O transtorno de personalidade obsessivo-compulsiva (TPOC) é definido por extrema preocupação com o perfeccionismo, uma necessidade inflexível de ordem e um rígido controle sobre as pessoas e as circunstâncias da vida da pessoa.

Pessoas com TPOC têm dificuldade para expressar seus sentimentos. Elas têm dificuldade para formar e manter relações próximas ou íntimas com outras pessoas. Elas trabalham muito, mas sua obsessão com o perfeccionismo pode torná-las ineficientes.

Elas muitas vezes têm um sentimento de superioridade moral e se sentem indignadas e raivosas. Seu isolamento social pode levar à ansiedade e à depressão.

O TPOC muitas vezes é confundido com o transtorno de ansiedade denominado transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), pois os termos são parecidos. No entanto, eles não estão relacionados.

Leia mais: TOC – Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Uma pessoa com TPOC não tem ideia de que seus processos de pensamento são problemáticos.

A pessoa acredita que a sua maneira de pensar e de fazer as coisas é a única maneira “correta”, e que todo mundo está “errado”.

Causas e riscos

De acordo com a Dra. Barbara Van Noppen, da Fundação Internacional de TOC (International OCD Foundation – IOCDF), cerca de uma em cada 100 pessoas nos Estados Unidos tem TPOC. Esse transtorno ocorre cerca de duas vezes mais em homens do que mulheres (IOCDF, 2010).

A causa exata do TPOC é desconhecida. A genética pode ser importante, porque há alguma evidência de que o TPOC costuma ocorrer em mais de um membro da mesma família. Fatores ambientais e influências na infância também podem desempenhar um papel.

Uma pessoa com TPOC pode ter tido pais distantes ou excessivamente controladores. Como resultado, ela pode ter sentido a necessidade de ser “perfeita” ou uma criança “perfeitamente obediente”. Alternativamente, ela pode ter sido criada em uma religião ou sociedade autoritária que exigia adesão estrita a um rígido conjunto de regras.

Sintomas

Uma pessoa com TPOC pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas:

  • perfeccionismo, a ponto de prejudicar a capacidade de terminar tarefas
  • maneirismos rígidos e formais
  • ser extremamente econômica com dinheiro
  • ter enorme necessidade de ser pontual
  • extrema atenção aos detalhes
  • excessiva devoção ao trabalho em detrimento da família ou relações sociais
  • acumulação de itens usados ou inúteis
  • incapacidade de compartilhar ou delegar trabalho por medo de que “não seja bem feito”
  • fixação com listas
  • rígida adesão a regras e regulamentos
  • necessidade imperiosa de ordem
  • sensação de que só ela sabe a maneira como as coisas “devem ser feitas”
  • rígida aderência aos códigos morais e éticos

O TPOC é diagnosticado quando os sintomas prejudicam a capacidade da pessoa para agir e interagir com os outros.

Tratamento

Se a pessoa tiver TPOC, o terapeuta provavelmente usará uma abordagem de tratamento com três frentes.

  • Terapia cognitivo-comportamental – A psicoterapia pode ajudar a melhorar a compreensão da pessoa sobre seu TPOC. Pode também dar-lhe ferramentas para colocar menos ênfase no trabalho e mais ênfase no lazer, família e outros relacionamentos interpessoais.
  • Medicação – Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) podem ser prescritos para diminuir o pensamento inflexível, preocupado com os detalhes.
  • Relaxamento – Técnicas específicas de respiração e relaxamento podem ajudar a diminuir a sensação de tensão e urgência comum às pessoas que sofrem de TPOC.

Perspectiva

As perspectivas para quem sofre de TPOC podem ser melhores do que para pessoas com outros transtornos de personalidade.

Leia mais: Diferença entre transtorno e problema psicológico

O tratamento pode levar à maior consciência de como os sintomas do TPOC afetam os outros.

Além disso, quem sofre de TPOC pode ter menos tendência a se viciar em drogas ou álcool, o que é comum em outros transtornos de personalidade. Isto se deve à sua necessidade de manter o controle.

(Fonte: pt.healthline.com)

Compartilhar
Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA