O comportamento passivo-agressivo é frustrante. É desconcertante. Provoca raiva. Então, por que as pessoas recorrem a este comportamento tão prejudicial ao relacionamento? E por que é tão difícil mudar o padrão?

Isso geralmente começa ingenuamente, como um pedido simples.

Ele diz: “Claro, eu vou cuidar disso.” Então ele não faz.

Ela pede novamente que ele o faça.

Ele encolhe os ombros, “Não é grande coisa. Eu disse que ia cuidar disso.”

“Sim, mas quando?”, Ela pergunta.

Ele diz: “Me deixe! Eu disse que faria isso.”

Ela recua. O tempo passa. A tarefa ainda não está concluída. Ela menciona isso de novo.

“Estou ocupado agora”, diz ele. “Pare de me cobrar, sim? Eu vou fazer isso no meu tempo, não no seu.”

“Mas você disse que cuidaria disso na semana passada”, diz ela com raiva crescente.

“Acalme-se! Você está histérica”, diz ele com crescente desdém. “Olhe para você, enlouquecendo por nada!”

O padrão normalmente termina de forma destrutiva, com desculpas sem fim, gritos e acusações.

Como o exemplo acima ilustra, resolver as diferenças é difícil quando palavras e ações não estão alinhadas. O comportamento passivo-agressivo normalmente começa na infância, quando as crianças são relativamente impotentes e os adultos lhes dizem constantemente o que fazer. Para fazer as coisas do seu jeito, elas aprendem a falsificar suas respostas aos adultos, depois voltam a fazer o que quer que estivessem fazendo.

Os padrões passivo-agressivos são transferidos para a idade adulta quando:

Você não aprendeu habilidades de negociação.

Você responde rapidamente a solicitações com um “sim” verbal, mas não faz o que combinou. Uma melhor escolha seria refletir sobre suas opções e, em seguida, escolher uma resposta. As escolhas não se limitam ao seu jeito ou ao meu jeito. Você pode ser criativo sugerindo uma terceira opção ou uma mistura de ambas as ideias. Ajuda se você puder aprender a ser ativo em vez de reativo. Reflita sobre o que você está disposto a fazer. Pense nas suas decisões antes de concordar em fazer qualquer coisa.

Leia Mais: 3 comportamentos que nos mantêm em relacionamentos infelizes

Você mantém seu ressentimento escondido.

“Esconda seus verdadeiros sentimentos.” “Coloque um sorriso em seu rosto”. “Seja agradável.” Desde criança, somos ensinados a expressar nossos sentimentos negativos de maneiras socialmente aceitáveis. Não é uma mensagem ruim. Mas algumas pessoas levam isso longe demais. Ao invés de dizer o que você quer dizer e o que realmente pensa, você diz o que acha que os outros querem ouvir. Quando suas ações não se alinham com suas palavras, os outros ficam chateados. Então, você fica chateado com eles. A tensão e o tumulto aumentam, você perde a cabeça e começa o próximo drama passivo-agressivo.

Você se vê como a “vítima”.

Quando você é membro de um grupo (família, trabalho, esportes) e negligencia suas responsabilidades, os outros ficam aborrecidos. Em vez de assumir suas obrigações ou renegociar suas responsabilidades, a abordagem passivo-agressiva é se ver como a “vítima perseguida”. As coisas não são feitas magicamente. Elas são feitas porque as pessoas trabalham juntas em direção a um objetivo comum. Por isso, seria benéfico para você ser uma parte ativa do seu grupo, em vez de apenas esperar que os outros lhe digam o que fazer, e depois se ressentir de sua interferência.

Você não aprendeu a dizer “não” graciosamente.

Dizer “não” ajuda você a criar limites, estabelecer prioridades, construir um caráter e tornar seu “sim” mais significativo. Às vezes, todos nós precisamos dizer “não”. Você pode fazer isso educadamente: “Desculpe dizer ‘não’, mas não tenho tempo agora.” Ou ofereça uma sugestão alternativa: “Não, eu não posso fazer isso agora, mas amanhã farei.” Melhor dizer “não” diretamente do que indiretamente com um comportamento passivo-agressivo.

O maior obstáculo à mudança de comportamento passivo-agressivo é a falta de consciência de respostas alternativas. Assim, as pessoas continuam fazendo o que sempre fizeram, enquanto o ressentimento e o rancor continuam a arruinar relacionamento após relacionamento. Isso é muito ruim e não tem que ser assim. Comece aprendendo o poder de compartilhar poder, então saia do seu próprio caminho.

(Fonte: psychcentral)

*Traduzido e adaptado por Marcela Jahjah, da equipe Fãs da Psicanálise

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here