Talvez, nos dias de cansaço, a gente se demore nos lugares onde nos esperam, hoje não há tempo, as contas nos esperam e os relógios residem em todos os cômodos de nossas almas, precisamos acelerar em viagens rotineiras pra lugar nenhum.

Nesses dias vazios a gente vai se perdendo, correndo o risco de não perceber onde fizemos nossos pousos, diante de risos amarelos agradecemos o pouco concedido, reverenciamos a rua estreita, tratando becos como avenidas arborizadas.

No cansaço, a possibilidade de despertar ao som de pardais e de um café onde não caiba o mais ou menos mas, somente, a segurança de sermos quem somos, saborear o que fica quando o resto dá errado, simplesmente porque somos amados.

Para os dias de cansaço, também, os espaços que mereciam existir hoje, as horas destinadas para o amor, o abraço demorado e as juras eternas. Feito roupas no varal, sedentas de brisa e sol, estendemos o que nos dá sentido no varal do depois. Seguimos, nos contentando com o meio do caminho, parados em estações sem significados.

Amanhã, talvez, a possibilidade de sermos inteiros em nossos pedaços, o cheiro de flor na alma, as roupas macias no corpo preparado, as falas silenciadas pelos olhos que enxergam, o sono tranquilo, a comida com sabor, as mãos que afagam, as horas que seguem, delicadas, porque descobriram a vida na rotina de existir sem estar morto.

Amanhã, a possibilidade de um mundo povoado por pessoas que, além de se preocuparem, se ocupam dos nossos dias.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Teresa Vera de Sousa Gouvea
Psicóloga Clínica Especialista em Família pela PUC SP, especialista em Luto pelo 4 Estações Instituto de Psicologia SP.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here