O mestre tibetano Chögyam Trungpa Rinpoche (1939-1986) falou muito sobre isso, sobre as artimanhas do ego, e disse certa vez que “o ego é capaz de converter tudo para seu uso próprio, inclusive a espiritualidade”. Mas como podemos saber se está convertendo ou não?

O americano Ram Dass, autor de “Be Here Now“, recentemente lançou essa pergunta, de outra forma: “Como você sabe que o que você está fazendo é de um nível da consciência evoluindo e não apenas uma viagem do ego?“.

Antes de ler a resposta dele abaixo, por um momento tente parar e pensar o que é o que na sua própria vida. Quais ações você tem certeza que são feitas a partir de um nível da consciência evoluindo e quais são viagem do ego.

E então leia:

“Como você sabe que o que você está fazendo é de um nível da consciência evoluindo e não apenas uma viagem do ego? Até o momento final antes da iluminação, posso lhe garantir que tudo é uma viagem do ego. Mesmo as práticas espirituais são todas viagens do ego. São todas viagens do ego porque é você sendo alguém pensando que está fazendo alguma coisa. Isso é uma viagem do ego.”
— RAM DASS

Uma forma de receber essa frase, que soa forte, é como um convite a perceber a largura e domínio das atividades do ego como se fosse algo mais.

Assim, gostaria de deixar pela menos duas observações sobre essa resposta de Ram Dass, duas leituras sobre essa afirmação — talvez ambíguas, mas não necessariamente.

A primeira é que a frase guarda sua verdade (e surte seu efeito) se entendida como é, em todo seu contraste e absolutismo. De uma forma ou de outra, como diz Ram Dass, se há alguém fazendo alguma coisa com esse pensamento de que é alguém e está fazendo alguma coisa, então é viagem do ego, e só acaba quando isso muda.

Leia Mais: Mudança de Vida!

A segunda é que a consciência pode estar evoluindo em qualquer situação, ou de fato está, e as experiências e viagens do ego podem fazer parte disso, ou de fato fazem. Isso estaria em concordância com a teoria de que a consciência individual surge da consciência “coletiva”, e assim evolui.  “Através dos seus tropeços, o mundo evolui“, como disse certa vez o filósofo Sri Aurobindo.

Afinal, se aqui e agora não conseguimos perceber as coisas como iluminadas, o que fazer? Não fazer nada não significa que vamos passar a perceber as coisas como são.

Parece inevitável que tropecemos por nos percebermos como “agentes”. Até que superemos isso.

Autor: Nando Pereira

Fonte: dharmalog

*Texto reproduzido com autorização da administração do site parceiro.

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


2 COMENTÁRIOS

  1. Essa de nao pensar que eh alguem ou que esta fazendo , te torna um ninguem,isso de ter a mente limpa em um mundo de caos faz de voce um bobo perdido , sentindo-se vazio todo santo rs tentar ficr sempre em um estado de atencao vivendo o “agora” eh ums observacao mecanica sem participacao ai voce simples deixa de pensar tanto ,entao o qe voce eh?? Um nada alguem que ignora tudo e a si mesmo tambem.

    • Acho q o sentido é mais assim: é n ser algo q vc acha que é, ou fazer algo q acha q deve fazer p ser alguem, é mais seguir seu EU. Vou me usar como exemplo. Quando era mais nova, ia p igreja com meus pais e lá tinha q ter um bom comportamento, mas quando ia p escola tinha outro. Sabia q meus pais n iriam gostar, mas p me enturmar e n ser a “menina freira”, eu mudava. No fundo n queria ser nenhum dos dois. Sempre estudei em escolas longe da minha casa, mas porque o ensino era melhor e como era uma menina esforçada nos estudos, meus pais apostavam em mim, mas fiz esse caminho sem ter consciência dele. Quando cheguei aos meus 16 anos vi onde estava. Estava em uma escola onde ficava mais de 10h tds os dias e fazia um curso q n gostava, mas precisava agradar meus pais. Eu era alguém q nem mesmo conseguia ser a mesma pessoa em duas cidades e ainda fazndo algo cansativo e n me via seguindo naquela área. Só larguei tudo e decepcionei a tds, menos a mim.
      Então, na minha opinião o sentido é: Seja VC, pq isso te faz bem, ao mesmo tempo q vc é alguém vc n é nada, pois na vida se vc tiver consciência de q quer ser mais sorridente p agradar os clientes e só ser assim na frente dos clientes, vc n estará sorrindo e sim usando uma mascara de alguém q vc n é. Mente limpa n significa vazia e sim sem pesos, amarras (essas coisas de gente q implica pq alguém espirrou alto dmais) e é fazer as coisas sem prejudicar outras pessoas, vc pode viver o agora e aceitar ir andando c seu amigo ao invés de pegar o ônibus. Acho q para viver o Agora tem q estar mt de boas consigo msmo, pois é fazer algo sem pensar mt e saber q n tem problemas p vc, pois provavelmente n vai se alto xingar por ter tomado aquela decisão. Tem q ter um equilíbrio, eu acho.
      (texto baseado nos meus achados)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here