Você sabe identificar pensamentos tóxicos? Existem certos pensamentos cuja principal utilidade é nos fazer sentir mal. Seja pelo conteúdo, pela maneira como são criados ou pelas consequências que causam, é melhor manter longe alguns pensamentos.

No entanto, não apenas as pessoas com um problema clinicamente significativo têm pensamentos tóxicos. Eles também aparecem em pessoas que não têm nenhuma condição psicológica “anormal”.

Às vezes, isso atrapalha nosso dia a dia, atacando nosso auto-conceito, autoestima, nossos sentimentos de auto-eficácia ou a percepção de nosso próprio valor.

Portanto, e mesmo que eles não constituam a aspereza do nosso pensamento, é importante saber como identificá-los para garantir um bom desempenho de nossas atividades sociais, psicológicas, profissionais e familiares. Aqui estão alguns sinais para reconhecê-los:

O que é um pensamento tóxico?

Na psicologia, pensamentos tóxicos são identificados como pensamentos irracionais. De fato, grandes ferramentas terapêuticas, como reestruturação cognitiva ou terapia emocional racional, lidam com pensamentos irracionais como uma maneira de trabalhar com ansiedade, depressão ou qualquer distúrbio com elementos cognitivos – eles são praticamente todos.

O tratamento de pensamentos irracionais ou tóxicos é de extrema importância para o avanço da terapia e a consecução de objetivos. Muitas vezes são esses que não apenas mantêm as barras da nossa cela, mas também são os que nos trancam nela.

Características dos pensamentos tóxicos: saber identificar

Os pensamentos tóxicos ou irracionais são caracterizados por uma série de aspectos que envolvem o oposto em pensamentos racionais e saudáveis. Para saber como identificá-los, é importante colocar esse pensamento em cima da mesa e marcar suas características.

A intensidade da resposta emocional

Geralmente, a abordagem dos pensamentos irracionais resulta em uma resposta emocional muito intensa. Não é que um pensamento nos lembre de algo, provoque uma certa nostalgia pelas férias ou nos permita ter um diálogo interno. São pensamentos que provocam uma resposta emocional muito intensa que pode levar a consequências muito negativas.

Assim, seguindo pensamentos tóxicos, não sentimos medo, mas um terror excessivo; não sentimos nostalgia, mas uma tristeza exuberante e profunda. Também não sentimos raiva, mas raiva descontrolada. Isso não significa que um pensamento não possa nos levar a sentir medo ou raiva, mas a intensidade dessa resposta é excessiva.

A intensidade da resposta emocional é um dos fatores que devem ser levados em consideração para reconhecer pensamentos tóxicos.

Pensamentos tóxicos não baseados em evidências

Outra característica dos pensamentos irracionais está relacionada à veracidade do que eles dizem. Nada acontece para pensar em algo que pode nos deixar muito zangados ou tristes, desde que o conteúdo desse pensamento seja real.

A memória da morte de um parente, o pensamento de que algo que não gostamos precisa ser feito, a recapitulação de erros cometidos… Se esses eventos já aconteceram e são palpáveis, não falaremos sobre o pensamento tóxico.

No entanto, alguns deles não se baseiam em evidências, ou seja, tratam de coisas que não foram confirmadas, que podem não ocorrer ou através de inferências arbitrárias.

Por exemplo, uma adolescente pode ter um pensamento tóxico do tipo: “Fui a causa dos meus pais se divorciarem” e sentir uma culpa que a afoga.

Como podemos ver, esse pensamento nada mais é do que um viés de covariação, pois seu comportamento pode não estar relacionado ao divórcio de seus pais e também não tem evidências de que tenha sido a causa. Este seria um pensamento tóxico.

Outro exemplo pode ser encontrado em uma mulher que pensa: “o chefe parece zangado, e com certeza é por causa da má apresentação que fiz ontem”. Embora isso possa ser verdade, e de fato o chefe não tenha muito orgulho de seu desempenho, esse é um pensamento tóxico, porque também não se baseia em evidências.

Talvez o chefe tenha discutido com o parceiro, tenha dormido mal … No entanto, esse pensamento que nem está confirmado vai causar medo na mulher, mesmo sem saber se o que acontece com o chefe dela tem algo a ver com ela.

Abordagens absolutas: a construção do pensamento

Para saber como identificar pensamentos tóxicos, é preciso também observar como, gramaticalmente, eles são escritos. Embora isso não pareça relevante a priori, a grande diferença entre um pensamento irracional e um pensamento racional está no uso de absolutos.

Assim, não é o mesmo dizer: “Eu sempre suspendo todos os meus exames”, para dizer: “Eu suspendi este exame”. Em um primeiro pensamento, o tóxico, que usa o advérbio “sempre”, considera algo que não precisa ser real, apenas por usar esse advérbio.

O garoto que suspendeu o exame é inútil, porque sempre suspende tudo, nunca passou em nada. Isso não é verdade, porque suspender um exame ou cinco não é equivalente a sempre suspender. O uso de absolutos facilita o aparecimento dessa resposta emocional tão intensa e negativa.

Outros exemplos de absolutos em pensamentos tóxicos são: “Eu nunca faço nada certo”, “Eu sempre serei infeliz”, “Eu nunca vou conseguir um emprego”.

Personalização em pensamentos irracionais

Outra característica que pode nos ajudar a identificar pensamentos tóxicos é a fusão entre o que se faz e o que é. Pensamentos tóxicos identificam os resultados de uma ação, um projeto, um treinamento, um dia de trabalho, uma conversa… com o valor de si mesmo.

Assim, se uma garota perde uma partida de tênis, pode pensar “sou inútil”. Ela é inútil por perder a partida, quando ela simplesmente perdeu uma partida. Não tem nada a ver com sua capacidade ou valor como pessoa.

Em outro exemplo, um pai pode ter uma discussão com o filho e pensar “eu sou um pai ruim” . Isso não precisa ser assim, pois uma discussão com um filho não prova o valor de um homem como pai.

Pessoas com pensamentos tóxicos tendem a levar todas as situações para o pessoal.

Finalmente, muitos dos pensamentos tóxicos e irracionais que geralmente lidamos com demandas auto-impostas, ou seja, o que achamos que precisamos para sermos felizes. Esse grupo de pensamentos compõe o que deveria.

Por exemplo, os pensamentos levantados nesses termos podem ser: “Eu tenho que ser feliz quando estou com meu parceiro”, “Eu deveria me esforçar mais no trabalho para ser feliz”, “Eu tenho que ter tudo sob controle”, “Eu sempre devo estar disponível para meus filhos”, e etc.

Embora, é claro, existam obrigações sob as quais você pode usar o dever (“Devo terminar este trabalho para segunda-feira porque é o dia da entrega”).

Portanto, é importante diferenciar entre aqueles que realmente deveriam ser um dever palpável e o que impomos ao caminho da busca da felicidade. Retirar os pensamentos de verbos como “ter”, “preciso”. Pode ser um ótimo pequeno movimento para parar de impor coisas que não sabemos se poderemos realizar e que realmente nem precisamos fazer.

Conclusões: a dúvida cartesiana em toxicidade

Pensamentos tóxicos não são simplesmente pensamentos que nos fazem sentir mal porque são. De fato, eles têm uma morfologia e características específicas que tornam o trabalho com eles em terapia interessante e possível. Da mesma forma, essas características podem nos ajudar a diferenciar pensamentos tóxicos de pensamentos com cargas emocionais negativas normais e agir em conformidade.

Não é preciso confiar no que os pensamentos irracionais dizem, e mesmo que continuem a vir à nossa cabeça, é útil inspecioná-los bem – especialmente em situações de desconforto – antes de acreditar e agir de acordo com eles.

Autoria: Loreto Martín
(Fonte Original: mejorconsalud.com)
*Texto traduzido e adaptado por Naná cml da equipe Fãs da Psicanálise.

(Imagem: João Jesus)

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here