomodar.

Obviamente, há um estudo científico que colabora com essa ideia. Pesquisadores do Hospital Real Glamorgan no Reino Unido têm comparado a história de 22 pessoas que ouvem vozes e foram internadas em enfermarias psiquiátricas, com a história de 21 pessoas que nunca receberam esse tratamento.

Ao fazer as comparações, várias semelhanças e diferenças interessantes foram encontradas. Primeiro, ambos os grupos relataram níveis bastante semelhantes de experiências traumáticas no passado. No entanto, o grupo psiquiátrico relatou um maior número de experiências de abuso sexual durante a infância.

Além disso, outra correlação foi encontrada: quanto mais atual e vívido era o trauma, mais irritantes, malévolas e onipresentes eram as vozes. Assim, os investigadores concluem que a interpretação de vozes depende do stress mental da pessoa e, ao mesmo tempo, essas vivências aumentam os níveis de ansiedade e de depressão, formando um círculo vicioso que é muito difícil de sair.

Em outras palavras, esses resultados sugerem que um passado traumático pode predispor as pessoas a ouvirem vozes, como se fossem um efeito a longo prazo do trauma. No entanto, dependendo se o conflito foi resolvido ou não, as vozes serão entendidas como estressantes ou inócuas e, portanto, afetarão mais ou menos a nossa saúde mental.

No campo da prática clínica, este estudo contém dados importantes porque pesquisas anteriores tinham mostrado que aqueles que sofrem de transtornos psicóticos geralmente são tratados com fármacos e menos orientados à psicoterapia, o que se torna essencial para aliviar e resolver os traumas, como o estudo sugere.

Fonte:
M. E. Andrew, N. S. Gray, R. J. Snowden (2008) A relação entre trauma e crenças sobre a ouvir vozes: um estudo de ouvintes voz psiquiátricos e não-psiquiátricas. Psicological Medicine, 38 (10): 1409-1417.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here