– Quer ajuda?

– Muito obrigado, mas não precisa.

– Ah, não é questão de precisar, é que lhe ajudaria com o maior prazer!

– Certo, novamente obrigado. Muito atencioso de sua parte, mas não precisa mesmo.

– Tem certeza?

– Tenho. Obrigado.

– É por orgulho?

– Não, é que não precisa. E, se não precisa, para que incomodar?

– Iiiiiiirmão, qué isso? Não incomoda nadinha de nada! Já disse: lhe ajudo com o maior prazer. Afinal, amigo é pra essas coisas, não é mesmo?

– Mas nós mal nos conhecemos!

– Tá vendo? Olha o tamanho da generosidade desse cara aqui: oferecendo ajuda de grande amigo a quem mal conhece! E você fica aí com essa cerimônia, recusando minha ajuda por vergonha…

– Mas não é por vergonha. É como já disse, não precisa mesmo.

– Tem certeza?

– Tenho.

– Certeza absoluta?

– Absoluta!

– E se eu for embora e você precisar de alguém para lhe ajudar?

– Não se preocupe. Vá tranquilo. Se precisar, chamo alguém lá de casa.

– Ah, então é isso?

– Isso o que?

– Ajuda de “alguém lá de casa” presta, mas a minha não presta? Eu lhe oferecendo ajuda e você me discriminando dessa maneira?

– Hein?

– Mas é assim mesmo. Ligo não. Mas sabe o que? Não estou mais disposto a lhe ajudar e nem adianta insistir. Eu é que não vou gastar meu tempo precioso para ajudar gente que se acha superior e vem para cá para cima de mim assim cheia de meritocracia. Se vire sozinho, pois não vou ajudar! Vou é embora!

– De acordo. Até logo!

– Até logo coisa nenhuma! Até nunca mais, seu egoísta coxinha mortadela vira-lata esquerdopata comunista terrorista fascista anarquista capitalista de segunda categoria!

– ???

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Gustl Rosenkranz
Blogueiro residente em Berlim. Apaixonado por palavras, viciado em escrever, sem luvas, tocando no assunto, porque gosta e porque precisa, sobre a vida e tudo que a toca. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here