Este texto é uma narrativa baseada na minha experiência (de uma demi hétero-romântica [olha outro termo aí!] o que não significa que todos os demis sejam assim). O espectro da área cinza é gigantesco e minha intenção aqui não é definir a demissexualidade, mas sim contar como ela é pra mim, ou seja, falar de uma nuance. O assunto é bem complexo e tem muitos textos ótimos e completos que, esses sim, trazem uma explicação bem detalhada sobre o assunto. Este texto é uma introdução “lúdica” ao assunto.

Dias desses uma amiga veio falar comigo no WhatsApp:

— E aí? Tudo bem? Como tá na França?

— Oi, tudo bem e aí? Aqui tá tudo certo, muito frio. (:

— Que bom! Mas, e os gatinhos?

— Nem pensei nisso. Tô trabalhando bastante, bem feliz com o estágio.

— Nossa, mas não rolou nem uma paquerinha?

— Hum… não.

— Nossa, como você é calma.

Então, não é calma. Eu sou demissexual, mas por mais que eu tente explicar, ninguém entende. Mais do que não entender, tem gente que não respeita.

Esses termos são relativamente novos e ninguém é obrigado a saber, isso não é ignorância. Ignorância é não querer saber. É achar ridículo, achar que é bobagem, que tem cura, que dá pra mudar. Não. Nasci assim, tô muito bem com isso e não quero mudar.

Mas, afinal, o que é ser demissexual? Tia Lidia te explica.

Sendo (bem) breve, nesse mundão em que vivemos, temos 3 tipos de pessoas:

1. As alossexuais: aquelas que sentem atração sexual por outras pessoas. Elas olham uma pessoa > acham essa pessoa atraente > ficariam com essa pessoa.

2. As demissexuais: aquelas que só sentem atração sexual por outras pessoas caso tenham algum tipo de ligação emocional / psicológica / intelectual.

Cenário a): Ela olha uma pessoa > não sente nada. Pode ficar com essa pessoa? Pode, mas não sentirá nada. Não será prazeroso pra ela. Algumas pessoas se esforçam e ficam mesmo assim. Mas a experiência pode ser tanto indiferente como incômoda. Sempre que me esforcei me senti um pedaço de carne no açougue.

Leia Mais: A relação sexual não existe

Cenário b): Ela olha uma pessoa > ela conhece essa pessoa > elas conversam > elas criam uma ligação (afeto) > essa pessoa passa a ser atraente para o demissexual.

3. As assexuais: aquelas que não sentem atração sexual at all! Elas podem se apaixonar, mas jamais sentirão atração por alguém.

O “problema” é que vivemos em um mundo alossexual, que espera que você também seja.

— Mas, espera, nem se o cara for muito, mas muito gato você sente atração? Tipo, se o cara mais gato do mundo estivesse aqui, agora, você não ficaria com ele?

Então, não se trata da beleza da pessoa. Abrindo um parêntese aqui: nós achamos pessoas bonitas, achamos certos tipos de corpos bonitos e tudo mais. Mas tipo, só. É bonito, mas se eu simplesmente não sei quem é o cidadão, eu não sinto nada. É bonito, ponto.

Pode acontecer de eu achar que o cara é o cara da minha vida. Vai rolar assim de cara? Nop. Lindo, inteligente, gente boa. Mas, calma, essa boquinha aí também foi feita pra falar, então, fala!

Como eu ia dizendo, não é a beleza que determina. Você pode colocar o Sebastian Stan pelado na minha frente.

Se você não conhece, este é o Seb:

Mas, então, nem ele?

— Oi, Sebastian, aceita um vinho? Não tenho cerveja, é que eu não curto muito, sabe? Então, tá em Paris de passagem? Cê acredita em astrologia? Qual foi o sonho mais doido que você já teve? Qual seu sabor de sorvete favorito?

Leia Mais: Transgênero: um matiz da sexualidade humana

E o Sebastian pode entrar no jogo. Jogar conversa fora. Me falar da vida dele. Me contar daquela vizinha sem noção. Da maior merda que ele fez na vida. Dar risada. E então ele pode se tornar um cara atraente, mas por aquilo que ele é.

Sabe, eu nunca fiquei com aquele cara.

— Que cara?

— Aquele do show do Strokes. Não sei o nome dele. Ele tava com uma blusa do Joy Division. Gatinho.

Mas, não, não aconteceu. Mas, sabe com quem aconteceu?

Com aquele cara que sei o nome e sobrenome. Aquele cara que eu sei que sua cor favorita é verde, sua fruta favorita é melancia, que ele caiu e quebrou os dois braços ao mesmo tempo quando tinha 7 anos, que ele foi um filho planejado, mas sempre acharam que ele era uma menina.

Aquele que sei que mora na rua da faculdade, que gosta de Beatles e seu álbum favorito é Sgt. Pepper’s, mas que ele só começou a gostar depois de velho. Aquele que conhece Wallflowers, porque a gente falou sobre isso em uma dessas caminhadas sem destino pela cidade. Ou será que foi naquela vez que fomos tomar uma cerveja? Aah, já sei! Foi naquele dia que fomos no pub modinha do centro. Falando nisso, foi bem engraçado, tava rolando a maior DR na mesa do lado.

Entende?

Ele me atrai. E não me atrai por saber se ele estará aqui amanhã ou não. Se ficamos uma noite ou se ficaremos uma vida inteira. Me atrai saber que enquanto esteve aqui, estava comigo não pelo fato de eu ser mulher, mas pelo fato de eu ser eu. Lidia. 25 anos. Nascida e crescida em Santo André. Cor favorita: roxo. Gosta de cozinhar. Adora animais, mas tem nojo de pombos. Fala palavrão pra caralho. Se deu muito mal quando tentou andar de patins e bicicleta ao mesmo tempo. Adora luzes de Natal. Gosta do céu. Queria ser pilota de Fórmula 1, mas desistiu porque não tinha dinheiro. Descobriu depois de velha que o anarriê da festa junina era uma palavra em francês. Odeia conversas de elevador e fazer média com as pessoas. Pediu demissão do chefe. Trabalha 24h por dia se deixar. Que, não parece, mas além de demissexual é tímida. E que, mesmo te achando bonito e gente boa, não vai ficar com você por ficar. Que pode demorar um mês pra criar um laço contigo, ou apenas algumas horas.

É difícil ser assim?

É sim. Ainda mais nessa sociedade moderna que parece que disputa quem se interessa menos. Ainda mais quando você se interessa por pessoas extremamente alossexuais. Você não pode chegar falando: “oi, sou demi, não encosta muito em mim não, tudo bem?”. Você gostaria de corresponder, mas simplesmente não consegue porque não faz sentido pra você. Então elas pensam que você não está a fim e tchau oportunidade de conhecer alguém legal.

Eu sempre ficava com uma sensação meio bosta de “olha eu estragando tudo de novo”. Mas com o tempo você se aceita. Isso é o que você é, se o outro não entende talvez ele não queira entender. Talvez ele estivesse ali pela mulher e não pela Lidia (acontece muito, quase sempre… acho que sempre).

E também porque a gente SEMPRE quebra a cara. Demis precisam do “apego” pra se envolver, então não importa a intensidade da ligação, pra se quebrar a cara basta que ela exista e, pra nós, ela sempre existe.

Então, sabe, a gente já é obrigado a lidar com tantas coisas. Tantos sentimentos e pensamentos conflituosos. Poupe-nos de seus “mas”. Entenda que neste mundo existem pessoas diferentes de você, pessoas que acham o colega do escritório mais atraente do que o Stephen Amell e isso não faz delas melhores ou piores que ninguém.

Um beijo pra vocês. ❤

(Autora: Lidia Amendola)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


53 COMENTÁRIOS

  1. Desculpe minha ignorância e sem nenhuma pretensão gostaria de perguntar:
    Este é um texto para quem é fã de psicanálise?
    Nada contra a autora.
    Somente a página.
    Atenciosamente,
    Renata.

    • Eu diria que “fãs de psicanálise” são desde psicólogos, até curiosos ou entusiastas sobre a filosofia/tema. O texto foi escrito de um interlocutor para outro, mas acho que pode ser aproveitado por todos. Mesmo que não esteja diretamente ligado à psicanálise (ainda que talvez possa ser um objeto de estudo dela), serve, no minimo, para elucidar um conceito consideravelmente novo que, inclusive, acredito que muitos psicólogos desconheçam. Por exemplo, me formei recentemente, e não me lembro de ter ouvido sobre “demissexuais” uma única vez durante toda minha graduação em psicologia.
      Visibiilidade, conscientização e empatia nunca são demais, quando se trata de algo do tipo.

  2. Amei este texto, nunca me senti tão representada, e pela primeira vez entendi porque não consigo me envolver tanto com as pessoas ou me interessar tão facilmente como outros, mesmo sendo bonitas ou aparentemente interessantes, percebi que acho o Ian Somerhalder um homem lindo, mas ainda sim escolheria ficar com aquele cara que conheci á três anos atrás e é louco pela camisa do One Piece kkk

    • Não tem nem um mês que eu estava explicando pra minha namorada isso e ela me olhando com aquela cara de o.O
      Antes de namorarmos fomos só amigas por dois anos inteiros, sem nada. E ela me falando: Mas você nunca nem beijou ninguém que você não tivesse uma ligação de afeto? E eu: Não. E passei a vida toda me sentindo uma extraterrestre por isso.
      As pessoas acham que você escolhe ser assim, mas você simplesmente é. E o mundo todo é diferente, mas a melhor coisa da vida é conhecer alguém que se sente exatamente como você, te dá a sensação de que você não nasceu no planeta errado. 😊

  3. Achei sensacional sua postagem, Lídia.
    Bem pedagógica mesmo. Conseguiu posicionar os diferentes tipos de pessoas e definir bem o que é o demissexual. E à medida em que ia lendo, me envolvendo de fato, fazia cada vez mais sentido o que dizia.
    Acredito que esteja no mesmo barco. Você esclareceu muito e abriu novas perspectivas para minha reflexão.

    Gratidão pelo texto.

  4. Obrigada por esse texto. Não conhecia o termo e me sinto acolhida e compreendida. Agora terei argumentos para expor a forma que penso e sem me sentir mal por não me encaixar num padrão determinado pela sociedade. Envio luz a você mocinha! 🙂 gratidão!

  5. Obrigado por compartilhar a sua história. Como um demissexual, demorei anos sem saber o que era e esta parte da minha vida sempre me causou insegurança e por várias vezes acabei me forçando a ficar com alguém só para me sentir péssimo durante e depois. Descobrir que não sou “enjoadinho; exigente demais; sem atitude; inseguro da minha sexualidade; fraco; não ser homem de verdade; tonto”, e apenas diferente, tirou um nó da minha garganta.
    Ler sobre a experiência de outros demissexuais me tranquiliza ao saber que não estou sozinho neste barco pelo menos.

  6. Apesar de não ter sido o objetivo explicar o que significa ser bissexual, ficou muito claro no texto.
    Não conhecia o termo, não conhecia o conceito, mas conheço muito bem o que signigica.
    Um relacionamento pressupõe algo mais do que uma atração física. A atração física termina quando o corpo deteriora ou sofre alguma “perda”, a atração que vai além do físico se estabelece entre os SERES envolvidos, com todo o seu conteúdo emocional e psicológico.
    Grato pelo texto.

  7. Poxa, fiquei até emocionada com o texto.
    Nunca soube porque eu sou assim, inclusive já fui taxada de frígida porque não consigo ficar com ninguém. Não é fácil explicar porque não tenho atração logo de cara e já fiquei fascinada com uma pessoa só pelo diálogo,sem nunca ter visto pessoalmente.
    É bom saber que isso existe, que não sou uma​ alien…

  8. Desculpe discordar, mas assexuados sentem atração SIM!!!
    O que acontece é que não gostamos de sexo, podemos até já ter tido sexo prazeroso na vida, mas preferimos não faze-lo e não sentimos falta, mas beijamos, abraçamos, amamos, namoramos e sentimos atração sim senhora. Isso é ser assexuado.
    Mas agradeço o esclarecimento sobre essa nova palavra e tipo de personalidade.

  9. De todos os textos que já li (e me identifiquei) acho que foi a melhor definição – sou totalmente demisexual, ou melhor, demi-hetero-romântica sexual

  10. Não tinha conhecimento sobre essas definições, na verdade nem sobre essas palavras mas adorei ler e saber sobre! Agradeço por ter compartilhado! É sempre muito bom encontrar pessoas, palavras, sensações que ajudam a nos indetificar!

  11. Caraca…precisei chegar aos 52a para descobrir quem eu sou.Imagina ser demi a 30 a atrás.Mas tá valendo sou muito feliz do jeito que sou.Obrigada por essa explicação tão simples e tão verdadeira.

  12. Cara,finalmente encontrei o termo certo para meu tipo!Sou igualzinha!Comecei a namorar com 19 anos e dei o primeiro beijo nesse namorado quando eu ja tinha certeza que ele era o cara.Eu me apaixonei por ele depois dele cuidar de mim no hospital,ele era enfermeiro e todas as tardes no final do plantão ele ficava conversando um tempão comigo, no começo achava ele um chato.Um dia ele não apareceu e foi aí que percebi que ele fazia falta,estava muito atraída por ele.E sempre foi assim com todos os outros namorados.Obrigada por compartilhar.

  13. adorei seu texto lidia… e me idemtifiquei muuito.. tenho 25 anos e nunca tive um relacionamento serio.. ja ate cheguei a questionar se estava seguino a opcao sexual errada, me forcando a ser hetero sabe haha.. loucuras da mnha cabeca..
    me pergunto toda hora o que tem de errado comigo, por ser solteira ate hoje.. ja fiquei algumas vezes, mas nada que me marcou..
    com esse texto pude ver e me enxergar em vc! obrigada pela ajuda. o negocio eh aceoitar a minha hora chegar, qdo alguem realmente tocar meu coracao.

  14. Olá!
    Adorei seu texto, e a forma como escreve!
    Acho que uma pessoa pra entrar em minha vida, além das coisas que citou, deve ter algo que:
    Se toque,
    Se cheire,
    Se veja,
    Se ouça,
    E que incentive o que se falar, que explore seu cerebro!

    Claro, que surpreenda não somente a vc, mas que se sinta bem com ambos!

    Falei merda?

  15. A cada dois minutos alguém inventar um novo gênero para se juntar aos outros mil para se achar diferentão, vivemos tempos estranhos, esse comportamento infantil e caricato deveria ser limitado aos adolescentes q vêem gêneros como tribos urbanas. Vou inventar um novo gênero pra me definir já q está na moda, eu sou celebritFantasiSexual, tenho fantasias com celebridades, sou especial, sou diferente.

    • Todas as pessoas são diferentes. Você deve ser uma pessoa muito feliz em se sentir igual à todo mundo porque é horrível a cobrança de que você goste de ir pra balada e “beijar” 3 pessoas que você nunca viu, transar com uma que acabou de conhecer e você simplesmente pensa: não dá pra ficar com gente desconhecida. Parabéns porque pra você todas as diferenças são modinha! 😉

  16. Caramba vc me descreveu haha. Sempre me enchem o saco por eu ser assim….mas preciso de ligação, apego, afinidade….tb me sinto um pedaço de carne ficando com alguém que eu não tenha nenhuma ligação rs……obrigada por compartilhar!

  17. Eu acho tudo uma grande baboseira. Toda mulher tem um pouco de “demisexual”, inclusive alguns homens. No fundo aparência sempre importa. Já cansei de conversar horas e horas com mulheres pra quando chegar na hora do encontro levar fora só porque sou gordão kkkk.

    • Exatamente o que eu ouvia: Não tem como não se atrair pela aparência, a aparência sempre vai importar nem que seja para a primeira aproximação. Eu também ouvia que eu fazia isso para me sentir melhor que os outros que ficavam “por ficar” e me defendia explicando que não é legal se sentir diferente de todo mundo. Mas que as pessoas não compreendam as diferenças, é normal.

  18. Acho que, especialmente para uma página “fãs da psicanálise” este texto é extremante intelectualmente pobre e infantil. Inventar termos para justificar comportamentos já descritos é desde uma falta total de conhecimento do que se está falando a uma necessidade imatura de querer aparecer se enquadrando em algo sem fundamento científico nenhum. Achar pessoas que gostem e se enquadram nesses termos é facilmente previsível e não atesta em nada a qualidade do que foi escrito, assim como criar termos para coisas que já existem. Reinventar a roda já não cola mais e este site deveria filtrar mais seus conteúdos para evitar textos desnecessários como esse.

  19. Bom dia! Simplesmente adorei o texto. Ele e bem reflexivo e relevante para quem se identifica assim, como eu! Parabéns a autora!
    Precisamos bem mais do que um rosto bonito e corpo bombado pra chamar atenção.

  20. Querida Lidia te compreendo e graças a vc me compreendo mais eu mesmo. Nao sabia que o meu perfil se encaixa perfeito com demi. Me sento diferente do meus amigos quando o assunto era paquera e etc… agora pelo menos faço uma ideia mais clara. Obg. Abraços…

  21. Não sou de rótulos mas, devo concordar que, se eles são necessários para que possamos nos encontrar, então, eu sou Demi.
    Gostei do texto, simples, direto, claro, elucidativo.
    🙂
    Demi Feliz! <3D

  22. Na verdade, existem pessoas com baixa libido, pessoas com a libido normal e pessoas com alta libido. Pessoas com baixa libido e alta libido precisam de tratamento para normalizar (é o seu caso, pois tem baixa libido). Esses termos fantasiosos foram criados pela ignorância, por não ter o conhecimento da causa científica de sua patologia. O fato de ter que escrever para se autoafirmar já mostra uma insegurança e uma insatisfação pela sua condição. Procure um tratamento e, paralelamente, saia de sua zona de conforto, vá buscar emoções, pois a vida é curta. Abraço.

  23. Olá. Descobri em que tipo minha amiga se encaixa. Maa e eu?
    Se sinto atração por alguém e tenho vontade eu fico com a pessoa.
    Mas nao quero só isso.
    Quero um relacionamento, um amor….

  24. Agora faz todo sentido, me identifiquei com esse texto aceitação é o que preciso nesse independente da opinião das demais pessoas que insistem/impõe que eu seja como elas. Obrigada pelo texto já li textos a respeito e esse encontrei por acaso valeu a pena a leitura.

  25. Nossa, muito obrigada por esse texto. Eu achava que só eu era assim. Como é bom se identificar e saber que existem outros assim. Parece que cada palavra que vc escreveu cada palavra sobre mim. Ótimo texto. Obrigada por me ajudar a me conhecer melhor!

  26. Amei. Não sabia que tinha um nome. Mais me definil. Ficar pra não estar sozinha. Melhor ficar só. Totalmente verdade. Se não ouver ligação. Nem o gato mais gato consegue se aproximar. Sempre me achei diferente dos outros. Estranha mesmo. Masi sempre gostei disso. Incomoda quem vive pulando de relacionamento, a mim nem um pouco. Primeiro tem que entrar na mente pra depois entrar no coração. Isso é independente de beleza, pode ser btega, mais gosto e de essência. O que me faz a cabeça e um bom papo e não uma boa transa. O que me encanta e um bom caráter e não um belo corpo.

  27. Aconteceu uma coisa muito estranha comigo. Quando clickei no link para saber mais sobre esse termo, fiquei paralisado olhando a foto da autora e perdidamente apaixonado. Será que existe um termo para as pessoas que se apaixonam à primeira vista por uma fotografia?

  28. Pelo que li até parece um pensamento demissexual, mas, não é bem por aí eu acho.
    É como se você dissesse que é bi por ter beijado mulheres, só que não sente atração por mulher sexualmente.

    Uma pessoa demissexual é mais complexo do que ser o tipo de pessoa que se relaciona só depois que conhece a pessoa e ganha um laço com ela intelectual/emocional. Ser demissexual é até tendo esse laço não sentir atração exemplo “física”, raramente exitação sexual por uma pessoa, mas sentir claro.
    Não é só uma pessoa de boa que quer focar na faculdade ou trabalho e não quer namorar, não é só porque você não quer pegar ninguém e não ta sentindo atração por pessoas que é demi.
    Sugiro dar uma lida sobre depoimentos de pessoas que se identificam pra entender o que quero dizer, talvez você seja mas não soube expressar mais do que isso, não sei. Mas tem outras complicações, como por exemplo não há atração por gêmero, nunca, nunca acontece de uma pessoa demissexual olhar alguém no trem e sentir atração. A gente cresce vendo as pessoas serem totalmente diferente disso, e entenda o que eu digo, não falo de pessoas pegando pessoas loucamente, falo de simples atração, troca de olhar.
    Pessoas demissexuais não sabem exemplo; sensualizar. Porque não entendem da mesma forma, falo assim como uma lésbica sabe sobre lésbicas. Porque já me perguntei se era gay, se era bi, se era estranha, se era menino dentro de uma menina, se era assexuada, e depois de muito tempo entendi alguma coisa.

    Então volto a dizer, demissexualidade não é sobre focar na carreira e ficar “sussa”. É sobre não sentir atração por outras pessoas sentindo por uma só, é comum monogamia. É uma pessoa que nunca teve fase “de putaria” pra se descobrir. Etc pessoal, muita gente sai falando “ai sou demissexual” pra pagar de puro e diferentão, “o que não sente atração fácil”, mas é uma definição sexual e tem lados difíceis também, bem mais do que ficar “sussa”.

  29. Adorei o artigo! Porém, o que em atraiu na chamada foi um contraditório, que descobri que nem existe de fato. Então, minha sugestão é que de alguma forma você substitua a palavra “apego” que está lá no lead, porque a palavra não tem nada a ver com o que você quer dizer… Parabéns, seja feliz!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here