É covardia dizer palavras bonitas e depois agir feito criança que não sabe o que quer e o que diz. É covardia dizer que pretende ficar quando, na verdade, irá partir a qualquer momento.

Quantas histórias já ouvi de enganos e daquela dor terrível de recomeçar. Quantos corações partidos que deixam de acreditar no amor e, quando alguém aparece, já é descartado, com medo de doer novamente.

É covardia conquistar, ser gentil, só para inflar o ego e parecer o Don Juan. Ter prazer em saber que alguém “morre” de amores pela gente é dessas coisas bizarras da vida que eu nunca vou entender.

Leia mais: Sofrer Por Amor: Por Que sofremos Por Amor? Freud Explica!

Não entendo o gosto de “pisar” o outro, dos joguinhos e de fazer promessas, quando as atitudes demonstram o contrário. Quando o príncipe vai logo virando sapo.

Covardia é quem chega de mansinho, vai logo ocupando um espaço em nosso coração, doma os nossos medos e, todas as vezes em que pensamos em dar um passo para trás, esse alguém segura a nossa mão e nos faz darmos um passo à frente. Então, esse alguém vai embora, sem ao menos dizer adeus, sem ao menos dizer o porquê do sumiço.

Leia mais: A pessoa que colocou você nas nuvens sumiu?

Covardia é despertar sentimentos, oferecer abraços, filmes no sábado à noite, no Netflix, quando, na verdade, irá inventar uma desculpa qualquer para nos deixar em casa sozinhos, pensando no que fizemos de errado.

Enquanto o outro curte a vida, você tenta entender onde falhou; enquanto o outro descobre outros risos, outros beijos, outros enganos, você se acha problema.

Bonito mesmo é quem fica, até quando não merecemos; quem entende as nossas pausas e os nossos medos; quem sabe dos nossos segredos e, mesmo assim, decide não partir.

Leia mais: Nunca se esqueça do amor !Vale a pena assistir, emocionar-se e refletir

Bonito é quem não promete, mas prova, todos os dias, o quanto gosta da nossa companhia. Quem não mente, não engana e não se alegra com a dor do outro.

Bonito é quem desperta o amor e fica, quem conquista e cultiva, quem não apenas planta como rega, cuida, protege, como quem deseja não perder aquilo que cativou.

Compartilhar
Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, 22, é aquela que escuta mil vezes a mesma música e tem a risada escandalosa. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito catupiry, mesmo sendo intolerante a lactose. Encontra paz na oração e vê amor nos pequenos detalhes.


2 COMENTÁRIOS

  1. A Raposa e o Pequeno Príncipe:
    A Raposa: Cativa-me, por favor, cativa-me!
    Nessa aí ela tem 50% de culpa no cartório, né não?
    Quem quer viver para sempre? Quem vai viver para sempre? Viva o momento, um dia de cada vez, crie cactos, um gato, um pônei vesgo, um jumento alado, mas não crie expectativas! Viva um dia de cara vez! Tua felicidade não pode depender de outrem! Não culpe alguém por não corresponder às suas expectativas, não coloque sobre outra pessoa a responsabilidade de você ser segura, independente, feliz e aberta a viver a vida como ela se apresenta, e não como você gostaria que ela fosse ou pior, como a televisão te mostra como dela deveria ser…

DEIXE UMA RESPOSTA