Seria fácil atribuir ao homem uma justificativa singular para as barbáries que pratica contra o seu semelhante: o meio em que vive.

Uma frase já apresentada por diversos pensadores: “o homem é produto do seu meio” e que hoje, no aniversário de um grande meste, foi lembrada, debatida e que a partir de então reflito.

Se o homem é de fato produto do ambiente em que está, quem formou esse ambiente? Outros homens, certo? Cada qual cultivando aquilo que se identificou, introjentando seus valores e passando por gerações.

Leia mais: Interrompa a maldade

Desse modo, o próximo a fazer parte dessa comunidade já está afetado pela tal situação do “olho por olho, dente por dente”, “o mundo é dos espertos”, “a vingança vem a cavalo”.

Mas, se houver uma transformação íntima nesse homem e ele passar a refletir sobre o meio em que está inserido e mudar nele algumas ações, essa transformação será sentida por aqueles que estão em seu entorno.

Uma mudança de hábito, seja o sorriso no rosto do emburrado, o silêncio na ausência da agressão ou na palavra de otimismo ao invés de enfatizar o triste.

Leia mais: Você não consegue mudar o que não consegue encarar

“Amar ao próximo como a si mesmo – não mais do que si mesmo”, “compreender ao invés de vingar”, “responder com amor para aquele que o ofende”.

Pequenos atos, ações pontuais, que tocam quem lhe rodeia sucessivamente e assim formando uma consequente cadeia de mudança. Sabemos que um bom exemplo gera comportamentos íntegros

Pense: seria então o homem capaz de mudar o ambiente em que vive?

Leia mais: Viemos para nos aperfeiçoar e nos tornarmos pessoas melhores

Você é capaz de fazer a sua parte nesse processo evolutivo?

De um em um, semeando com cuidado a harmonia, o amor, o bem querer. Está preparado para oferecer um meio melhor para se viver?

Compartilhar

RECOMENDAMOS

Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores.Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here