Em um novo estudo publicado esta semana nos EUA, veio o reforço daquilo que já sabíamos por sentir, viver e intuir, mas não havia explicação científica até então.

Enquanto mediam a atividade cerebral com ressonância magnética durante os ensaios da pressão arterial de vários voluntários, pesquisadores da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles) descobriram que os homens e as mulheres tiveram respostas opostas na parte dianteira direita do córtex insular, uma parte do cérebro essencial para a experiência de emoções, controle da pressão arterial e da auto consciência, onde as coisas são mais percebidas.

O córtex insular tem cinco partes principais chamados giros servindo papéis diferentes. Os pesquisadores descobriram que a resposta da pressão arterial no giro frontal direito mostrou um padrão oposto em homens e mulheres, com homens mostrando uma maior ativação do lado direito na área enquanto as mulheres mostraram uma menor ou nenhuma resposta nessa área.

“Essa é uma dessas áreas cruciais do cérebro e nós não esperávamos encontrar diferenças tão grandes entre os cérebros de homens e o das mulheres. Ficamos espantados “, disse Paul Macey, o principal autor do estudo.

Leia mais: Equilibre sua energia masculina e feminina

Esta região chamada ínsula frontal direita, está envolvida com o estresse, com a manutenção da frequência cardíaca e da pressão arterial elevada.

É possível que as mulheres já tivessem ativado esta região por causa de estresses psicológicos anteriores, por isso quando elas fizeram o teste físico no estudo, essa região do cérebro não era ativado novamente, no entanto, e parece que é o mais correto, é possível que esta região esteja ligada de forma diferente em homens e mulheres . “Sempre pensei que o padrão ” normal ” era para todos nós”, acrescentou Macey .

“No entanto, uma vez que a maioria dos estudos anteriores foram feitos em homens ou animais machos, parece que essa resposta ” normal ” existia apenas em homens . A resposta saudável nas mulheres parece ter sido uma ativação do lado direito inferior. ”

A maioria dos estudos sobre as diferenças nas funções cerebrais entre homens e mulheres têm buscado sempre o desempenho psicológico. Dessa vez se conseguiu provar as alterações físicas e orgânicas…que certamente influenciam as diferenças no desempenho psicológico também.

Em estudos anteriores, os pesquisadores da UCLA haviam notado diferenças no ritmo cardíaco e no fluxo de sangue do cérebro durante alterações da pressão arterial em homens e mulheres com apneia obstrutiva do sono e queriam ver se as respostas cardiovasculares em áreas do cérebro eram diferentes em homens e mulheres saudáveis.

Para isso, os investigadores da Escola de Enfermagem da UCLA usaram a manobra de Valsalva – durante a qual os participantes respiravam com dificuldade, através de um pequeno tubo, aumentando a pressão arterial, possibilitando medir a atividade do cérebro, uma vez que ela controla a alteração da pressão arterial.

“Isto levanta várias questões para nós, por exemplo, porque é que há uma diferença no padrão de cérebro e que acaba refletindo em diversas questões de saúde para homens e mulheres, particularmente no caso de doenças cardiovasculares”, disse Macey.

Leia mais: Quão Poderoso é Seu Cérebro? Faça o Teste e Descubra!

Para encontrar as respostas, um estudo mais aprofundado sobre esta diferença será necessário para obter uma melhor compreensão da susceptibilidade à doença, eficácia das drogas e até mesmo o curso do desenvolvimento normal entre todos os indivíduos, e não apenas entre homens e mulheres. “Acreditamos que as diferenças na estrutura e função da ínsula em homens e mulheres podem contribuir para diferentes sintomas clínicos em algumas desordens médicas”, disse Macey.

Agora já temos provas científicas de que não somos iguais biologicamente.

Se acrescentarmos a isso a genética, a educação, o ambiente, as experiências felizes, os traumas e condicionamentos, etc. entenderemos mais do que nunca, que as diferenças no desempenho, respostas e reações, físicas e psicológicas, gostos, percepções, desempenhos, etc, devem ser não mais somente aceitas e toleradas, até incentivadas, como profundamente respeitadas. Felizmente não somos iguais.

E viva as diferenças…

Fonte da história :

O artigo acima foi elaborado a partir de materiais fornecidos pela Universidade da Califórnia – Los Angeles. Foram utilizadas partes do artigo original escrito por Laura Perry, publicado no Frontiers in Neurology, que deu autorização para tradução, adaptação e publicação neste site.

Compartilhar
Genaldo Vargas
Psicanalista, Palestrante, Professor Universitário, Viajante do mundo, curioso e eterno aprendiz..... É colunista do site Fãs da Psicanálise.



SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA