Algo tão simples quanto um suplemento dietético poderia reduzir o comportamento disruptivo, até mesmo abusivo, de acordo com pesquisa recém-divulgada por uma equipe liderada por uma Professora de Justiça Criminal da UMass Lowell.

Dar aos filhos suplementos de ácidos graxos Ômega-3 reduziu o comportamento agressivo, que por sua vez teve um efeito positivo em seus pais, tornando-os menos propensos a discutir uns com os outros e se envolver em outros abusos verbais, segundo Jill Portnoy, Professora da UMass Lowell’s. Escola de Estudos de Criminologia e Justiça.
“Esta é uma linha promissora de pesquisa porque os ácidos graxos Ômega-3 são pensados para melhorar a saúde do cérebro em crianças e adultos. Há mais a ser aprendido sobre os benefícios, mas se pudermos melhorar a saúde e o comportamento do cérebro no processo, isso será uma grande vantagem.” disse Portnoy, observando que uma recente revisão de pesquisa descobriu que os suplementos de Ômega-3 não afetam a saúde cardiovascular.

A nova pesquisa, publicada na revista acadêmica Aggressive Behavior (Comportamento Agressivo), é apenas um exemplo de como Portnoy está estudando fatores biológicos e sociais que podem ajudar a explicar e prever comportamentos impulsivos e arriscados. O objetivo é ajudar a determinar maneiras efetivas de intervir antes que o comportamento anti-social se transforme em crime.

Esse trabalho leva Portnoy ao centro do debate “natureza versus criação” – se as pessoas que cometem crimes têm algo em sua composição fisiológica que as predispõe a fazê-lo ou se fatores sociais como situações familiares abusivas os levam a isso.

“Claro que são ambos”, disse ela, mas exatamente como, ainda está por ser determinado. “A biologia e o ambiente social interagem de formas complexas que estamos apenas começando a descobrir. Antes de projetarmos intervenções efetivas, precisamos fazer pesquisas para entender o que está acontecendo.”

Portnoy está explorando essa conexão através de outro projeto de pesquisa que está analisando como uma baixa freqüência cardíaca em repouso pode levar a um comportamento anti-social. “Minha teoria é que uma freqüência cardíaca baixa em repouso pode ser um traço adaptativo adquirido: se você é submetido a um estresse crônico ou freqüente quando criança, você se adapta diminuindo sua freqüência cardíaca. A freqüência cardíaca mais baixa protege você de eventos estressantes, mas também podem levar ao comportamento de busca por estímulo. Em outras palavras, um ambiente estressante pode causar alterações fisiológicas que levam a um aumento no comportamento agressivo e impulsivo, além de causar no início o próprio comportamento diretamente”, afirmou.

Leia Mais: Você precisa saber quem são as “crianças cristal”!

Trabalhando em conjunto com a Universidade da Pensilvânia, onde ela ganhou seu Ph.D. e ensinou antes de vir para UMass Lowell, Portnoy estudou centenas de jovens em Pittsburgh, onde ela cresceu. Os pesquisadores descobriram que os jovens com frequência cardíaca em repouso mais baixa eram mais propensos a agir mais em busca de sensações, incluindo comportamento anti-social, o que pode ser especialmente problemático para pessoas que vivem onde há poucas opções de formas positivas de estimulação, como nas favelas e locais de muita violência.

Portnoy, que agora vive em Portsmouth, NH, continuará sua pesquisa sobre este tema neste outono com a ajuda de uma dúzia de alunos da UMass Lowell que irão estagiar com ela no Estudo de Saúde, Estresse e Comportamento, pesquisando a conexão entre estresse, frequência cardíaca. e comportamento.

Através deste estudo, Portnoy e sua equipe irão examinar o que ela descreve como um continuum, uma repetição de comportamento criminoso com o objetivo de encontrar novas maneiras de evitá-lo. “Muitas pessoas violam a lei de maneiras dissimuladas, por exemplo, dirigindo alguns quilômetros acima do limite de velocidade. Estou interessado em pessoas que estão se comportando de forma agressiva, mas ainda não atingiram o nível de comportamento criminoso ou talvez estejam cometendo crimes como pequenos roubos ou mesmo agressão, mas que ainda não foram capturados. Esses acabam custando caro e colocando a sociedade em risco. E se quisermos projetar intervenções sociais mais gerais, como ensinar as pessoas maneiras mais saudáveis de se adaptar ao estresse, então não devemos apenas estudar quem for pego ou estiver preso”, disse Portnoy.

*Traduzido e adaptado por Genaldo Vargas com autorização e materiais fornecidos pela University of Massachusetts Lowell.

Referência do Journal: 1. Jill Portnoy, Adrian Raine, Liu Jianghong, Joseph R. Hibbeln. Redução da violência por parceiro íntimo resultante da suplementação de crianças com ácidos graxos Ômega-3: Um estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, estratificado, de grupos paralelos. Comportamento Agressivo, 2018; DOI: 10.1002 / ab.21769

Universidade de Massachusetts Lowell. “Ômega-3 ajuda a manter as crianças longe de problemas: como a dieta, a biologia pode prevenir comportamentos ruins e até criminosos.” ScienceDaily. 24 de julho de 2018. <www.sciencedaily.com/releases/2018/07/180724174322.htm>.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Genaldo Vargas
Psicanalista, Palestrante, Professor Universitário, Viajante do mundo, curioso e eterno aprendiz..... É colunista do site Fãs da Psicanálise.


1 COMENTÁRIO

  1. Ensinar as pessoas maneiras mais saudáveis para vencer o stress, ou em outras palavras deveríamos criar situações onde as crianças pudessem de fato vivenciar a infância. ou seja, mais brincadeiras, mais vivencias de prazer, andar descalço, nadar, correr, enfim estamos perdendo a infância pelos jogos, os excessos de informações, na busca vazia e nada que nos torne melhores. Precisamos ressignificar o verdadeiro ser, o essencial dentro de nos com uma historia maravilhosa. Menos competição predatória pois o universo interior precisa ser construído para que estas crianças possam ser alegres e felizes em suas emoções e se tornem adultos criativos e possam gerenciar suas emoções com decisões sabias e escolher amar a vida ,;; enfim ser seres humanos bem resolvidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here