Frequentemente ouço casais que dizem que se amam tanto que se uniram em uma só pessoa, ou seja: deixaram de ser duas pessoas com suas angústias, aflições, desejos e inseguranças, para se tornarem uma só pessoa.

Essas mesmas pessoas consideram que sofrer por amor é algo natural em um romance, quer dizer que uma pessoa é completamente apaixonada pela outra a ponto de se preocupar mais com a vida dela do que com a própria.

Entretanto, quando a necessidade de ficar constantemente ao lado do parceiro romântico vem acompanhada do hábito de cuidar demais e se preocupar de maneira exagerada com o outro pode indicar se tratar de um amor patológico.

Amor doentio

Acontece que a pessoa que está sofrendo por causa de um amor patológico muitas vezes nem reconhece que tem esse conflito, normalmente são as pessoas mais próximas que percebem, como os amigos, parentes e algumas vezes o próprio parceiro romântico, que se sente sufocado e preso pelo “excesso de cuidado, de zelo, de paixão”.

Nesse amor patológico, a pessoa doente coloca a felicidade do outro em primeiro lugar na sua vida, é capaz inclusive de fazer qualquer coisa para ver a outra pessoa feliz.

Esse comportamento pode ter sido motivado na infância, quando a criança relacionou o vínculo de amor, com dependência.

Essa interpretação de amor e dependência pode ter surgido na infância, quando a criança foi acometida por uma forte sensação de insegurança, que gerou danos protelados até a vida adulta.

Essa maneira doentia de amar nem sempre é fácil de ser diagnosticada, pois nem sempre está atrelada à gestos de ciúmes e violência, podendo ser um sofrimento silencioso.

A pessoa que sente esse amor patológico é capaz de tudo perdoar, em nome desse “amor”. Ela não percebe que está sendo enganada, faz dívidas, abandona a casa dos pais, perdoa traições, deixa de trabalhar, suporta ofensas e até mesmo agressões físicas.

A pessoa com esse tipo de amor patológico sente uma excessiva necessidade de controlar as atividades e os passos do parceiro, deixa de ter atividades e interesses pessoais para se dedicar exclusivamente ao relacionamento e até mesmo chega a ignorar problemas familiares e íntimos para sempre socorrer e se mostrar disponível ao seu parceiro (a).

Essa pessoa está viciada, é como se o seu parceiro fosse uma droga da qual não se consegue desvincular. Não pense que o sofrimento acaba com o fim da relação, a pessoa pode até desenvolver crises de abstinência, como alteração de apetite, insônia, ansiedade, depressão, taquicardia, dentre vários outros conflitos emocionais.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores.Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here