Faz um tempo no qual fico pensando por qual motivo eu vivo, digo isso em uma maneira geral, mas dando certa importância aos meus objetivos e ao que sinto, me pergunto o que faz eu continuar, seguir em diante, apesar de todos os tombos dos quais já levei.

E lhe digo que não foram poucos os “tombos”, os contratempos, as “rasteiras” que levei da “vida” – sim, coloquei vida entre aspas, pois sei que tudo é consequência.

Mesmo sabendo que esses tombos foram resultados de algo, acabo ficando triste, magoada e algumas vezes, deixo as lágrimas caírem, mesmo sabendo que foram consequência dos meus próprios atos – a gente nunca quer aceitar essa dor, que sinceramente dói bem mais que um joelho ralado na infância.

Por exemplo, nós conhecemos, confiamos em pessoas e depois de um tempo, “quebramos a cara”, nos arrependemos de confiar, ter entregue seu tempo a alguém, choramos, choramos e choramos, e em meio disso, falamos que não vamos confiar nunca mais em ninguém… e pronto, começamos tudo de novo, e entramos novamente nesse ciclo da vida.

Infelizmente (ou felizmente), nem todos que conhecemos vão ficar em nossas vidas e nem todos vão merecer nossa confiança, mas deixa eu te contar algo: só quem for essencial na sua vida irá permanecer nela e essas pessoas farão por merecer sua confiança (e você não terá duvidas enquanto a isso).

Leia Mais: A vida é muito curta para longas dores

E podem me chamar de louca se quiserem, mas essas cicatrizes por conta dos tombos são lindas, elas têm um significado enorme, elas significam que tentamos, e tentamos com todas as nossas forças, tentamos com corpo, alma e coração, escolhemos nos arriscar, sair do conforto (onde muitos preferem ficar), e mesmo que tenha doído muito, depois de um tempo repetimos esses “erros” – mas é só para confirmar que vamos aprender a lição…

E em tudo isso, no meio dos tombos, no meio dos contratempos, entre o momento de conhecer uma pessoa e outra, há o tempo. E o tempo é capaz de coisas maravilhosas, ele não apagará o ocorrido, pois somos nossas decepções, cicatrizes, e o risco que decidimos tomar e nada nesse mundo ainda é capaz de mudar isso.

Então eu continuo dizendo, continue caindo e se levantando (cada vez mais forte), conhecendo pessoas, se arriscando, mas tudo de coração e alma, pois o tempo, como eu disse acima, ele é capaz de coisas maravilhosas e ele vai tratar de trazer algo a altura para retribuir seus atos e pensamentos.

Só continue seu caminho (apesar de tudo que aconteceu), pois tudo isso só te mostra que você está viva… e um tombo não é o fim do mundo, né?!

(Autora: Caroline Pinheiro)

(Fonte: bemmaismulher)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise

A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here